Motoristas do noroeste paulista reclamam de cobrança por eixo

caminhao_1




Os motoristas do noroeste paulista estão inconformados com a cobrança no pedágio dos eixos suspensos. Viajar com eixos suspensos e sem cobrança era uma das formas de economizar na viagem, o que não será mais possível.

A Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo autorizou as concessionárias a cobrarem taxa de pedágio dos chamados eixos suspensos dos caminhões e carretas. A cobrança já começou a valer neste domingo (28), em todo estado. Segundo o governo, a medida veio para evitar o reajuste das tarifas de pedágio.

O motorista Lessandro Carlosso transporta diferentes tipos de cargas para todo país. Nessa última viajem gastou R$ 235 de pedágio do Rio Grande do Sul, até o estado de São Paulo. Valor que poderia ter sido menor, sem a cobrança do eixo suspenso. “Poderia poupar R$ 75 a cada cinco pedágios se não cobrasse com o eixo erguido”, afirma.

As 19 concessionárias que administram 16 mil quilômetros de rodovias paulistas já podem fazer a cobrança do eixo suspenso de carretas e caminhões. O recurso é usado geralmente quando os veículos estão vazios. Antes só era cobrado o eixo que tocava o solo. A alteração na cobrança foi anunciada há cerca de um mês pelo governo estadual. Segundo a Artesp, há casos em que os motoristas suspendem o eixo mesmo quando estão carregados, só para pagar uma tarifa menor, o que aumenta o desgaste do asfalto e pode causar acidentes.

O motorista José Pahl roda o país todo, e diz que agora, vai ficar ainda mais difícil. “Muitas vezes estamos com a carga leve ou sem carga e íamos com o eixo erguido, com isso ganhava um dinheiro a mais”, diz. A determinação entrou para a lista de reclamações de caminhoneiros, que protestaram nas estradas de todo estado no começo de julho. Na Rodovia Marechal Rondon vários caminhões saíram em carreata. Os veículos chegaram a fechar os dois sentidos da pista e impediram a passagem por cerca de uma hora. A tentativa foi de evitar a cobrança, mas a viagem de muitos motoristas, vai acabar, ficando mais cara. “A gente faz a manifestação e nada da certo, não temos apoio”, afirma Lessandro. A mudança deve aumentar o custo das viagens, o que deve refletir no bolso do consumidor.

Fonte: G1





7 comentários em “Motoristas do noroeste paulista reclamam de cobrança por eixo

  • 02/08/2013 em 16:10
    Permalink

    O caminhoneiro não tem que pagar pedágio. Quem tem que pagar é o embarcador e a transportadora e DAR ao caminhoneiro o VALE-PEDÁGIO OBRIGATÓRIO, que é lei (Lei nº 10.209, de 23 de março de 2001). É fácil para a transportadora jogar nas costas do governo ou de quem quer que seja a culpa do valor do pedágio, eixo-suspenso, etc. Afinal, o próprio caminhoneiro não se informa e não faz valer seus direitos. Até quando o caminhoneiro vai ficar com medo de perder a carga por fazer valer seus direitos? Se todos agirem certo, a carga fica parada e a empresa vai acabar fazendo o certo.

    Resposta
  • 31/07/2013 em 19:36
    Permalink

    Como um eixo erguido vai afetar a malha asfáltica?? Pois quando um caminhão esta carregado não se torna possível erguer o eixo, sendo assim não ocorre má distribuição do peso e nem ocasiona acidentes como você mesmo disse ! E para falar mal de caminhoneiros tente fazer melhor depois fale de algum seu mal amado! Ingrato ! Sem Caminhão O Brasil PARA !!!

    Resposta
  • 31/07/2013 em 13:06
    Permalink

    engraçado agora o eixo levantado tambem destroi o asfalto e muita cara de pau

    Resposta
  • 31/07/2013 em 09:07
    Permalink

    Não tem nada sendo “inventado”, cara ergue o eixo com o caminhão carregado, destrói a malha asfáltica e quem se ferra depois são os que trafegam corretamente, sem falar a má distribuição de peso sobre os eixos que pode ocasionar um acidente, então se tem alguém noob é o caminhoneiro que faz esse serviço porco.

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!