Rota dos grãos, BR-163 espera por mudanças

Br-163




O prejuízo causado pela esburacada rodovia BR-163, em Mato Grosso, está visível nas margens da estrada, repletas de grãos de milho e soja que caíram dos caminhões. Mas o asfalto ruim é apenas um problema entre muitos enfrentados pelos motoristas. A estrada também é mal sinalizada, possui poucos postos de serviços – os existentes estão distantes uns dos outros -, falta acostamento e os trechos duplicados são curtos, o que obriga os veículos a disputar pequenos espaços ao longo da via.

A rodovia de tráfego intenso se transformou num desses exemplos clássicos que dão o tom dramático do caos logístico brasileiro: o investimento em infraestrutura não acompanhou o crescimento econômico do País.

A BR-163 foi fundamental para desbravar o Centro-Oeste no passado, e hoje se tornou a principal via para escoar a safra de grãos de Mato Grosso, Estado brasileiro líder na produção. No ano passado, 70% da produção de grãos mato-grossense chegou aos portos de Paranaguá, no Paraná, e Santos, em São Paulo, pela rodovia, o que equivale a aproximadamente 33 milhões de toneladas. O que não passa por essa estrada deixa a região por Goiás ou Rondônia. Com o aumento da produção nos últimos anos, os problemas logísticos ficaram evidentes, e a rodovia até travou. Entre fevereiro e abril, no auge da colheita da safra, os engarrafamentos se tornaram constantes.

“Em determinados momentos do ano, a rodovia fica intrafegável em alguns pontos, como no posto Gil (na cidade de Diamantino), que marca o entroncamento das rodovias BR-364 e a BR-163. Em épocas de safras, vira um congestionamento só”, afirma Seneri Paludo, diretor executivo da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato). “E, de uma maneira geral, essa rodovia é extremamente perigosa.”

O perigo, aliás, é lembrado com as cruzes ao longo da rodovia e, quando narrado pelos caminhoneiros, até deixam os problemas logísticos em segundo plano. “Quando passo pela estrada vejo no mínimo três acidentes. Já perdi muitos amigos”, afirma o caminhoneiro Mario Sachi, de 36 anos.

Novo começo

O cenário caótico deixa claro que algo precisa ser feito na BR-163, até porque a tendência é de aumento na produção de grãos, pelo menos na safra 2013/2014. Espera-se que a mudança tenha começado na quarta-feira passada, quando a rodovia foi leiloada pelo governo federal.

Como resultado do leilão, a Odebrecht Transport, braço do Grupo Odebrecht para a área de logística, conquistou o direito de explorar o trecho da divisa de Mato Grosso Sul até Sinop por 30 anos. A empresa ofereceu um deságio de 52% em relação ao preço da tarifa-teto oferecida pelo governo, de R$ 5,50. O trecho concedido tem a extensão de 850,9 quilômetros e vai passar por 19 municípios de Mato Grosso. A Odebrecht terá a obrigação de duplicar aproximadamente 500 km. O restante está sendo feito pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

As melhorias estão em andamento. “A nossa obra vai melhorar o escoamento, o fluxo de veículos e trazer grandes benefícios para o nosso custo Brasil de logística”, afirmou Renato Mello, diretor de Rodovias da Odebrecht Transport, que representou a empresa, após o resultado do leilão, na quarta-feira.

A expectativa dos produtores é que outras obras de extensão da rodovia BR-163, nos trechos que não foram concedidos, também ajudem a melhorar o escoamento das futuras safras. O trecho da BR-163 de Mato Grosso do Sul tem leilão marcado para 17 de dezembro. O Dnit também faz obras de pavimentação na parte da rodovia que sai de Sinop e vai até Santarém, no Pará.

A saída para o Norte tem sido apontada como estratégica pelos produtores da região de Mato Grosso. Uma das alternativas em estudo é seguir até a cidade de Itaituba, no Pará, onde estão sendo construídos terminais fluviais, e de lá levar os produtos de barcaça até os portos de Vila do Conde, no Pará, e Santana, no Amapá, por exemplo.

“A expectativa do setor é que os projetos de exportação pelo setor norte sejam viabilizados”, afirma André Debastiani, sócio e analista da Agroconsult. “Mato Grosso será o Estado que terá a maior expansão agrícola do País, sem dúvida alguma. Então, os volumes produzidos devem aumentar ainda mais, dando cada vez mais importância para opções de escoamento alternativas porque as tradicionais já estão esgotadas”, diz Debastiani.

Fonte: Estadão




Um comentário em “Rota dos grãos, BR-163 espera por mudanças

  • 03/12/2013 em 20:09
    Permalink

    Sabemos que as estradas do Brasil, além claro da BR 163, estão em péssimo estado de conservação, que além de acidentes, causam o prejuízo de milhões de reais com as perdas de grãos nas estradas. Com o uso do revestimento Transcarga, ao menos, o problema das perdas de grãos estaria resolvido. Uma solução simples, eficiente e barato. consulte o site http://www.transcarga.ind.br para maiores detalhes.

Fechado para comentários.