Scania reduz custos com melhoria logística

Linha de montagem Scania




Novo sistema de logística, ou seja, do processo que inclui a gestão da armazenagem e do fluxo de entrada de materiais que vão abastecer a linha de produção está propiciando, neste ano, economia de mais de 5% no custo da Scania com o transporte de peças de fornecedores para sua fábrica de caminhões e ônibus em São Bernardo. Instalada no município há 52 anos e uma das pioneiras no País na modularização do segmento automotivo, em que a produção de uma peça serve para infinidade de combinações de veículos, a montadora aposta na busca do aumento da eficiência, em meio a cenário de demanda retraída no Brasil, e em importantes destinos no Exterior, como é o caso da Argentina, neste ano.

Para a redução de custos a fabricante iniciou, no fim do ano passado, metodologia em que alia o planejamento diário de coleta de materiais com balanceamento do nível de ocupação dos veículos da empresa que buscam as peças nos fornecedores. Foi mais um passo de processo iniciado em 1999, quando a companhia, que conta com quadro de 4.000 funcionários em São Bernardo, passou a ser responsável pelo transporte de insumos até a planta fabril, assumindo o recolhimento diário de componentes com rotas pré-estabelecidas. Uma das ideias da iniciativa, na época, diz o gerente executivo de Logística Supply Chain da Scania Latin America, Fábio Castello, era diminuir o fluxo de caminhões que iam até a fábrica, também para minimizar transtornos no trânsito. “Estamos no meio de São Bernardo”, explica. Houve também a concentração dos itens (são cerca de 27 mil diferentes, ao todo), coletados dos elos da cadeia produtiva, no centro de distribuição de peças da companhia em Mauá.

Desde então houve avanços e, agora, dentro da nova etapa da logística, que começa a gerar resultados neste ano, uma torre de controle faz avaliação diária dos volumes necessários para a produção e também dos níveis de estoque e da capacidade de veículos no processo, para que não haja picos de aquisição de um item ao longo dos dias da semana.

LEIA MAIS  Caminhoneiro terá linha de crédito para manutenção do veículo e compra de pneus

Com a introdução da sistemática nos primeiros fornecedores (do total de 200 no Brasil, 30 já ingressaram no programa piloto), o projeto conseguiu reduzir a quantidade de veículos que fazem a coleta, com 103 viagens a menos no ano, o equivalente a redução de 99 mil km. Isso significa também o impacto positivo no meio-ambiente, com a redução de emissões de 14 toneladas de CO2 na atmosfera. Castello não fala de economia em valores, mas assinala que, para 2015, a redução de custos deve se manter na ordem de 5%, com a entrada de outros parceiros no projeto. Ele acrescenta que, nesse cenário de volatilidade (com fortes oscilações nas vendas, mensalmente), o projeto favorece para que não haja estoques elevados de peças na fábrica.

LEIA MAIS  Bitrem com 24 mil quilos de excesso é flagrado na BR 101 em Palhoça-SC

É uma forma de reduzir o impacto da crise do setor, principalmente na área de caminhões, que sofre com o ritmo lento da economia. As vendas desses veículos devem fechar 2014 com retração da ordem de 14%, segundo estimativa da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores). No ano até setembro, a Scania, que se concentra na produção de caminhões pesados e extrapesados, registra queda ainda maior, de 27,7% no volume emplacado (com o total de 10.375 unidades licenciadas).

Fonte: Diário do Grande ABC




Deixe sua opinião sobre o assunto!