Volvo Trucks – Design dos caminhões exige visão futurista

Design - Volvo FH (1)




O processo de concepção de um caminhão novo começa muitos anos antes do seu lançamento. Ao longo desse tempo muita coisa pode mudar, o que exige uma visão futurista para se desenvolver um caminhão não apenas do seu tempo, mas que deve ser considerado inovador.

“Começamos a trabalhar no novo Volvo FH em 2006,” disse Rikard Orell, Diretor de Design da Volvo Trucks. “Nessa altura ninguém ouvia falar do iPhone. No ano de lançamento do Volvo FH, em 2012, os smartphones eram já parte integrante da sociedade. Temos de ser capazes de prever este tipo de alterações.”

Acompanhar as inovações é uma parte importante no processo de design pois ajuda a prever como vai evoluir a sociedade em cinco, dez e quinze anos. Isto inclui tudo, desde entrevistar motoristas a investigar tendências nos campos tecnológico e cultural.

LEIA MAIS  Volvo VM modelo 2020 traz novidades na cabine para mais conforto e produtividade

“Na indústria dos transportes, os ciclos de produto são mais longos do que em outras indústrias. Uma vez que somos lideres na nossa indústria, temos uma maior responsabilidade para influenciar o desenvolvimento para que tome o caminho da sustentabilidade,” explica Rikar Orell.

Design - Volvo FH (2)Há um ano atrás, a Volvo Trucks completou o maior lançamento da história da marca. Seis novos modelos de caminhões foram lançados em menos de um ano. Cada um destes modelos com três características de design em comum: o iron mark, que agora assume uma posição de maior destaque logo abaixo do pára-brisas, a maior grade frontal e os faróis em V. No entanto, o maior desafio para a equipa de design foi expressar as diferenças existentes entre os vários modelos.

LEIA MAIS  Volvo reforça ações de mercado para peças clássicas de veículos da marca

“A nossa nova série de caminhões é como qualquer outra família. É composta por indivíduos com as suas próprias personalidades. É nestas diferenças que reside a verdadeira força destas séries. Para nós foi uma questão de criar uma personalidade única para cada modelo que servisse o seu propósito, finalidade e ambiente de trabalho,” defende Rikard Orell.

Fonte: Turbo Oficina




Deixe sua opinião sobre o assunto!