Deputado quer mudar pagamento de caminhoneiro autônomo e acabar com Ciot

O-motorista-Valdir-Alves-de-Souza-o-Biro-Biro-em-Sinop-MT

Além de trabalhar para flexibilizar e prorrogar a aplicação da Lei do Descanso (12.619), o coordenador da intitulada Bancada do Transporte Rodoviário de Carga na Câmara, deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP), quer alterar a resolução 3.658, da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

A resolução regulamentou a forma de pagamento dos caminhoneiros autônomos no País, após a proibição da carta-frete. Ela estabelece que o profissional pode ser pago por meio de depósito em conta bancária aberta em seu nome ou, de forma eletrônica, através das empresas de cartão homologadas pela agência.

A sugestão de Marquezelli é extinguir o principal instrumento da resolução, que é o Código Identificador da Operação de Transporte (Ciot). O Ciot deve ser preenchido pelo contratante do transporte toda vez que utilizar os serviços de um autônomo. Seu objetivo é evitar a informalidade e a sonegação de impostos no setor.

O deputado também sugere à ANTT que o pagamento do autônomo possa ser feito em dinheiro vivo, o que hoje é proibido. Ele é apoiado pelo Movimento União Brasil Caminhoneiro (MUBC).

A sugestão foi enviada por Marquezelli, por ofício, ao diretor geral da ANTT, Jorge Bastos, em 9 de abril. Ela segue assinada também por outros deputados que integram a bancada. No mês passado, a agência abriu consulta pública para receber contribuições para “aprimorar” a resolução. Ainda não foram definidas as mudanças.

Fonte: Revista Carga Pesada