Santos Brasil amplia modelo de lavagem a seco de caminhões

Santos Brasil

Em meio a um cenário de crise no abastecimento de água no Estado de São Paulo, a Santos Brasil adotou um modelo sustentável e pioneiro na Baixada Santista de lavagem de seus veículos e equipamentos para transportes rodoviários. O procedimento gera uma economia de aproximadamente 110.000 litros de água por semana, equivalente à lavagem de quase 200 veículos de passeio desperdiçando 30 minutos com mangueira aberta para cada um. Apenas para a higienização de um único caminhão são gastos cerca de 1.480 litros, ou seja, uma caixa d’água residencial e meia com capacidade padrão.

Desde o início do segundo semestre deste ano, a companhia que opera o maior terminal de contêineres da América do Sul, localizado no Porto de Santos, utiliza um método de lavagem a seco. Trata-se de um modelo terceirizado, no qual funcionários de uma empresa especializada aplicam produtos biodegradáveis nos 143 caminhões e 228 semirreboques próprios da Santos Brasil, higienizando-os manualmente, sem qualquer uso de água.

Inicialmente, a lavagem a seco havia sido adotada no Terminal de Transportes Rodoviários (TTR) que a companhia administra no município de Santos (SP). O procedimento foi bem sucedido e, no último mês de setembro, ampliado para outras duas unidades de negócios – o Centro Logístico Industrial e Aduaneiro (Clia) de Guarujá (SP) e o complexo químico com logística operada pela Santos Brasil em Guaratinguetá (SP).

Para o gerente-executivo de Transportes da Santos Brasil, Wendell Fernandes, o aumento do uso da lavagem a seco proporciona ganhos operacionais à empresa e aos clientes, melhorando a eficiência no modal rodoviário. Quando eram lavados com o método convencional, os caminhões precisavam se locomover até um estabelecimento credenciado, localizado no município de São Vicente (SP). Devido à adoção deste modelo a seco, já é possível lavá-los dentro das unidades logísticas da Santos Brasil. “Contribuímos com a diminuição do trânsito nas rodovias da Baixada Santista. Além disso, anteriormente precisávamos de um dia inteiro para lavar um único caminhão. Com a lavagem a seco, esses veículos são limpos em cerca de uma hora. Ficam à disposição para serem operados muito mais rapidamente”.

A lavagem a seco proporciona também outros ganhos ambientais além da preservação do recurso hídrico. “Cessamos o uso de água para este fim. Mas também reduzimos significativamente a emissão de poluentes na atmosfera, já que os caminhões agora são lavados dentro da Santos Brasil”, explica o gerente de Meio Ambiente da Santos Brasil, Hemerson Braga.

Teto ecológico

O modelo de lavagem a seco é uma das iniciativas da Política de Sustentabilidade da Santos Brasil, que tem por objetivo diminuir a emissão de gases de efeito estufa e preservar recursos naturais. Outro projeto ambiental da companhia também deve contribuir com a preservação da água. No período de chuvas, a empresa iniciará a operação de um ’teto ecológico’, que irá capturar água pluvial para uso na manutenção das áreas verdes da instalação portuária controlada pela companhia no complexo santista.

Fonte: Divulgação