MP abre procedimento para investigar rachaduras em viaduto da PR-445

Viaduto




O Ministério Público em Londrina instaurou, nesta quarta-feira (15), um procedimento para averiguar se houve irregularidades na execução das obras do viaduto da Avenida Dez de Dezembro com a rodovia PR-445. Caso confirmadas, essas irregularidades podem levar a uma ação de improbidade administrativa contra o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER). A informação foi confirmada ao JL pelo promotor Renato de Lima Castro.

No local, enormes rachaduras apareceram no muro de contenção do viaduto. A situação foi identificada no final de setembro após uma visita de representantes do Conselho Regional de Engenharia (Crea-PR). Um laudo divulgado pelo DER apontou que as fissuras foram causadas por um afundamento do solo, em razão da “falta de capacidade de suporte do terreno de fundação”. Segundo o laudo, o viaduto e o muro de contenção são independentes e o problema pode ser corrigido com injeção de cimento nas bases do terreno, “prática já empregada anteriormente e que garante a estabilização da base do muro”.

A Promotoria de Patrimônio Público deve pedir a colaboração dos profissionais do Clube de Engenharia e Arquitetura de Londrina (Ceal) nessas averiguações. “De posse dos projetos, esperamos que seja possível aos engenheiros e arquitetos checarem se houve ou não a execução da obra fora dos padrões técnicos necessários. Isso pode ser caracterizado como lesão culposa ao erário, já que o dinheiro público pode ter sido usado duas vezes na mesma obra: uma para a construção e outra para o reparo”, detalhou. O pedido, explicou o promotor, ainda não havia sido formalizado junto ao Ceal até as 10h30.

Queda de braço

As rachaduras no muro do viaduto viraram tema de uma verdadeira queda de braço entre o vereador Roberto Fú (PDT) e o superintendente regional do DER em Londrina, José Ferreira Heidegger. Por duas vezes o legislador convidou o representante do órgão estadual para explicar por que o muro rachou. Nas duas vezes, o convite foi declinado. Uma terceira reunião foi marcada para a tarde desta quarta-feira na Câmara dos Vereadores, mas a iniciativa naufragou mais uma vez.

“Fizemos um convite formal ao [José Ferreira] Heidegger para essa terceira reunião. Marcamos essa data e esse horário, 14 horas do dia 15 de outubro, porque ele nos disse que era quando os técnicos do DER estariam disponíveis. Para minha surpresa, ele vem e marca um encontro no mesmo dia e na mesma hora, só que eu outro lugar. Parece guerra de ego, jogo de vaidades, queda de braço. Achei um desrespeito à população de Londrina”, desabafou o vereador, que disse não ter sido convidado para a reunião promovida pelo DER no auditório do Iapar, às 14 horas desta quarta.

Heidegger explicou que o local foi escolhido por estar próximo às obras do viaduto. “Assim que terminarmos as explicações, vamos poder ir até o muro e verificar que tudo está sob controle”, disse, em entrevista ao JL por telefone. O superintendente garantiu que os vereadores foram convidados e que o encontro será aberto ao público.

Fonte: Gazeta do Povo