Setor desregulado coloca categoria em apuros

caminhoes em fila




Apesar da importância da profissão para o país, que possui uma das maiores malhas rodoviárias da América Latina e tem seu transporte de carga feito majoritariamente pelo modal rodoviário, são muitos os problemas enfrentados pelos caminhoneiros, cujo dia é celebrado em 16 de setembro. Com uma rotina extenuante de até 16 horas por dia, trafegando em estradas danificadas e sujeitos a assaltos e violência, os caminhoneiros ainda sofrem com a exclusão social causada pelo pagamento via carta-frete.

A carta-frete nada mais é do que um pedaço de papel entregue pela embarcadora ou transportadora como forma de pagamento, que obriga o caminhoneiro a pagar ágio de até 30% das compras e serviços ao longo de sua jornada. Com a carta-frete, o motorista tem de parar somente em postos de gasolina pré-determinados pela transportadora e perde também a sua autonomia de escolha como consumidor, sistema que o jurista Modesto Carvalhosa define em parecer como “análogo à escravidão”.

Caminhoneiros morrem mais que vigias e trabalhadores da construção

No Brasil, Transportadores Rodoviários de Cargas (caminhoneiros) lideram o alarmante ranking das atividades que mais causam mortes e incapacidade permanente em acidentes de trabalho, de acordo com informações do Anuário Estatístico da previdência Social/2012, superando até mesmo a marca das atividades de Construção de Edificios e de Vigilância e Segurança Privada.

LEIA MAIS  Para a justiça, jornada excessiva de motorista de caminhão não caracteriza dano moral

De acordo com Alfredo Peres, Presidente da AMPEF (Associação das Administradoras de Meios de Pagamento Eletrônico de Frete), “sem planejamento financeiro e com margens reduzidas, ele não faz a manutenção necessária em seu caminhão e também não tem comprovação de renda, o que o impede de recorrer a um empréstimo para troca de veículo. Resultados: frota com 21 anos em média de uso, segundo dados da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), caminhoneiros provocando sérios acidentes e morrendo mais que qualquer outra profissão no Brasil, atingindo marca de 8 mil mortos por ano”, explica.

São mais de 1 milhão de caminhoneiros autônomos no país, e mesmo não gostando da carta-frete, a maioria aceita por imposição do contratante – transportadora ou embarcadora.

Carta-frete: proibida por lei e amplamente adotada

Em 2010 o governo sancionou a lei 12.249/10, proibindo o uso da carta-frete e tornando obrigatório o pagamento aos caminhoneiros através de depósito em conta ou pelo uso do cartão-frete eletrônico. Mas a lei não é cumprida, e o lado mais fraco dessa cadeia de crimes promovido pela carta-frete é o caminhoneiro autônomo, que coloca na linha de frente a sua vida, a sua cidadania e dignidade.

LEIA MAIS  Unidades do Clube da Estrada Repom receberam mais de 135 mil caminhoneiros em 2018

Alfredo também explica que, “além do que já foi citado, o caminhoneiro se beneficia do pagamento legal, pois garante o recolhimento correto à previdência e ainda pode usar os registros do pagamento em cartão como prova de rendimentos para ter acesso ao financiamento para troca do seu veículo. E aqui, cabe ressaltar de que o valor do IR pago pelo carreteiro é de 10% da receita bruta. É o menor índice para profissionais autônomos”.

Fonte: Divulgação




Deixe sua opinião sobre o assunto!