Teste antidrogas obrigatório para caminhoneiros

caminhao na estrada




A profissão de motorista de caminhão é perigosa e ingrata. São grandes os riscos de acidentes, de assaltos. Outros fatores negativos: longas as ausências de casa, problemas de saúde causados por horas seguidas ao volante, tensão e desconfortos, com ganhos considerados aquém dos merecidos se comparados com a responsabilidade de conduzir os altos valores representados pelo veículo e carga.

Somente na região Noroeste tem vagas para 4 mil caminhoneiros. Segundo representante de uma empresa de transporte, quando aparece um profissional com currículo é comum que a sondagem nos empregos anteriores dificultem a contratação: “É muito risco colocar um grande capital nas mãos de um profissional problemático”.

São muitos os problemas com os condutores de caminhões, indica pesquisa feita pela concessionária Arteris, entre janeiro de 2013 e agosto de 2014 com 3.405 caminhoneiros no Paraná, São Paulo, Santa Catarina, Minas e Rio.

LEIA MAIS  Comparativo aplicativos de frete: Fretebras, Truckpad, Sontra Cargo e Fretefy

A pesquisa levantou a maioria dos caminhoneiros fica em média 20 dias por mês fora de casa. Muitos dirigem até 18 horas por dia e geralmente para manter o desempenho 13% usam os chamados “rebites”, enquanto 12% viajam na mais alta faixa da escala de sonolência – com 70% de risco para acidentes.

É uma categoria profissional com muitos problemas de saúde: 35,97% são obesos, 40,53% têm sobrepeso, mais de 15% sofrem de hipertensão, 38% têm colesterol alto, 39% possuem glicemia alta e 17% triglicérides acima dos níveis normais.

LEIA MAIS  ENTREVISTA - Como é ser caminhoneiro nos Estados Unidos?

Já vigora a lei que obriga a realização de exame toxicológico para motoristas de caminhões, ônibus e vans. O objetivo é aferir inclusive o uso de cocaína e outras drogas ilícitas, que se sabe é alto entre os caminhoneiros (não entrou na pesquisa feita).

Esse novo teste antidrogas será aplicado em motoristas de caminhões, vans e ônibus que forem tirar ou renovar carteiras de habilitação. Há um prazo de seis meses para que os Estados credenciem laboratórios e comecem a fazer os testes, a partir de 2015.

Fonte: Blog do Francês




Deixe sua opinião sobre o assunto!