Lucro líquido da John Deere sobe 4,8% no 1º trimestre fiscal de 2014

john deere 8335R

A multinacional americana fabricante de máquinas agrícolas e de construção John Deere teve lucro líquido atribuível à Deere & Company de US$ 681,1 milhões (US$ 1,81 por ação) no primeiro trimestre encerrado em 31 de janeiro de 2014, aumento de 4,83% sobre os US$ 649,7 milhões registrados em igual intervalo do período anterior.

As vendas líquidas mundiais no primeiro trimestre aumentaram 3%, para US$ 7,654 bilhões, na comparação com os US$ 7,421 bilhões no mesmo período do ano anterior. As vendas líquidas das operações de equipamentos (a empresa também tem uma divisão de serviços financeiros) subiram 2,3%, para US$ 6,949 bilhões, na mesma comparação, informou a companhia em comunicado.

LEIA MAIS  Scania apresenta caminhões personalizados, movidos a gás e biometano na Fenatran

“Com mais um trimestre recorde, a John Deere começou 2014 com nota forte, disse Samuel R. Allen, presidente do conselho e CEO da Deere. O executivo acrescentou que os resultados da empresa demonstram que a execução dos planos operacionais e de marketing estão em linha com a expansão da posição da companhia no mercado global.

As vendas na divisão de agricultura cresceram 2% no intervalo em função de preços e volumes maiores. O lucro operacional no segmento foi de US$ 797 milhões no 1º trimestre encerrado em 31 de janeiro deste ano, 4,1% maior ante igual intervalo do ano passado.

As vendas de máquinas agrícolas deverão recuar cerca de 6% no ano fiscal 2014. Embora a renda agrícola esteja prevista para se manter em níveis elevados em 2014, deverá ser menor ante 2013, diz a Deere no comunicado. Sob o ponto de vista da empresa, esse declínio impactará a demanda por equipamentos, principalmente os de maior potência.

LEIA MAIS  Novos caminhões MAN serão lançados em fevereiro de 2020 na Europa e devem receber motores Scania

As vendas de máquinas agrícolas nos Estados Unidos e no Canadá, principalmente de tratores e colheitadeiras de maior potência, são projetadas para cair entre 5% e 10% neste ano fiscal ante o ano fiscal de 2013. Na América do Sul, uma queda nas vendas também são estimadas entre 5% e 10% sobre a forte comercialização registrada em 2013.

Fonte: Valor Econômico