Após decisão judicial, índios liberam rodovia e deixam de cobrar pedágio

indiosjuina620x465_2

Os índios da etnia Enawenê-nawê liberaram na noite desta quinta-feira (9) trecho da MT-170, sobre a ponte do Rio Juruena, entre os municípios de Juína e Brasnorte, a 737 km e 580 km de Cuiabá, respectivamente. A liberação ocorreu por volta das 19h [horário local] e atende a determinação da juíza federal Tânia Zucchi de Moraes, da Subseção da Justiça Federal em Juína, proferida na quarta-feira (8), com base em uma ação, com pedido de liminar, protocolado pela Associação Juinense de Ensino Superior do Vale do Juruena (Ajes).

Por nove dias, os indígenas bloquearam a rodovia e cobravam pedágio no valor de R$ 100 dos motoristas que trafegavam pelo local. Na manhã desta quinta-feira, houve uma reunião na sede da Justiça Federal de Juína com representantes da etnia Enawenê-nawê, o prefeito do município, Hermes Lourenço Bergamini, representante da Secretaria de Transporte e Pavimentação Urbana (Setpu), Wandemar Estevo Filho, e a juíza Federal Tânia Zucchi. Na ocasião, ficou acordado que a prefeitura municipal irá fornecer um maquinário e a Setpu será responsável pelo combustível, dois caminhões com os motoristas para a realização dos trabalhos na estrada que dá acesso à aldeia indígena.

LEIA MAIS  Seis praças de pedágio do Paraná têm tarifa reduzida a partir desta terça-feira

Os Enawenê-nawê alegam que a estrada está precária e precisa de reparos. De acordo com o major da Polícia Militar de Juína, Anderson Luiz da Silva, os índios não resistiram em sair do local. “A retirada do indígenas ocorreu de forma pacífica, todas as barracas já foram desmontadas e o trânsito flui normalmente”.

O bloqueio teve início no dia 1º de outubro após o governo de Mato Grosso descumprir um acordo feito com a comunidade indígena para a construção de pontes e manutenção da estrada entre a aldeia Halaytakwa e a BR-174. Em uma carta de reivindicações, disseram que, primeiro, o governo havia prometido dar início às obras no dia 15 do mês passado e depois no último dia 1º. Nenhum dos prazos foi cumprido.

LEIA MAIS  Seis praças de pedágio do Paraná têm tarifa reduzida a partir desta terça-feira

Bloqueio

Os motoristas de carros e caminhões que precisavam trafegar pelo local foram obrigados a pagar um pedágio no valor de R$ 100 para seguirem viagem. Já para os motociclistas, o valor do pedágio era de R$ 50. Os Enawenê-nawê alegam que o bloqueio ocorreu pelo não cumprimento dos prazos estabelecidos pela Setpu para o início das obras na estrada que dá acesso à aldeia Halataikwa.

Desde 1998, os indígenas pleiteiam a construção de uma estrada saindo da rodovia até a aldeia, a maior do território indígena, para ser usada no transporte até as cidades e no abastecimento das aldeias onde atualmente vivem cerca de 700 pessoas.

Fonte: TV Centro-América