Volvo comemora 10 anos do semipesado VM

vm_euro v_2




A Volvo comemora em 2013 os 10 anos do lançamento da primeira versão do caminhão semipesado VM, um dos grandes motores do crescimento recente da companhia no Brasil. O modelo foi o primeiro veículo da marca criado para atender a demanda do mercado nacional e atualmente responde por cerca de 40% das vendas da companhia no País.

A Volvo destaca ter lançado no VM uma série de inovações. “Foi o primeiro caminhão da categoria a oferecer cabine leito, volante ajustável e motores com mais potência, na época de 210 cv e 240 cv”, enumera Alvaro Menoncin, gerente de engenharia de vendas da fabricante. As inovações permitiram que, em suas três gerações, o modelo acompanhasse a evolução das vendas no segmento. Dados da montadora apontam que, em 2003, o mercado brasileiro de semipesados foi de 17 mil unidades. Esse número saltou para 25 mil veículos em 2005 e deve ficar próximo de 70 mil caminhões em 2015.

O ousado projeto do VM nasceu teve como ponto de partida a oferta de conforto, baixo consumo e disponibilidade aos clientes do segmento, até então acostumados a caminhões mais simples. Aproveitando componentes de outras marcas do Grupo Volvo, como a cabine dos caminhões Renault, o desenvolvimento do caminhão provou ter sido um caminho acertado para a companhia no Brasil.

Em sua estreia, em 2003, o VM disputava um segmento que tinha 90% das vendas concentradas em três marcas. O modelo prova ter mudado esse cenário ao concluir 2012 com 10,1% de participação na categoria. “Foi a primeira vez que alcançamos dois dígitos de market share, mesmo com a retração do mercado”, conta Francisco Mendonça, gerente de vendas da linha. No ano passado, enquanto o mercado de semipesados diminuiu 30%, os emplacamentos do VM tiveram queda menor, de 15%. Mantendo esse ritmo, a companhia projeta que o modelo garanta participação de 15% no segmento em três anos.

A Volvo estima que o mercado de caminhões se aproxime este ano dos volumes registrados em 2011, recorde de vendas no País. “No caso de pesados podemos até superar esses volumes. Já em semipesados a expectativa é de chegar bem perto”, estima Bernardo Fedalto, diretor de caminhões da Volvo para o Brasil. Em 2012, foram vendidos 87,4 mil caminhões pesados e semipesados no País. Esse número deve saltar para 105 mil este ano, com 55 mil pesados e 50 semipesados.

A produção do VM este ano é estimada em torno de 7 mil unidades, próximo do volume alcançado em 2011. Se concretizado, o número será salto próximo de 27% na comparação com o ano passado, quando o ritmo da fábrica da companhia no Paraná foi afetado pela retração do mercado interno.

O aniversário de 10 anos do modelo será marcado pelo lançamento de uma série especial, com cor e equipamentos de série exclusivos, identificada por adesivo na porta. A Volvo garante que o VM se manterá como alicerce importante do crescimento da companhia no Brasil nos próximos anos, apesar de outros projetos importantes para o mercado nacional, como o introdução de uma nova marca de caminhões e a nacionalização do novo FH, lançado em setembro passado na Europa. “Vamos continuar atualizando e melhorando o VM”, promete Fedalto.

Nova marca no Brasil

A Volvo aponta que a experiência bem sucedida com o VM foi um importante aprendizado para o lançamento de uma nova marca de caminhões no mercado nacional, investida da companhia para garantir o crescimento dos próximos anos. A organização ainda estuda qual marca trará para o Brasil, mas promete anunciar a decisão até o fim de 2013. A partir daí serão necessário pelo menos três anos para transformar o plano em realidade.

A empresa decidirá entre as marcas Renault, Mack e UD com o objetivo de entrar em novas categorias no mercado em que atualmente não atua, oferecendo uma gama completa, com modelos médios e leves. A Volvo também não descarta a possibilidade de reunir características dos veículos destas marcas para lançar aqui novos caminhões Volvo que atendam estes segmentos. O projeto consumirá parte expressiva dos US$ 500 milhões que a companhia aplicará no Brasil nos próximos anos.

“A percepção de valor pelo cliente é muito menor entre nos veículos mais leves”, reconhece Fedalto, indicando um dos desafios do novo projeto. Outro ponto importante é a distribuição dos veículos, que pode ser feita em rede separada ou nas concessionárias Volvo. Atualmente a empresa tem 86 casas, número que deve crescer ao ritmo de 10 pontos de venda por ano.

Fonte: Portal Automotive Business