Um ano de trabalho e conquistas no Museu Brasileiro do Transporte

Museu




Uma agenda rigorosa, com forte acompanhamento das fases burocráticas e de documentação em diferentes esferas governamentais, seguida de uma planejada busca de patrocinadores por parte da gestão do Museu Brasileiro do Transporte. O ano de 2014 tem sido bastante intenso para toda a equipe de profissionais envolvida neste audacioso projeto.

Com a aprovação do Projeto do Museu junto ao Ministério da Cultura para captação de recursos nos moldes da Lei Rouanet, lei federal de incentivo à cultura, em julho de 2013, a busca por patrocínio passou a ser um dos pontos principais na pauta dos coordenadores. A aprovação é um certificado da qualidade do Projeto do Museu e um aval aos patrocinadores interessados em alinhar sua marca ao projeto, utilizando parte de seu imposto de renda devido. Dessa forma, pessoas jurídicas podem destinar até 4% de seu IR devido à cultura; e pessoas físicas, 6%.

“O empenho tem sido recompensado. Já conquistamos o apoio de grandes empresas, como Scania LatinAmerica, Patrus Transportes Urgentes, Randon S.A. Implementos e Participações, Jost Brasil Sistemas Automotivos, Multieixo Implementos Rodoviários e PPW Brasil, mas continuamos na busca de novos parceiros”, explica Elza Lúcia Panzan, presidente da Fundação Memória do Transporte (FuMTran) e gestora do projeto do Museu Brasileiro do Transporte.

O trabalho de captação de recursos evolui ainda mais desde agosto deste ano, quando foi registrada proposta junto à Secretaria do Estado da Cultura (São Paulo). Com isso, agora o Museu aguarda a aprovação da proposta do projeto nos moldes do PROAC ICMS. Quando acontecer, o Museu poderá também captar recursos de empresas patrocinadoras com disponibilidade de ICMS, já cadastradas na SEFAZ, via renúncia fiscal.

Outros avanços

O cronograma de execução do projeto tem sido cumprido. Desde sua aprovação, além das providências para obtenção de todos os alvarás e licenças necessários, foram desenvolvidos sob a supervisão do escritório de arquitetura Athié|Wohnrath todos os estudos preliminares e pré-projetos necessários à obra, tais como: luminotécnico, acústico, sistema de ar condicionado, elétrico, paisagismo, levantamento e sondagem de solos, irrigação e estudo de viabilidade técnica, entre outros.

Em junho, o Museu Brasileiro do Transporte também teve sua via de acesso prevista no Plano da Rota das Bandeiras, com parecer positivo acerca da diretriz de construção da marginal de acesso para o Museu pela Rodovia D. Pedro I, em Campinas (SP). O projeto já conta com a emissão da Certidão de Viabilidade Técnica emitida pelo GAPE (Grupo de Análise de Projetos Específicos) da Prefeitura de Campinas, que atesta que é viável a execução de um projeto desse porte no terreno indicado.

“Temos agora o deferimento do COMAR (Comando da Aeronáutica) para implantação do Museu, outra documentação exigida para nosso projeto. E assim, a cada momento, cumprimos mais uma etapa rumo à construção de um sonho, comemora Elza Lúcia Panzan.

Fonte: Divulgação