Anfavea prevê crescimento de 14,3% no setor automotivo para o semestre

Scania P 310 8x2




O mercado automotivo deve crescer 14,3% neste segundo semestre se comparado aos primeiros seis meses do ano, quando a queda registrada foi de 7,6% em relação ao mesmo período de 2013. Otimismo é a palavra de ordem para o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan, que esteve em Porto Alegre na sexta-feira. Mesmo assim, somando-se os resultados do ano de 2014, o setor deverá fechar com redução de 5,4% na comparação com 2013.

Entre os motivos para a elevação das vendas, segundo o dirigente, está a sazonalidade natural do período, que geralmente tem uma comercialização mais aquecida. Moan lembra que o segundo semestre terá oito dias úteis a mais do que os primeiros seis meses do ano. “Isso significa, por si só, um crescimento de 7,5%.”

Entre janeiro e junho de 2014, aconteceram muitos feriados nas terças e quintas-feiras, o que reduz as vendas. Os dias de jogos da Copa do Mundo também influenciaram no resultado.

LEIA MAIS  Feriado da Semana Santa tem o menor número de acidentes e mortes nos últimos 12 anos

Explicando os fatores para a queda no primeiro semestre, Moan lembrou três fatos. O primeiro deles, especialmente para os segmentos de caminhões, ônibus, máquinas agrícolas e máquinas rodoviárias, foi o atraso na operacionalização do PSI, que só teve solução no mês de fevereiro. Também contribuiu a ameaça de não renovação do acordo automotivo com a Argentina, que acabou impondo restrições administrativas à importação de produtos brasileiros.

O presidente da Anfavea cita também o mau humor exagerado do mercado como um empecilho que contaminou a conjuntura econômicas do País. Para Moan, o Brasil tem indicadores muito melhores do que os que estão sendo divulgados. Ele lembra que só o PIB, nos últimos quatro trimestres, cresceu 2,5%.

LEIA MAIS  Governo anuncia pacote de medidas para os caminhoneiros

Moan avalia que o papel fundamental para amenizar a situação foi a manutenção das alíquotas do IPI, mas a tributação ainda é um desafio. Atualmente, os impostos representam 28,1% do preço de um veículo. “Precisaríamos de uma carga tributária de nível internacional. Se o IPI fosse zero, eu continuaria ainda com a maior carga tributária do mundo, com 21,8%, enquanto nos Estados Unidos este número é de 7%”, complementa Moan.

167581_autoFonte: Jornal do Comércio Texto de Nestor Tipa Júnior




2 comentários em “Anfavea prevê crescimento de 14,3% no setor automotivo para o semestre

  • 21/07/2014 em 16:16
    Permalink

    Olá boa tarde… uma pergunta? se eu fizer uma busca por palavra chaves seu blog sai nas primeiras paginas no google a nivel nacional…?

    Resposta
    • 21/07/2014 em 17:15
      Permalink

      Boa tarde!
      Em geral ele fica na primeira página do Google. É um dos sites sobre transporte que mais se destaca.

      Abraço

      Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!