Falta de profissionais valoriza profissão de motorista

Volvo FH - Cenze (1)




Ser motorista de caminhão pode ser o sonho de muitas crianças ao brincarem e ao viajarem pelas estradas, tanto pelo encantamento de dirigir um grande veículo como por conhecer diversas regiões do Brasil e outros países. Mas, segundo um motorista experiente, é preciso paixão. “Para ser motorista, a pessoa tem que gostar porque fica muito tempo fora de casa”, afirma Maurício Célio dos Santos, 60 anos, há 42 na direção.

Mas gostar de ficar fora de casa e ter a experiência de conhecer pessoas e culturas diferentes não são os únicos atrativos. O mercado de trabalho chama bastante a atenção. Como revela Maurício: “graças a Deus, nunca fiquei desempregado. E hoje motorista não fica parado”. O presidente da Federação Interestadual das Empresas de Transportes de Cargas (Fenatac) e empresário do setor, José Hélio Fernandes, confirma a realidade da profissão. “Para ficar sem trabalhar, só por vontade própria ou por algum impedimento de ordem mais séria”, ressalta.

De acordo com a Pesquisa Anual de Serviços (PAS) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2011, o transporte rodoviário foi o responsável pela geração de mais da metade da receita do seu grupo de atividades. Em 2011, o setor obteve a maior participação na receita líquida, R$ 149,9 bilhões (52,0%), no número de empresas, 114,1 mil (77,6%), na massa salarial, R$ 25,8 bilhões (51,4%), e na quantidade de pessoal ocupado, 1,5 milhão (65,5%).

Se, por um lado, a alta demanda absorve a mão de obra apta e interessada em trabalhar no ramo, por outro, ela deixa buracos nas contratações. Falta pessoal para ocupar todas as vagas que surgem a cada dia. Segundo dados do setor, há uma carência de aproximadamente 100 mil motoristas profissionais. No ano passado, a atividade, fundamental para o desenvolvimento e competitividade do país, empregou cerca de 2,6 milhões de trabalhadores, o que equivale a 20,5% de toda a força de trabalho empregada no setor de serviços privados não financeiros.

LEIA MAIS  Unidades do Clube da Estrada Repom receberam mais de 135 mil caminhoneiros em 2018

Segundo José Hélio, falta mão de obra em todas as regiões do país. Para ele, a Lei do Motorista (Lei 12.619), sancionada em abril de 2012 e que trouxe mudanças para o dia a dia de trabalhadores e empresas, impactou o setor, mas não pode ser apontada com a principal causa. “Ela (a Lei) pode até ter contribuído porque, por exemplo, em alguns lugares, teve que colocar dupla de motoristas para percursos de longa viagem. Mas é também em função do grande número de caminhões que o setor comprou nos últimos cinco a seis anos e não houve novos profissionais entrando no mercado na mesma proporção. Isso acabou gerando essa falta de profissionais. Na verdade, é um conjunto de fatores que levou a essa falta de motoristas no mercado”, explica.

A falta de qualificação, justificada por alguns especialistas, também colabora para as vagas desocupadas no setor. Segundo o empresário, um exemplo são os novos motoristas, que tiram sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e não conseguem, de imediato, ter experiência necessária nas rodovias, principalmente, porque são veículos de grande porte. “Isso exige uma determinada qualificação e uma certa experiência para conduzir e transportar um número elevado de toneladas”, argumenta. Maurício, motorista experiente, confirma a falta de profissionais no setor e avisa: “tem que ter muita qualificação porque os caminhões estão se modernizando demais”.

LEIA MAIS  Ex-soldado que perdeu as duas pernas se destaca em auto-escola para caminhoneiros nos Estados Unidos

Salário

Além de emprego garantido, o setor também oferece salários atrativos. De acordo com a PAS 2011, as empresas de transporte foram as que pagaram melhor em 2009, na média, dentro do setor de serviços. Pelo segundo ano seguido, os profissionais das empresas que transportam materiais por tubulações foram os mais bem remunerados. As empresas de transporte dutoviário (que levam gás ou óleo por tubulações) pagaram uma média de 18,2 salários mínimos mensalmente, valor bastante acima dos registrados nos demais segmentos de serviços medidos pelo IBGE. O transporte rodoviário de cargas figurou com um salário médio mensal equivalente a 2,2 salários mínimos, acima dos serviços de alojamento e alimentação.

José Hélio revela que as remunerações pagas pelo setor têm aumentado. Segundo ele, há um grande número de motoristas contratados com base nas convenções trabalhistas e existem empresas pagando de forma diferenciada exatamente para conseguir contratar e manter o seu quadro de motoristas. Não há como falar em valores, pois o salário varia conforme a região, o modal e o segmento do transporte (grãos, carga perigosa, fracionada etc). No entanto, Maurício menciona que o salário médio de um motorista de rodotrem e bitrem (caminhão com duas carretas, sete e nove eixos) gira em torno de R$ 4 a 5 mil. Segundo o empresário, a remuneração vem se tornando cada dia mais atrativa. “A médio prazo, será um fator de atração de motoristas”, assegura José Hélio.

