Porto de Paranaguá usará sistema RFID para controle de caminhões de fertilizantes

Caminhões de Adubo - Porto de Paranaguá




A Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) finalizou nesta terça (29), os últimos detalhes para a implantação de um sistema de monitoramento de caminhões de fertilizantes. A tecnologia possibilita a organização do fluxo desses veículos, reduzindo o impacto na cidade. Além disso, traz mais segurança e produtividade à operação do produto pelo Porto de Paranaguá.

Nesse primeiro momento, o Radio-Frequency IDentification (RFID) será instalado apenas nos quase 500 caminhões que fazem o transporte do produto do cais até os armazéns da retaguarda.

A tecnologia não terá nenhum custo aos Portos do Paraná, que já têm um Sistema de Controle de Cargas (SCC) formado e em andamento. A implantação do sistema será coordenada pelo professor doutor Caio Fernando Fontana, do Instituto do Mar, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), cuja equipe visitou o porto, nesta terça-feira (29).

Segundo ele, que é especializado em Supervia Eletrônica de Dados e Automação Portuária, o Porto de Paranaguá foi escolhido para esse projeto piloto no segmento de fertilizantes, pelo nível de informatização.

“O Porto tem um alto grau de informatização. Está muito bem organizado e é isso que propicia podermos trazer esses componentes de automação, que trazem inúmeros benefícios, principalmente diminuir o ciclo do tempo da descarga, aumentar o número de viagens do caminhão e aumentar o controle e a confiabilidade dessa cadeia. Já terminamos o mapeamento desse fluxo, já fizemos reuniões com o Porto, com os terminais e cooperativas. Agora é só implantar”, conclui.

RFID

Serão colocadas etiquetas (tags) no para-brisa desses caminhões – com um material indestrutível e que impossibilita a adulteração – e antenas no acesso ao cais, nos funis, na saída do cais e nos armazéns da retaguarda, que recebem esse fertilizante. Funcionando como uma espécie de localizador, a Appa conseguirá ter o posicionamento exato dos veículos, reduzindo o tempo perdido nos casos de erro – quando o caminhão pega a fila errada, carrega no funil errado ou leva produto diferente ao armazém – e outros transtornos, inclusive fiscais.

LEIA MAIS  Juíza proíbe Fibria de transportar madeira em cidade de São Paulo

O Sistema funciona sem bateria e tem duração de até sete anos. A localização, em cada ponto, é possível a uma distância de até 12 metros. Ou seja, a essa distância será possível, em caso de erro, reposicionar o caminhão que vai buscar o fertilizante que está sendo descarregado ao navio certo, funil exato e terminal agendado.

Como explica o superintendente da Appa, Luiz Henrique Dividino, uma solução para ampliar este controle dos caminhões de fertilizantes vem sendo estudada pelo Appa há dois anos e faz parte de uma série de medidas e investimentos em informatização que vêm sendo feitos desde 2011.

“Este novo sistema vem complementar o processo de automação da descarga de fertilizantes que já estamos realizando. Os resultados obtidos foram substanciais ganhos de produtividade. Agora, com o monitoramento por rádio, será possível saber exatamente identificar onde estão possíveis falhas e gargalos e já dar ainda mais segurança a todo o processo”, explica Dividino.

O secretário de infraestrutura e logística, José Richa Filho, garante que os portos do Paraná terão, em muito pouco tempo, uma plataforma modelo sobre rastreamento e controle na descarga de fertilizantes. “A maioria dos caminhões que chegam para descarregar grãos, no Porto de Paranaguá, fazem o que chamamos de frete de retorno. Ou seja, eles descem com soja, milho ou farelo e sobem carregados com os fertilizantes. Investindo na implantação desses sistemas, estamos começando a fechar a cadeia. Nossa ideia é desenvolver uma espécie de carga online, ao contrário, melhorando não apenas o atendimento aos usuários dos portos, mas, principalmente, melhorando a vida da população de Paranaguá”, afirma Richa Filho.

LEIA MAIS  Crescem as vendas de caminhões Mercedes-Benz no Sul do País

Brasil ID

Esta alternativa é desenvolvida em parceria com a Brasil ID, um Sistema de Identificação, Rastreamento e Autenticação de Mercadorias formalizado através de um acordo de cooperação técnica firmado entre Ministério da Ciência e Tecnologia, Receita Federal e os Estados, através das Secretarias de Fazenda. Esse sistema será implantado, no Porto de Paranaguá, pela Unifesp.

O sistema, como divulga a própria organização, se baseia no emprego da tecnologia de Identificação por Radiofreqüência, o RFID, entre outras integradas, “para realizar, dentro de um padrão único, a Identificação, Rastreamento e Autenticação de mercadorias em produção e circulação pelo País”. O projeto é coordenado pelo Centro de Pesquisas Avançadas Wernher von Braun, em conjunto com o Encontro Nacional de Coordenadores e Administradores Tributários Estaduais (ENCAT).

Esta é a primeira vez que o Brasil ID é utilizado, em um Porto, no segmento de fertilizantes.

Fonte: APPA




Um comentário em “Porto de Paranaguá usará sistema RFID para controle de caminhões de fertilizantes

  • 04/05/2014 em 08:23
    Permalink

    Observem ai, o porto de Paranaguá, terminal de fertilizantes, segundo a reportagem, opera em regime de frete de retorno, o famigerado frete que sequer paga o combustível, ai ninguém fala nada, depois vem com a ladainha que o valor do frete esta baixo, assim fica difícil entender a categoria.

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!