Indústria fraca já afeta movimento de caminhões nas rodovias

caminhoes na estrada




A movimentação de caminhões nas rodovias com pedágio, índice historicamente atrelado à atividade industrial no país, vem dando sinais de perda de fôlego há nove meses. No fim do ano passado, o forte crescimento médio registrado a cada mês desde 2010 (na comparação com um ano antes) começou a se esgotar e deu lugar a uma estabilização. Agora, pela primeira vez em mais de quatro anos, o fluxo médio dos veículos pesados já mostra retração.

Para identificar as tendências nas estradas, os analistas do setor costumam estudar o indicador da média móvel semestral – que é o movimento de seis meses terminados em cada medição -, por sofrer menos variações sazonais de cada mês. Esse indicador mostrou seu pico de crescimento mais recente em setembro de 2013 – com 4,38% de variação contra um ano antes. Depois, só houve números menores. Em janeiro deste ano, o movimento médio de caminhões subiu 1,47% em relação a um ano atrás. De fevereiro a abril, os números foram de 2,05%, 1,44% e 0,32%.

O cenário virou e ficou pior na medição de maio: houve queda de 0,11% na comparação com o mesmo mês de 2013. Foi a primeira vez desde dezembro de 2009 que um número negativo foi registrado na variação do movimento médio de pesados. Em junho, o indicador caiu ainda mais: menos 1,6% contra um ano antes.

LEIA MAIS  Ministro da Infraestrutura avalia positivamente sua viagem de mais de 1.000 km pela BR-163

Outros números reforçam a tendência

O fluxo de pesados só no mês de junho foi 4,3% menor do que em maio. Contra um ano antes, houve retração de 7,8% (os leves continuam em alta: crescimento de 0,4% em um mês e de 4,4% em um ano). “A queda dos pesados se intensificou e as razões continuam as mesmas: atividade industrial fraca, com o desempenho ruim do setor automotivo, que sofre com um quadro fraco de vendas no mercado interno e externo, agravadas pela crise dos pagamentos das dívidas e situação econômica da Argentina, importante parceiro comercial do Brasil”, afirma Rafael Bacciotti, economista da Tendências Consultoria, em nota.

Outro fator apontado pela Tendências para a retração dos pesados foi a diminuição dos dias úteis de junho por conta da Copa do Mundo, o que limitou a atividade industrial. Mas, de qualquer forma, a perda de fôlego dos pesados é registrada há mais tempo.

A situação poderia ser ainda mais preocupante se não fossem algumas medidas adotadas pelo governo do Estado de São Paulo a partir de julho de 2013, que autorizou a cobrança de eixos suspensos de caminhões e impulsionou a medição de tráfego desde então. Como cada eixo conta como um veículo equivalente, os números sofreram um impacto positivo.

LEIA MAIS  Ministro da Infraestrutura avalia positivamente sua viagem de mais de 1.000 km pela BR-163

Nas estradas da EcoRodovias, por exemplo, o crescimento de veículos comerciais fora de São Paulo ficou entre 4,9% e 7,5% no primeiro semestre (contra um ano antes). Nas concessões paulistas, a variação foi de 7,5% a 12%. Na Triunfo Participações e Investimentos, que não tem estradas em São Paulo, o crescimento em cinco meses foi de apenas 3,2% contra um ano antes.

As empresas de logística negam que as alterações na cobrança de pedágio em São Paulo afetem o movimento nas estradas. “No nosso caso, estamos percebendo um terceiro trimestre aquém da expectativa”, diz Oswaldo Castro Júnior, diretor-geral da empresa de logística Golden Cargo. “A gente analisou os contratos em relação ao ano passado e tem uma certa retração. Tem um desaquecimento, há vários setores com demanda contraída”, diz Osni Roman, presidente da Coopercarga.

Fonte: Valor Econômico




Deixe sua opinião sobre o assunto!