Dominada por caminhões, Régis tem na serra trecho mais perigoso

Serra-Cafezal-2




O aumento no número de mortes em uma das estradas mais importantes do país preocupa. A Rodovia Régis Bittencourt, que liga São Paulo à região Sul, já foi chamada de Rodovia da Morte.

Os acidentes são por vários motivos, mais dois são principais: imprudência dos motoristas, e insegurança da rodovia, que ainda não está duplicada na Serra do Cafezal. Os 30 quilômetros dessa serra são considerados críticos.

Na segunda-feira (9), dois caminhões bateram de frente e duas pessoas morreram. A equipe do Bom Dia Brasil foi até o local e mostra os problemas e os flagrantes impressionantes em uma das principais estradas do país.

A estrada está livre, o trecho é duplicado, mas motorista do caminhão não consegue fazer a curva e tomba. Mais um acidente do mesmo jeito é flagrado por outra câmera de segurança.

As imagens foram gravadas na principal ligação entre as regiões mais ricas do país: a Rodovia Régis Bittencourt. De São Paulo a Curitiba são 402 quilômetros, viagem que não é das mais longas, mas é das mais perigosas.

“Essa rodovia aqui é triste. Qualquer coisinha os caras estão batendo, rodovia perigosa”, diz o caminhoneiro Orenaldo Aquino dos Santos.

Mas por que quase todo dia acontece um acidente grave nessa estrada? São várias explicações. A Régis é uma rodovia dominada por caminhões. “De uma fila de 100 veículos, 10 a gente pode verificar que são carros, o restante são caminhões”, explica o chefe da comunicação social da PRF, Maciel Junior.

É difícil um acidente em que eles não estejam envolvidos. No ano passado, a Polícia Rodoviária Federal registrou só no trecho paulista 4.388 acidentes e 121 mortes. De janeiro a novembro desse ano, foram 3.450 ocorrências, mas o número de mortos já é maior: 122.

Tem vezes que motoristas e pedestres se arriscam. É o caso de pessoas que atravessam a rodovia mesmo perto da passarela. Outras vezes, a estrada não ajuda. Perto de São Paulo, o retorno é pela pista mesmo.

“Dá muito medo, a gente vê muito acidente”, lembra uma motorista.

A Serra do Cafezal, em Miracatu, a mais ou menos 140 quilômetros de São Paulo, é o trecho mais perigoso da rodovia. Ele ainda não foi totalmente duplicado e volta e meia o trânsito fica bastante complicado quando tem um caminhão quebrado na pista.

O motorista disse que estava esperando o guincho havia dois dias. “É perigoso também de vir alguém, bater atrás, perder freio, porque é uma descida”, conta o caminhoneiro Marcos Pereira de Lima.

Ainda bem que a carreta dele quebrou no sentido Curitiba, porque é o único que tem acostamento. A Serra do Cafezal tem pouco mais de 30 quilômetros de extensão. O início e o fim estão duplicados, mas ainda falta a maior parte: 19 quilômetros.

O número de acidentes – só no trecho de serra – vem caindo desde o início das obras, mas continua alto: de janeiro a novembro desse ano foram 308 e 10 mortes.

A viagem de Célio terminou no trecho. Ele transportava uma carga de 10 toneladas quando perdeu o freio na descida. “Acabou o freio do caminhão, joguei na traseira do outro para parar, senão não parava”, conta.

Ninguém se machucou. Mas com tantas fatalidades, a Régis Bittencourt ainda carrega o estigma de Rodovia da Morte. “Na Régis é toda hora, não tem jeito, principalmente na Serra do Cafezal”, lamenta um caminhoneiro.

“Eu peguei alergia de fazer São Paulo por causa da serra”, diz outro caminhoneiro.

A Autopista Régis Bittencourt, que administra a rodovia, afirma que o número de mortes caiu 30% entre 2010 e 2012 no trecho entre São Paulo e Curitiba. Ainda assim foram quase 140 mortes só nesse trecho. É muita coisa na principal ligação terrestre entre as duas regiões mais ricas do país.

Fonte: Bom Dia Brasil

RECEBA NOSSOS CONTEÚDOS NO E-MAIL





Seu e-mail (obrigatório)






Um comentário em “Dominada por caminhões, Régis tem na serra trecho mais perigoso

  • 28/03/2014 em 17:27
    Permalink

    é incrível como a mídia só fala mal dos motorista. eles q quase morrem pra transportar a economia do país, pra ter comida nos mercados, eles só mostram as cagadas, mas não mostram a insegurança nos postos, as estradas q tão uma porcaria…

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!