Mercado de caminhões recupera fôlego em março e há sinais de maior crescimento ao longo deste ano

size_590_producao-caminhao-iveco




Agora sim, com o fim do primeiro trimestre, poderiam os especialistas fazer previsões mais seguras. Os pessimistas, que esperavam queda, se decepcionaram. O mercado de caminhões vem reagindo lenta mas progressivamente. No mês de março, segundo números divulgados hoje pela Anfavea, foram comercializados 12.014 caminhões, volume 23,4% superior às 9.733 unidades emplacadas em fevereiro passado (há que se considerar o mês mais curto do ano, encolhido ainda mais em dias úteis com o feriadão do Carnaval).

No acumulado deste primeiro trimestre, o mercado nacional absorveu um volume de 33.615 caminhões contra 36.169 unidades comercializadas no mesmo período do ano passado, pontuando queda de 7,1%. Contudo é preciso lembrar que, no primeiro trimestre do ano passado ainda era possível comprar uma boa quantidade de veículos com motorização Euro 3, ainda zero quilômetro e cerca de 15% mais baratos. Por isso a comparação deste trimestre com o do ano passado acaba gerando estas distorções quando se analisa apenas números e não a real situação.

Um bom sinal que há uma forte pressão para incremento de médio prazo nas vendas de caminhões, novamente, vem do campo. Neste trimestre o setor de máquinas agrícolas vendeu 18.930 unidades no mercado interno contra 14.606 vendidas no mesmo período do ano passado, marcando um crescimento de 29,6%. Ainda há o famigerado gargalo logístico nos portos, mas na lavoura este indicador demonstra que a rentabilidade do setor foi alta com a última safra e já se espera outra nova extraordinária colheita na próxima. Portanto, evidentemente, haverá forte pressão na demanda por novos caminhões, especialmente pesados, nos próximos dois trimestres.

No segmento de semileves, que é relativamente pequeno, com apenas 389 unidades comercializadas neste março, a Iveco domina com 186 unidades emplacadas, seguida pela Mercedes-Benz, com 130 veículos. No segmento de leves, onde a briga fica mais acirrada, e o volume é bem maior, o mercado absorveu no mês passado 2.463 caminhões e a liderança fica com a MAN, com 861 emplacamentos seguida de perto pela Mercedes-Benz, com 835 veículos vendidos.

Já o segmento de médios, estável há anos, absorveu 914 unidades no mês passado, com total domínio da MAN, que vendeu 584 unidades (a segunda posição ficou bem distante, a Ford, com 161 caminhões vendidos). No semipesados, cada vez mais vigoroso, o volume atingiu 3.704 unidades, e a MAN brilha novamente na ponta com 1.376 unidades, seguida pela Mercedes-Benz, com 908 caminhões. Por fim, os pesados, com um março rechonchudo, com 4.736 pesadões emplacados e liderança folgada da Scania, com 1.833, seguida lá longe pela Volvo, com 1.094 caminhões vendidos.

Fonte: Brasil Caminhoneiro