Máquinas e caminhões viram aposta do setor de consórcios

consorcio-casa-carro-moto-caminhao




A expansão do agronegócio nos últimos anos trouxe não apenas a elevação da participação do setor no PIB, mas também a necessidade maiores investimentos. Prova disso é o número crescente de clientes que procuram consórcios para a aquisição de máquinas, implementos agrícolas e caminhões novos.

O Boletim divulgado pela Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac) revelou que o número de operações para veículos pesados cresceu 18,7% em um ano, tendo como base de cálculo março de 2013 e o mesmo mês em 2014. No mesmo período, o número de operações para a compra de máquinas agrícolas cresceu 20%.

De acordo com o presidente executivo da Abac, Paulo Roberto Rossi, “o consórcio permite que o cliente realize investimentos de médio e longo prazo sem a necessidade de ter o investimento total em mãos”. Por esse motivo, a operação também é conhecida como poupança programada exatamente pela organização que pode trazer aos investidores.

Segundo Rossi, essa característica é ideal para quem deseja expandir seu negócio ou renovar sua frota. O presidente da associação cita como exemplo as transportadoras e as empresas de transporte de passageiros que para segurança e redução de custo de manutenção devem trocar seus veículos periodicamente. “Com o consórcio, o empresário consegue aumentar sua carteira de cotas e realizar a troca de seus veículos conforme a contemplação na operação”.

Além disso, o planejamento é fundamental no agronegócio, cerca de 62% dos consorciados se organizam antes de comprar cotas dessa modalidade, é o que aponta pesquisa da Quorum Brasil divulgada em fevereiro.

Ainda de acordo com a pesquisa da Abac, dentro dos veículos pesados podemos encontrar o crescente número de operações para a compra de caminhões. No segmento, a participação foi de 21,2% em 2013, ou seja, um caminhão a cada cinco vendidos era comprado com a utilização de consórcios.

LEIA MAIS  Ação rápida da PRF interrompe viagem que levaria carreta roubada para o Paraguai

“Esta negociação é um elo importante da cadeia produtiva nacional uma vez que vemos a importância na venda de transportes de carga. Estes caminhões serão utilizados para transportar os grãos e as commodities que estão participando em peso no PIB brasileiro”, disse Rossi.

Apesar da participação nas operações serem principalmente de pessoas físicas, as empresas estão aumentando expressivamente. “Esta operação chegou ao Brasil em meados dos anos 1960 com a indústria automobilística, por isso tem mais carteiras de famílias. Mas, nos últimos dois anos cresceu bastante o número de consórcios para empresas”. De acordo com o relatório da Abac divulgado em maio, a presença das pessoas jurídicas nos consórcios de serviços teve um crescimento significativo. Em maio de 2013 a participação estava em 2% e no mesmo mês neste ano o valor foi de 9,23%.

O boletim também apontou que no segmento de máquinas agrícolas a participação de carteiras de empresas aumentou. No grupo de cotas com créditos de R$ 8,5 mil a R$ 800 mil, os participantes estavam divididos em 68% de produtores rurais de pessoas físicas e 27% de pessoas jurídicas.

De acordo com a Diretoria de Consórcios da Caixa Econômica Federal, as empresas estão aumentando a aquisição das operações. Em 2011, as famílias representavam 91% das carteiras e as empresas tinham apenas 9% da participação dos consórcios da empresa. Já em 2013, o espaço das pessoas físicas caiu para 78%, enquanto as empresas tiveram um valor total de 22% das negociações realizadas.

LEIA MAIS  Atego 1719 é o caminhão semipesado mais vendido no mercado brasileiro em janeiro

Segundo o banco, de 2011 para 2013, as vendas para as famílias aumentaram 170% para veículos e 68% no produto imobiliário. No mesmo período, os clientes pessoa jurídica tiveram um crescimento de 160% nas vendas de veículos e 84% no imobiliário. De acordo com a Caixa, a concentração desta carteira está nos estados de São Paulo, Paraná e Santa Catarina.

Já na operação total (independente do cliente), as regiões sudeste e sul concentram a maior parte das vendas pelo Consórcio da Caixa. Segundo a instituição, esse dado é reflexo da maior capacidade de aquisição que esses estados possuem.

Para a instituição financeira, a vantagem do consórcio para as empresas é que a operação oferece um menor custo em relação ao financiamento, além da possibilidade organizar o fluxo de caixa da empresa, sem aumentar o passivo devedor, já que tem características de investimento.

Fonte: DCI Texto de Vivian Ito




Deixe sua opinião sobre o assunto!