Mercedes-Benz: atenção voltada aos pesados em 2013

actros 2655 6x4




A Mercedes-Benz do Brasil concentrará seus esforços em 2013 para voltar a brigar pela liderança no segmento de caminhões pesados, no qual hoje ocupa a terceira posição em vendas, atrás da Scania, a atual líder, e da Volvo.

“O mercado total de caminhões crescerá 7% em 2013, chegando a 143 mil unidades, e o de pesados, de 12% a 13%, quase o dobro, totalizando 52 mil. Com avanço do PIB na ordem de 3% a 3,5%, safra recorde de 186 bilhões de toneladas de grãos e taxas de juros de financiamento pelo Finame/BNDES definidas até o final do ano (de 3% ao ano no primeiro semestre e 4% no segundo), o segmento de pesados só tende a expandir e, portanto, merece muito de nossa atenção”, disse Tânia Silvestri, diretora de vendas e marketing de caminhões da Mercedes-Benz do Brasil, sem revelar quanto a empresa espera crescer.

De acordo com a executiva, há 10 anos, os pesados representavam no máximo 12% de todo o mercado de caminhões. Em 2012, a representatividade subiu para 35% e em 2013 deve alcançar 40% das vendas totais. “A participação aumentou ao passo que a economia e o agronegócio evoluíram, exigindo caminhões que transportem mais carga por menos custo. Os veículos que movem o Brasil são os pesados, que também são os modelos que mais exigem atualidade”, explicou Tânia.

Concorrência

Os números divulgados pela Anfavea, associação que reúne os fabricantes de veículos, na terça-feira, 7, mostram que o mercado total de caminhões cresceu 25,7% em abril deste ano ante o mesmo mês de 2012, para 13,9 mil unidades, e caiu 0,9% no acumulado dos primeiros quatro meses em relação ao mesmo intervalo do ano passado, para 48,3 mil veículos. Na mesma base de comparação, o segmento de pesados expandiu 83,9% em abril último, para 5,1 mil caminhões, e 24,9% no quadrimestre, para 17,2 mil unidades.

A Mercedes-Benz aproveitou o momento favorável de retomada do setor para vender 3,2 mil pesados nos primeiros quatro meses, pouco mais de mil deles em abril. Com o volume, apresentou expansão de 48,5% em abril e de 13,6% no acumulado do ano.

Mas as altas da Scania e da Volvo foram ainda superiores. A Volvo teve expansão de 130,6% em abril em relação ao mesmo mês de 2012, totalizando 1,4 mil unidades. E anotou crescimento de 42,3% no acumulado do ano, para 4,4 mil pesados. A líder Scania, por sua vez, viu seus licenciamentos saltarem 151,2% em abril, para 1,6 mil caminhões, e 105,1% nos primeiros quatro meses ante o ano passado, para 5,9 mil unidades.

Estratégia

Para se aproximar das concorrentes, a Mercedes aposta na sua atual gama de pesados, que ganhou recentemente câmbio automatizado Powershift de série (não há mais a opção manual) e já tem ABS antes que se tornem obrigatórios, a partir do ano que vem. Alguns modelos levam ainda nova suspensão pneumática de cabina e nova relação de eixo traseiro.

Segundo Tânia, a Mercedes-Benz “cobre quase todo o segmento de pesados com os veículos que lançou nos últimos anos no Brasil”. Na variação 4×2, ela participa com a linha Axor, com modelos que têm até 410 cavalos de potência. No segmento 6×2, estão veículos Axor e Actros com até 460 cavalos. E no 6×4, ambas as linhas, com motorização de até 460 cavalos de potência.

O diferencial da empresa, na visão de Tânia, tem sido a divulgação de seus modelos. A executiva lembra que no início de 2012, com o começo das vendas dê modelos Euro 5 – de 8% a 15% mais caros em relação à linha Euro 3, que parou de ser produzida conforme a nova etapa da legislação de emissões para motores diesel, o Proncove P7 -, a Mercedes lançou o programa Truck Test, uma ação em conjunto com os mais de 200 pontos de vendas em todo Brasil que colocou à disposição de clientes mil caminhões (300 pesados) para testes. “Eles puderem comprovar na prática, dirigindo o veículo por cerca de 15 dias, as vantagens dos caminhões Euro 5, que em geral apresentam mais potência, menor consumo de combustível e custo operacional reduzido.”

Em 2012, com o Truck Test, foram realizados 4,8 mil demonstrações em vários pontos do Brasil e mais de 1 milhão de quilômetros foram rodados. A iniciativa parece ter dado tão certo que Tânia revela: “Continuarem pelo menos até o final de 2013, visando novamente alcançar o cliente onde quer que ele esteja. Para isso, contamos mais uma vez com a parceria da rede de concessionários e ainda incluímos as nossas ações de venda e relacionamento nas unidades da Ceasa, o que amplia nosso alcance comercial.”

Fonte: Portal Automotive Business