Caminhoneiros e Terminal de Libra fecham acordo em Santos-SP

caminhoneiros parados - santos sp




Com a reserva de mil contêineres vazios transportados pelo Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens da Baixada Santista e do Vale do Ribeira (Sindicam) por mês, chega ao fim a disputa entre a categoria e a Libra Terminais Santos.

O pagamento de estadias, outro pleito dos profissionais, também foi acertado, desde que a empresa seja a única responsável pelo atraso da operação.

O acordo entre o Sindicam e a Libra Terminais Santos foi firmado no início da noite da última segunda-feira, após uma reunião que durou cerca de três horas e aconteceu na sede da Secretaria de Assuntos Portuários e Marítimos de Santos.

As decisões passaram a valer ontem. Imediatamente, os caminhoneiros desfizeram a tenda que estava armada na Bacia do Mercado, no Canal 4, onde estavam reunidos desde a última quarta-feira.

A lista de reivindicações do Sindicam tem dois pontos principais. O primeiro é a reserva de mercado para o transporte dos contêineres vazios operados na instalação. Para a empresa, atender a esta demanda significava um prejuízo nas operações.

O acordo prevê que, por mês, mil caixas metálicas deverão ser reservadas para o transporte do Sindicam. Também foi acertado qeue a Libra só aceitará veículos que estiverem em plenas condições de trafegar no costado e efetuar carga e descarga através de portêineres (equipamentos que transportam contêineres entre o navio e o cais). O estado de conservação dos caminhões foi criticado pela empresa.

Sobre o pagamento da estadia, o acordo diz que, se o caminhoneiro permanecer por mais de duas horas no terminal, será cobrado 1/6 do valor do frete. No entanto, a Libra só se compromete a pagar se for comprovada sua responsabilidade no atraso.

O diretor financeiro do Sindicam, Alexssandro Vasconcelos Freitas, classificou o acordo como “produtivo”. Segundo ele, as decisões não prejudicam nenhuma das partes. “Bom não está, mas também não está ruim. Para quem não tinha nada, agora temos uma boa condição. Os itens mais polêmicos foram atendidos e, para nós, isso foi muito bom”, explicou.

O acordo só valerá caso não haja novos movimentos de caminhoneiros autônomos contra a empresa. A ideia é impedir novas paralisações nas operações da Libra Terminais.

Por este motivo, os processos judiciais, que estavam em andamento desde que as manifestações começaram, foram encerrados. Um deles estabelecia a multa diária de R$ 150 mil em caso de bloqueio da entrada da instalação. A mesma liminar também mantinha bloqueadas as contas do Sindicam.

Fonte: Jornal A Tribuna