Estocagem de safra de grãos derruba em 13% vendas de caminhões no ano

MAN TGX cavalo




A indústria de caminhões projetava alta para 2014 baseada na previsão de safra recorde. No entanto, a estocagem de grãos – devido à baixa dos preços das commodities – adiou a renovação da frota e as montadoras podem amargar um recuo entre 11% e 13%.

O efeito da queda das vendas de caminhões já se reflete na cadeia de fornecedores. “Além da desaceleração da economia, que afeta profundamente a cadeia, a safra está esperando para ser escoada, devido à baixa dos preços. O mercado vai fechar o ano em queda”, afirmou o diretor de exportação e marketing da fabricante de carrocerias Randon, Cesar Pissetti.

Segundo a MAN Latin America (que fabrica os caminhões Volkswagen), o mercado registrou um recuo entre 14% e 15% até o momento e a situação é pior em extrapesados, amplamente usados no transporte da safra.

“Imaginávamos que este segmento cresceria muito mais, no entanto, está caindo cerca de 22% até agora”, afirma o vice-presidente de vendas, marketing e pós-vendas da MAN, Ricardo Alouche.

A única linha que tem crescido, de acordo com o executivo, é a de caminhões pesados, que representam a menor fatia das vendas no País. “Se não fosse o volume de vendas para o Ministério do Desenvolvimento Agrário [MDA], a queda teria sido superior a 20%”, destaca.

Finame

As montadoras estavam otimistas no início deste ano e esperavam um crescimento das vendas entre 8% e 11% em relação a 2013.

No entanto, o financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a compra de bens de capital (PSI/Finame) saiu somente no final de janeiro, o que empurrou para frente às encomendas. “Além disso, o Carnaval tardio e a Copa afetaram o mercado muito mais do que o esperado”, destaca Alouche.

LEIA MAIS  Radar passa a multar motorista a mais de 40 km/h em cabine automática de pedágio

Para o executivo da Randon, ainda que as condições do financiamento do BNDES estejam favoráveis, atualmente, não há um ímpeto de renovação da frota. “Se não há carga para transportar, as vendas não virão tão fortes mesmo com o Finame”, diz Pissetti.

Há alguns meses, o governo decidiu prorrogar as condições do crédito do BNDES, que incluem juros de 6% ao ano, considerados abaixo da inflação. “Trata-se de juros negativos”, pondera Alouche.

O vice-presidente da MAN acredita que, independentemente de quem assuma o próximo governo, a tendência é que o Finame sempre seja mantido com taxas atrativas.

“Dificilmente as taxas atuais serão mantidas porque custam muito caro para o governo. Mas se aumentar muito, a demanda vai cair e haverá demissões”, avalia Alouche.

Atualmente, a fabricante dos caminhões Volkswagen mantém cerca de 200 funcionários em regime de lay-off (suspensão temporária do contrato de trabalho) na unidade de Resende, no Rio de Janeiro. “Em dezembro, eles devem voltar ao trabalho gradativamente”, acredita o executivo.

“Acreditamos em uma retomada branda da economia, o que deve atenuar queda do setor”, destaca Ricardo Alouche.

Efeito cascata

Recentemente fabricantes como a Cummins (motores a diesel) e a BorgWarner (turbocompressores) informaram que já adotaram medidas para adequar a produção, como corte de turno, por exemplo. A queda esperada pelos mais diversos fornecedores da cadeia gira em torno de 10%, neste ano.

LEIA MAIS  Scania lança aplicativo de treinamentos em vídeo na Europa e Ásia

“Esperamos um aquecimento das vendas a partir de outubro, mas longe de ser uma mudança na economia”, pondera o vice-presidente da MAN.

Segundo o diretor da Randon, como a economia brasileira deve fechar o ano com baixo crescimento ou até recuo, a indústria de implementos rodoviários deverá registrar declínio das vendas em 2014.

“Se não houver uma verdadeira reviravolta, o mercado de carrocerias fechará o ano em queda, principalmente no segmento pesado”, diz Pissetti.

De acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários (Anfir), de janeiro a agosto as vendas do setor caíram 10,68% sobre igual período de 2013. A perspectiva da entidade é de que os números para o fechamento do ano não sejam muito diferentes.

Para o vice-presidente da MAN, a expectativa é que o segundo semestre seja melhor. “A situação do mercado não está nada confortável, mas ao menos estamos mantendo nosso share”, ressalta Alouche.

Fonte: DCI Texto de Juliana Estigarríbia




Deixe sua opinião sobre o assunto!