A defesa é o melhor ataque

MAN Latin America - Fenatran 2013 (4)

Nos últimos 11 anos, a MAN Latin America – conhecida apenas como Volkswagen Caminhões até 2009 – reinou absoluta no mercado brasileiro de veículos de transporte rodoviário. Entre 2002 e 2012, a distância que a separava da segunda colocada, a compatriota Mercedes-Benz, era superior a cinco mil unidades, em média, e distante das rivais Ford, Volvo e Scania. A liderança da MAN no País continua, com a venda de 40,8 mil unidades e produção de 50,9 mil caminhões no ano passado. Mas a concorrência está cada vez mais apertada. Em 2013, a Mercedes vendeu apenas 2,7 mil veículos a menos que a MAN, o equivalente a 25 dias de vendas.

Diante desse cenário, a montadora não se intimidou e partiu para o ataque. Neste ano, estreou em um segmento inédito para a empresa no País: o de caminhões extrapesados, aqueles que podem puxar mais de 40 toneladas. “O mercado de caminhões cresceu basicamente nesse nicho”, diz Roberto Cortes, presidente da MAN na América Latina. “Vamos fortalecer nossa atuação nesse segmento, com novos produtos.” Uma das apostas da MAN é o modelo Constellation 420, que continuará trazendo o símbolo da Volkswagen Caminhões e Ônibus. A família Constellation, embora seja vendida no País desde 2006, agora terá versões maiores e mais potentes.

Como diferencial, os novos gigantes da marca prometem ser mais competitivos do que os concorrentes no quesito preço. “Estávamos fora do jogo em um segmento que cresce num ritmo de 40% a 50% ao ano.” Para sustentar a posição de liderança no mercado brasileiro, a MAN definiu uma agressiva estratégia de investimentos no País. Até 2016, será investido R$ 1 bilhão em novos produtos e na ampliação da capacidade produtiva de sua fábrica em Resende (RJ). Cerca de 50% desses recursos, segundo Cortes, já foram colocados nas linhas de montagem, no desenvolvimento do novo Constellation e na nacionalização de um dos modelos da marca MAN, o europeu TGX. “É o veículo mais sofisticado que temos atualmente. Com ele, o transportador pode escolher entre o caminhão mais simples, o Constellation, ou o top de linha, o TGX”, disse.

A tropicalização dos caminhões da MAN é, indiscutivelmente, um dos pilares das estratégias da companhia no País. O modelo TGX passou por 270 modificações técnicas para rodar no Brasil. Mesmo assim, o caminhão possui, atualmente, 45% de peças nacionais, índice que dificulta a obtenção de 100% de financiamento por meio do Finame, do BNDES. Não por acaso, a meta da montadora é alcançar o índice de nacionalização de 60% nos próximos dois anos, percentual mínimo para ter acesso ao empréstimo total do programa. “A montadora tem uma marca muito forte”, diz o consultor automotivo Francisco Satkunas. “Ao conseguir implementar todas as estratégias, terá condições de concorrer nesse segmento.”

LEIA MAIS  Grupo Sada adquire 50 caminhões Iveco Hi-Road

Outra parte fundamental do plano brasileiro da MAN é o aumento da capacidade produtiva. O atual limite de 80 mil caminhões por ano será ampliado para 100 mil unidades até 2016. Para isso, a companhia está abrindo espaço, literalmente, dentro de sua fábrica. Alguns fornecedores, que hoje operam dentro da linha de montagem, serão realocados para uma área no entorno. Em Resende, a MAN criou uma espécie de parque industrial para que suas parceiras, como a Meritor, fabricante de eixos, e a Suspensys, do grupo Randon, pudessem se manter por perto, mas não dentro. Desde o ano passado, as duas empresas atuam fora do galpão principal. A próxima a se instalar no local, até o final de março, é a Maxion, fornecedora de chassis.

LEIA MAIS  Avilan Transportes tem novas vagas para motoristas truck em Santa Maria-RS

“Estamos negociando com mais três ou quatro empresas para se transferirem para o local”, afirma Cortes. As parceiras que ainda não se mudaram são a Aethra (de estamparia e solda das cabines), a Carese (pintura), a Continental (montagem interna das cabines) e a Remon, que fornece rodas e pneus. “Há novos produtos a caminho e temos que abrir espaço para eles”, justifica Cortes. Um desses produtos, aguardado pelo mercado, mas mantido em segredo pela MAN, é um veículo que poderá concorrer no segmento de vans e furgões, hoje liderado pela Sprinter, da Mercedes-Benz. “Não vou revelar em quais áreas vamos entrar, mas é só observar em quais nichos ainda não estamos para saber”, diz o executivo, dando pistas de qual caminho a montadora irá tomar no mercado brasileiro.gr_6588201229408170

Fonte: Isto É Dinheiro




6 comentários em “A defesa é o melhor ataque

  • 07/03/2014 em 15:14
    Permalink

    mas agora os vw constellation 420 tem a opção do motor MAN, que provavelmente é o D20 de 10,8 litros.

  • 06/03/2014 em 12:28
    Permalink

    esci caminhão tgx acho um bom caminhão mais us constelation 25 390 eo 25 420 são uma bomba e o 280 tao tudo dando problema no motor falo porque trabalho na estrada algumas coisas na volks não mudam onde ja c viu ponha 420 cv num motor pequeno o ford ainda vai com 420 porque e maior e o motor e fabricado pela fpt

  • 06/03/2014 em 11:48
    Permalink

    Não imaginava que a MAN tivesse uma participação atoalha a ponto de ser líder. Contudo a de se reconhecer a qualidade de seus produtos e os caminhões costelation e o próprio MAN são belíssimos.

  • 06/03/2014 em 06:34
    Permalink

    Parabéns à MAN. Tenho visto alguns exemplares rodando por aí. Na minha opinião, acho que um percentual de 50% de nacionalização estaria bom. Há coisas que no Brasil jamais serão fabricadas com o índice de qualidade e sofisticação existente na Europa e nos Estados Unidos. Nós todos sabemos disto, apenas fazemos vista grossa para atender exigência governamental. Atende-se ao governo mas a qualidade cai. Isto é o que realmente interessa ao cliente usuário de um bem que para se pagar e dar lucro, precisa trabalhar praticamente 24/7 e com baixo custo de manutenção, quando bem cuidado.

Fechado para comentários.