Um caminhoneiro é assaltado a cada 52 horas em Curitiba

cid3080413

A cada dois dias, um motorista de caminhão é assaltado nas estradas que cortam Curitiba, segundo o Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas no Estado do Paraná (Setcepar). A estimativa é que cerca de R$ 6 milhões em cargas tenham sido levados pelas quadrilhas somente no primeiro trimestre de 2013.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou 41 ocorrências de roubos de cargas de caminhões nas rodovias que atravessam a Grande Curitiba, entre janeiro e março. O presidente do Setcepar, Gilberto Cantú, acredita que esses números podem ser ainda maiores. “Não existe uma delegacia especializada nesses casos, então os dados não são precisos”, afirma. Em 2012, segundo o sindicato, foram registrados 200 casos de furtos de cargas em todo o Paraná.

De acordo com a PRF, o ponto mais crítico para os caminhoneiros fica na BR-116, na divisa entre Paraná e São Paulo, no município de Campina Grande do Sul. “É um local longe do perímetro urbano e onde existem muitas estradas vicinais, em que pode ser feito o transbordo”, explica Pedro Diniz, chefe do núcleo de policiamento e fiscalização da delegacia metropolitana da PRF.

As cargas preferidas das quadrilhas são as que contêm produtos mais fáceis de serem repassados. “Cosméticos, eletroeletrônicos, medicamentos, vestuário e alimentos são os mais visados”, conta o presidente do Setcepar. Mas os ladrões de estrada têm demonstrado seguir o lema “o que vier é lucro”: ovos de páscoa e sabonetes, xampus e pastas de dente de motel foram levados recentemente.

Procedimento

Na maior parte das vezes, os ladrões fecham os motoristas em estradas ou postos de combustíveis. Em alguns casos, até mesmo simulam uma blitz, usando coletes da polícia. “Eles prendem o motorista em um cativeiro até que a carga seja descarregada. O caminhão é abandonado e normalmente é achado depois, e depois de algumas horas eles liberam o motorista”, diz Cantú. Ele fala ainda que os bandidos não costumam ser violentos, mas na semana retrasada o caminhoneiro Waldomiro Costa, 64 anos, foi morto com dois tiros na BR-376. Segundo a polícia, o bandido teria tentado assaltar o motorista.

LEIA MAIS  Target MP lança Conta Digital para caminhoneiros

Violência leva PRF a lançar disque-denúncia

O aumento dos casos de assaltos a caminhões do segundo semestre do ano passado para cá motivou a criação de um disque-denúncia da PRF de roubo de cargas, que funciona no (41) 3676-1602. Desde então, já foram efetuadas treze prisões e recuperadas três armas envolvidas nesses crimes. “Também existe o serviço de investigação e o serviço de ronda 24 horas por dia nos pontos mais críticos das estradas e também nos pátios dos postos de combustíveis”, afirma Pedro Diniz, chefe do núcleo de policiamento e fiscalização da delegacia metropolitana da PRF.

Para o presidente do Setcepar, Gilberto Cantú, o grande aumento no número de roubos de cargas no Paraná nos dois últimos anos é motivo para a instalação de uma delegacia especializada nesse tipo de crime. “A gente entende que uma delegacia focada, com trabalho de inteligência da polícia bem articulado e melhor aparelhamento para desarticular essas quadrilhas, resultaria na diminuição dos roubos”, opina o dirigente.

Sindicato reivindica punição a receptador

O Setcepar criou uma assessoria de segurança, que tem como objetivo auxiliar os associados que forem assaltados e fazer uma ponte com as polícias para diminuir os roubos.“É uma assessoria interna que faz o monitoramento da ação policial e também ajuda a polícia no sentido de buscar informações para subsidiar o trabalho de investigação, e dá apoio ao associado”, explica o presidente da entidade, Gilberto Cantú.

LEIA MAIS  Tabela de frete não vai resolver problema do excesso de caminhões

O sindicato também alerta às empresas que contratam os caminhoneiros a necessidade de treinamento para evitar assaltos. “Para que os motoristas evitem parar nos locais de risco, prestem atenção quando algum carro sinaliza algum tipo de problema e parem nos postos mais confiáveis”, ressalta o presidente.

Segundo Cantú, grande parte das cargas roubadas já possui receptador. “A reivindicação do sindicato é que o receptador seja punido com perda do alvará de funcionamento, seja indiciado e sofra as devidas penalizações, porque é uma figura que incentiva os crimes”, finaliza.

Risco aumentou, relatam caminhoneiros

Há 16 anos nas estradas, Alexandre Kuss, 32 anos, diz que o perigo de assalto nas estradas de Curitiba, principalmente na divisa com São Paulo, está mesmo evidente. “Quando dá fila, os caras vêm na cabine bater para assaltar, e é só em caminhões porque sabem que a gente não está armado e sempre tem algum dinheiro, para os pedágios e óleo”. Ele mesmo já foi assaltado, em Cachoeira Paulista. Foi amarrado no mato por 24 horas. “Devolveram tudo que era meu, documentos, mala, roupas”, diz. Mas o caminhão, mesmo com rastreador, não foi encontrado. Ele conta ainda que evita alguns locais mais perigosos, como postos onde amigos já foram roubados. E o resto “bota na mão de Deus”.

cid4080413O caminhoneiro Pedro Roberto Dante, 57 anos, também está preocupado com os crimes nas estradas. “Tenho procurado viajar de dia para ficar mais seguro”, relata. “Outro dia mesmo pegaram um motorista e levaram o caminhão que estava levando forro de PVC”, conta.

Fonte: Paraná Online




2 comentários em “Um caminhoneiro é assaltado a cada 52 horas em Curitiba

  • 14/04/2013 em 11:51
    Permalink

    Penas mais severas aos receptadores é o ideal. Assim como o fim dos desmanches de veículos,revendedores de peças. O desmanche deveria existir apenas para veículos com baixa e, apenas para efeito de reciclar materiais para fundição.Mesmo assim tendo rigorosa fiscalização governamental.

  • 09/04/2013 em 21:57
    Permalink

    o caminhoneiro é caçado dioturnamente pelas estradas do brasil,o ladrão so existe porque tem quem compre o roubo.

Fechado para comentários.