Fonte: Agência CNT de Notícias Texto de Ana Rita Gondim




10 comentários em “Falta de profissionais valoriza profissão de motorista

  • 02/06/2014 em 15:35
    Permalink

    a molecada nova não quer ir pra estrada ja os mais velho as trasportadoras não contrata .. tem que faltar motorista, tenho esperiência estou parado ,com 60 anos pra eles so velho ,caminhão tem que gostar ter paixão por estrada si não nem melhor fica em casa..

    Resposta
  • 31/05/2014 em 11:32
    Permalink

    Valorização????? Onde existe isso no Brasil…motorista eh sem duvida a classe mais descriminada, humilhada, sem valor, numa sociedade hipócrita…nossa heróica profissão este anos luz de ser recomendável a qualquer pessoa nesse pais. Eu já estou me programando para deixar de fazer o que gosto, não tem mais condição de trabalhar como motorista carreteiro no Brasil. E os números confirmam faltam 100mil motoristas.

    Resposta
  • 15/05/2014 em 23:43
    Permalink

    bla, bla, bla, bla….. tudo balela!!
    mentiras e mais mentiras… como pedi demissão mês passado, e não pretendo trabalhar mais com volante no brasil, então falo sem dó.
    Aqui é pra escravos ! A inflação tá comendo solta! 50 mil assassinatos por ano, 45 mil mortes no trânsito por ano.. o povo reclamando que 8 horas de descanso é muito… olha.. motorista no brasil tem mais é que se danar mesmo!
    Fiquem com esse país !! Se acabou! Depois da copa, a dívida vem com força, e os impostos vão aumentar!! CPMF e gasolina a 3,30 !! Diesel a 3,00 !
    Continuem a votar no PT!!
    motorista ganhando 5 mil??? kkkkkkkkkkk!!!!!
    tem 5 no brasil ganhando isso, e virou regra nacional??? ganha 5 mil bruto, mas só tira 3000 limpo! pra ficar 40 dias fora de casa?
    Se foi, já era!
    Brasil acabou!

    Resposta
  • 15/05/2014 em 23:38
    Permalink

    Mais uma matéria de “”APAGÃO DE MOTORISTAS”” …
    Agora posso falar mais tranquilo, POIS ESTOU ABANDONANDO O brazil mesmo…
    Só mentirada!
    Papo furado!!
    Lero-Lero!!!
    Conversa pra boi dormir!!!!
    Tenho experiência com carreta baú, truck aberto, linha noturna, com tudo quanto é tipo de seguradora.. e salário??? 2200 com muito esforço !!!
    Quem vai trabalhar por 3000 pra ficar 28 dias fora de casa? e ainda correndo o risco de morrer todos os dias, no país dos 50 mil assassinatos por ano??
    Quem pode.. que vá pra fora do brasil!!! Nova Zelândia, Canadá, Europa, Japão, EUA (tem esquema mas dá sim) estão precisando de motoristas a rôdo!! Canadá, é 40 dólares a hora de trabalho sem as bonificações!! Brasil? é pra quem gosta de sofrer!!

    Resposta
  • 14/05/2014 em 17:39
    Permalink

    Sou leitor assíduo desse blog, gosto muito e retrata a vida do estradeiro de um modo muito peculiar, entretanto quando se fala em qualificação o blog tem que informar que qualificação é essa; ter mais clareza, mais objetividade. O que me deixou impressionado foi um motorista do interior de São Paulo foi fazer um curso de aperfeiçoamento no SEST SENAT pasmem foi num motor 112H ai eu pergunto? onde esta a tão falada tecnologia embarcada!!!

    Resposta
  • 14/05/2014 em 17:23
    Permalink

    Eu gostaria de de saber mesmo é o nome da empresa que esta pagando 18,2 salários mensais ou seja o estradeiro esta desembolsando mais de 13,000,00 mensais, pense numa empresa boa, esta pagando melhor que as empresas americanas, divulguem o nome dessa empresa.

    Resposta
  • 14/05/2014 em 12:58
    Permalink

    Falta e mais esforços e investimentos nas áreas de transportes , um salario digno pra um pai de familia

    Resposta
  • 13/05/2014 em 20:26
    Permalink

    o assunto e muito gratificante mas diz ai qual o nome das empresas que estao pagando 4 ou 5.000,00 para motoristas de bitrem ate ontem nao vi de nenhuma so conversa de motorista e olha que eu conheco algumas em ??????????

    Resposta
  • 13/05/2014 em 13:33
    Permalink

    Parabéns pelo conteúdo publicado!

    Sem dúvida, é importante que o motorista esteja capacitado tecnicamente e comportamentalmente, para que possa ter uma melhor valorização na profissão.

    Investir na educação profissional é uma decisão inteligente! Pratique!

    Muita luz a você motorista!

    José Rovaní
    Autor do Livro Motorista Comprometido

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!