Caminhões novos devem aumentar tráfego pesado

frota transvale

O escoamento da safra de verão deve começar na segunda quinzena de janeiro, antes do encerramento das exportações do milho safrinha 2013. O quadro sobrecarrega as rodovias do país, que dão vazão a 60% da produção de grãos.

A previsão é que 2 milhões de toneladas do cereal sejam levadas aos portos para embarque neste mês – volume suficiente para encher cerca de 55 mil caminhões. E em relação à soja, entre 44 milhões e 50 milhões de toneladas tendem a ser remetidos ao exterior em grão ao longo do ano – uma média de 4 milhões por mês, o suficiente para encher 100 mil caminhões.

O movimento nas estradas tende a aumentar também devido à entrada de 50 mil caminhões novos no transporte de cargas. O agronegócio ajuda a elevar a frota nacional de veículos pesados. Caminhões e carretas ultrapassam a marca de 3 milhões de unidades.

“A infraestrutura de estradas e portos é a mesma [da safra anterior]. A cadeia precisa ajustar o escoamento. Do contrário, teremos problemas e descontrole como na temporada passada”, ressalta José Hélio Fernandes, vice-presidente da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC).

A empresa de transporte rodoviário Transvale, com sede em Cascavel, no Oeste do Paraná, reforçou a frota com 22 novos caminhões na expectativa do aumento de serviço. A partir de janeiro, os 92 veículos irão percorrer nove estados, inclusive os da nova fronteira agrícola do Centro-Norte brasileiro, onde ocorreu novamente expansão do plantio de soja neste verão.

“Nós enxergamos 2014 como um ano promissor. A demanda deve ser grande, tanto pelo aumento do campo como em função da Lei do Caminhoneiro que exige rodar menos tempo”, aponta o diretor da companhia, Ivo Ilário Riedi Filho.

Para o presidente da cooperativa Coamo, José Aroldo Gallassini, além da compra de novos veículos, o setor precisa desenvolver maneiras de otimizar o trabalhos dos caminhões. “Temos que achar uma forma de trabalhar 24 horas por dia. Trocar motorista em ponto de parada no meio da viagem é um exemplo”, aponta.

A Coamo possui 650 caminhões, 50 unidades a mais em relação à temporada passada. A frota é suficiente para transportar 40% da produção dos associados. O restante segue em carretas contratadas.

Com o aumento da produção e as regras que limitam o uso dos caminhões, o preço do frete de soja sofre reajustes. As transportadoras informam cotação de R$ 135 por tonelada no trecho entre Cascavel, no Oeste do Paraná, até o Porto de Paranaguá. No ano passado, o valor estava em R$ 125.

Fonte: Gazeta do Povo




3 comentários em “Caminhões novos devem aumentar tráfego pesado

  • 08/01/2014 em 22:40
    Permalink

    vcs, tem hora que da nojo ler estas reportagens, só ce fala que teve que aumentar frete, ex 125 para 135 , a da licença ce nao aumentar o frete como vai sobreviver o pequeno ,hoje um caminhao novo qto consome a mais de arla32, qto subiu o litro de oleo, quero que essas empresas grandes sofra mesmo, compra um monte de caminhao e obriga motoristas ce acabar de trabalhar sem vir pra casa, quero ver onde vcs vai arrumar motoristas mais, vcs vao te que aprender a da valor no bom motorista, e nao nakeles drogados que so sabem comer pó, e fuma pedra, pa dirigigir dia e noite p vcs.

    • 09/01/2014 em 09:32
      Permalink

      Concordo com vc, mas as grandes empresas transporte tem seus contratos atrelados a esses aumentos no custos de transporte, as empresas recebem o reajuste anualmente, mas não repassam para o agregados e os terceiros.
      Infelizmente tá ruim só pro pequeno, que pros grandes o Brasil é uma maravilha.
      Valew, Brother

    • 07/02/2014 em 13:51
      Permalink

      VOLTA PRA ESCOLA MEU AMIGO ,VC TA ASSASSINANDO A LÍNGUA PORTUGUESA

Fechado para comentários.