Fontaine reforça competição com Jost

tn




A maior competição entre os fabricantes de caminhões tem trazido muitos benefícios aos transportadores, como a melhoria dos caminhões e os preços mais competitivos. No segmento de peças é necessário também existir competição. No segmento de quinta roda, a Jost tem a liderança do mercado brasileiro, mas um outro grande fabricante mundial já nacionalizou esse componente para brigar em nosso mercado.

A Fontaine é um dos maiores fabricantes de quinta roda do mundo e apresentou recentemente, durante a Fenatran, a versão brasileira de sua quinta roda de 3,5 polegadas. De acordo com Marcos Moraes, gerente comercial da empresa, a equipe de engenheiros desenvolveu o projeto juntamente com o centro de desenvolvimento e pesquisa do Alabama (EUA), e chegaram à criação da quinta roda de 3,5 polegadas de ferro fundido nodular. Esse modelo é mais voltado para o mercado canavieiro, madereiro e para caminhões 6×4. Outro objetivo da fabricação local é ajudar as marcas a melhorar o índice de nacionalização dos caminhões e, consequentemente, melhor acesso ao Finame e aos benefícios do Inovar-Auto.

A quinta roda Fontaine está certificada pelo Inmetro e pelos órgãos reguladores dos Estados Unidos, Europa e Canadá, pois o objetivo da empresa é exporta-la para diversos países.

Eixo autodirecional para semirreboque

Assim como a representação da Fontaine no Brasil, a fabricante de eixos e suspensões Ibero pertence ao grupo ARC e também apresenta novidade que pode interessar o transportador. Segundo Lino Biselli, diretor técnico da Ibero, há clientes que conseguiram significativa redução de desgaste de pneus com o uso de um eixo autodirecional no terceiro eixo de semirreboques de três eixos aliado à utilização da suspensão pneumática.

Segundo o executivo, foi observado ganho de cerca de 100 mil quilômetros de vida útil dos pneus, além dos 80 mil quilômetros já garantidos de fábrica. O sistema permite que a distribuição de carga entre os eixos seja mais uniforme, com apoio similar entre eles, mesmo em pisos irregulares como os das estradas brasileiras. “Muitos de nossos clientes, como a transportadora Della Volpe, nos relataram significativos aumentos da vida útil dos pneus das carretas”, diz Biselli.

Fonte: Revista Transporte Mundial