Campinas se torna ‘Triângulo das Bermudas’ das cargas milionárias

anhanguera1




A região de Campinas se tornou o novo foco das quadrilhas de roubo de cargas em São Paulo. Esse tipo de crime avançou 46% neste ano na região, enquanto no Estado o crescimento foi de 3%.

Os ladrões são atraídos pelas características da indústria local -que concentra montadoras de eletroeletrônicos- e pelo fluxo de mercadorias em torno de Viracopos, o segundo maior aeroporto de cargas do país.

Apenas nas últimas seis semanas houve seis grandes assaltos -e cerca de R$ 9 milhões em itens roubados.

Alguns crimes ocorreram quase ao mesmo tempo, como no último dia 24.

Às 10h30, bandidos levaram R$ 1,3 milhão em celulares na rodovia Dom Pedro 1º, em Nazaré Paulista. Duas horas depois, uma carga de microprocessadores também avaliada em R$ 1,3 milhão -e com apenas 41 kg- era roubada na rodovia dos Bandeirantes, em Campinas.

“Campinas virou o ‘Triângulo das Bermudas’ do roubo de cargas”, diz Autair Iuga, presidente do Semeesp (Sindicato das Empresas de Escolta de SP), em referência à região do mar do Caribe conhecida pelo desaparecimento de navios e aviões.

Iuga atribui a situação ao perfil do parque industrial. “Os roubos de eletroeletrônicos hoje são coqueluche, e todas as indústrias que montam esses produtos estão na região.”

Segundo Orlando Fontes Lima Jr., do laboratório de logística da Unicamp, pelo “Triângulo” passa mais da metade do valor total das mercadorias transportadas no Estado.

As quadrilhas atuam sobretudo nas rodovias, durante o traslado das cargas entre Viracopos e empresas como Dell, LG e Samsung.

O caso mais recente ocorreu na terça, quando parte de uma carga de celulares da Samsung, avaliada em R$ 1,4 milhão, foi levada na rodovia José Roberto Magalhães Teixeira, que liga a Dom Pedro 1º à via Anhanguera.

Horas depois, a polícia recuperou 631 dos 900 aparelhos numa casa, onde apreenderam fuzis, pistolas, revólveres e veículos. Ninguém foi preso.

Logística do crime

133121267A boa estrutura de estradas também facilita a ação dos bandidos. “Temos as melhores estradas, e o roubo de carga é beneficiado pelo escoamento [dos produtos]”, lamenta Anselmo Riso, diretor de comércio exterior do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de SP) em Campinas.

As 462 ocorrências de roubo de carga registradas na área de Campinas de janeiro a setembro deste ano já superam os 425 casos de 2012.

Os crimes se concentram em Campinas, Jundiaí, Itupeva, Indaiatuba, Louveira, Valinhos e Vinhedo -cidades cortadas pelas rodovias Anhanguera, Bandeirantes, Santos Dumont e Dom Pedro-, mas ainda há ocorrências em outras cidades próximas, como Nazaré Paulista.

Juntos, os municípios do “Triângulo das Bermudas” respondem por 87% dos roubos de carga na região. E os números individuais de crescimento ante 2012 são alarmantes: 700% (Itupeva), 400% (Indaiatuba), 167% (Vinhedo), 150% (Jundiaí), 117% (Valinhos), 67% (Louveira).

Especialista em logística, Fernando Salgado, da FGV, prevê aumento de custos. “Se o roubo aumentou 46% na região de Campinas, o preço do seguro [das cargas] vai aumentar na mesma proporção. E se o preço do frete aumenta, aumenta o produto.”

Outro lado

133121270A cúpula da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo e as polícias Civil e Militar afirmam que estão tomando ações para combater a atuação de criminosos especializados em roubo de cargas na região de Campinas e e em todo o Estado.

Na semana passada, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o secretário estadual da Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, anunciaram a criação de “núcleos de roubo, furto e desvio de carga”.

Alckmin disse que a área de Campinas terá “tratamento especial”, onde o crescimento nesse tipo de crime foi de 46% neste ano em relação ao ano passado. Afirmou também e que haverá foco nos receptadores.

“Queremos chegar até o receptador, porque alguém está vendendo carga roubada, até montando”, disse.

Sobre a região de Campinas, a pasta da Segurança informou que criará um banco de dados sobre roubo de cargas a ser abastecido pelas delegacias seccionais da área.

‘Calo no pé’

O coronel Carlos Júnior, comandante da Polícia Militar na região de Campinas, define o roubo de cargas como o atual “calo no pé” da corporação paulista.

“Estamos mapeando as regiões e os horários mais críticos e desenvolvendo um serviço de inteligência para combater esse tipo de crime”, afirma o militar.

Esforços direcionados

O capitão Vladimir Ribeiro, comandante da Polícia Militar Rodoviária nos trechos das rodovias Santos Dumont, Anhanguera e Bandeirantes que cortam Campinas, afirma que o patrulhamento está sendo direcionado pelas estatísticas, com reforço em locais e horários críticos.

“O roubo de cargas é o que mais nos preocupa e é para onde estamos direcionando nossos esforços”, afirma.

Falta de combate à receptação de cargas roubadas é maior obstáculo

Profissionais do setor de transporte e de escolta armada -e até a polícia- apontam a falta de combate à receptação como o principal estímulo ao roubo de cargas.

“Para onde vai essa carga roubada? Quem compra?”, diz o capitão Vladimir Ribeiro, comandante da Polícia Militar Rodoviária na região de Campinas.

“Nosso papel é repressão imediata, mas os marginais têm informação privilegiada. Ou você acha que eles vão para a rodovia e falam: ‘Vamos roubar aquele caminhão ali’?”

O modus operandi dos bandidos corrobora a teoria: são quadrilhas fortemente armadas, com veículos potentes e que abordam caminhões em locais de velocidade reduzida e com rotas de fuga, como alças de acesso.

E os sindicatos fazem coro nos pedidos de atuação contra a receptação. “Cobramos da polícia [ações contra] a desova da carga roubada”, diz Lúcio Cláudio Lima, diretor do SindForte (sindicato dos trabalhadores de guarda e transporte de valores de SP).

“A situação está preocupante. Combater só roubo de carga não adianta”, diz Edson Beraldo, do Sindicamp (sindicato das empresas de transporte de carga de Campinas e região).

Altair Iuga, do Semeesp (sindicato das empresas de escolta do Estado), reconhece que se trata de um trabalho difícil. “Temos uma extensão territorial muito grande na região. Em 40 minutos o ladrão está dentro de uma chácara ou galpão, e a recuperação fica muito difícil.”

O dirigente defende investimento em inteligência para tentar frear a onda de crimes, como na criação de uma central que possa compartilhar, em tempo real, todas as informações sobre esses delitos. “Só assim poderemos dar uma resposta.”

Fonte: Folha de São Paulo




Um comentário em “Campinas se torna ‘Triângulo das Bermudas’ das cargas milionárias

  • 13/11/2013 em 09:58
    Permalink

    Com toda certeza as informações sobre as cargas, partem de dentro das industrias. Ou os ladrões viraram adivinhos.. Diz o ladrão>>>Eba! tive uma visão.. no veículo tal tem uma carga numa caixinha de 42 kilos, cheia de microprocessadores, esta rodovia bandeirantes,valendo 1,4 milhão.. vamos nesta políticos, digo bandidada.. rsrsrs

Fechado para comentários.