Com fábrica de tratores em Dois Irmãos, Mahindra quer fazer escola no Rio Grande do Sul

linha de montagem mahindra tratores

Dois Irmãos, no Vale do Sinos, vive hoje o que é considerado o terceiro ciclo de desenvolvimento econômico. Após ter a agricultura de subsistência e a indústria de calçados como base, aposta na diversificação, em especial com a chegada da indiana Mahindra. Operando desde 2013, a marca tem planos de construir nova unidade, em um investimento de US$ 15 milhões que permitirá aumentar a produção anual de 1,5 mil para 10 mil tratores.

— Temos o compromisso de buscar parceiros para viabilizar o projeto. Sabemos que não vem só a empresa, mas uma série de sistemistas — avalia João Luiz Weber, secretário da Agricultura, Indústria, Comércio e Turismo de Dois Irmãos.

O foco da fabricante para o mercado brasileiro está bem definido: tratores entre 50 e 100 cavalos de potência, para atender propriedades familiares.

— O mercado é uma pizza de oito pedaços. Trabalharemos na ineficiência de alguém — diz Álvaro Sandre, diretor comercial da Bramont, representante da Mahindra no Brasil.

Para conquistar espaço no país, o foco é uma relação próxima com os clientes. Para isso, foi criada a Escola Mahindra de Tratores, que irá preparar profissionais das 14 concessionárias sobre a mecânica básica dos equipamentos. Agricultores também serão treinados nos mesmos moldes. A primeira turma, com estada paga, está prevista para março, segundo Sandre:

— Precisamos de admiradores, não só de compradores.

Entrevista — Egisson Loreto, gerente-geral da fábrica

Por que trazer a produção da indiana Mahindra para o Brasil? E dentro do país, qual a razão para escolher o Rio Grande do Sul?

A Mahindra está em um processo de globalização. A empresa tem de crescer. Na Índia, já é a número 1. A possibilidade de expansão lá e em toda aquela parte da Ásia está difícil. A globalização passa por novos mercados, entre os quais a Austrália, o Brasil e a Turquia. São os mais pujantes, atrativos. O Brasil é uma consequência. Pelo porte dos nossos produtos, pela potência dos nosso tratores, é mais adequado para o tipo de agricultura que se pratica na região sul do país, de propriedade média, pequena.

LEIA MAIS  SVD Transportes Rodoviários apresenta novidades em serviços na Fenatran 2019

Fazer investimentos no Brasil neste momento, em que há redução de vendas no setor e a economia vive um momento de retração, não é um risco?

Todo negócio é um risco. Agora, realmente é um problema. Quando desenhamos o projeto Mahindra, o dólar estava a R$ 1,70, mais ou menos. Foi feito todo um planejamento na casa de R$ 2. Hoje, está acima de R$ 2,50, e os rumores são de que o dólar vai ficar nessa faixa mais alta. É preciso muito sangue frio nesta hora. A gente busca uma condição de contornar um pouco isso. Uma coisa que impacta para todo mundo é que hoje não existe fabricante que não tenha seu custo afetado pelo dólar. Todos têm, trazem componentes de fora. O dólar vai impactar a todos, uns mais, outros menos.

No caso da Mahindra, o custo operacional não é maior, já que as peças são remetidas à Índia para homologação?

Temos uma administração e uma engenharia muito enxutas. Trabalhamos online com o departamento de pesquisa e desenvolvimento em Chennai, na Índia, para ter um custo administrativo e de operações mais baixo. A estrutura é menor do que todos os concorrentes, para tentar, com isso, ser competitivo no mercado.

O impacto do dólar poderia fazer vocês reverem o plano de expansão e crescimento no Brasil?

Claro que sim. Em um cenário de dificuldades, todo investimento está sujeito a revisão. A gente não quer isso, ninguém quer. Mas somos só um ator da economia, não somos gestores. Já fizemos algumas adequações para a nova realidade. É óbvio que quando fizemos o planejamento, não foi em cima de um cenário só. A gente sempre faz o que consideramos o ideal, o pessimista e o otimista. Está no pessimista agora.

LEIA MAIS  Projeto prevê multa de trânsito mais alta para empresa cuja frota atinja 20 pontos

Como você vê a entrada de fabricantes asiáticas no mercado brasileiro, dominado por marcas tradicionais?

Vejo de forma natural. Isso é do jogo, todas vão querer sua fatia de mercado e cada uma vai usar sua estratégia para pegar a maior parte. Comparando alguns fabricantes tradicionais, percebe-se que deram uma boa revisada. É assim mesmo, tem de revisar e modernizar, senão serão atropeladas.

O pós-venda tem feito muita diferença na compra de máquinas e implementos. Qual a estratégia de vocês?

Esse é um dos pontos em que a gente pode fazer uma grande diferença. Se não tivermos um pós-venda do mesmo nível ou melhor, não vamos entrar no mercado. Isso é feito com o básico: estando junto do cliente. Nossa regra é não ter trator parado. Esse é o mantra, a cartilha que todos terão de rezar. O pós-venda é a chave do sucesso.

A Mahindra

— Sede: Mumbai, Índia

— Ramos de atuação: produção de carros, motos, tecnologia da informação, aviões, bancos e resort

— Tamanho: cinco fábricas na Índia e uma no Brasil. Cinco linhas de montagem
nos Estados Unidos, duas na China e uma na Austrália

— US$ 25 bilhões é o faturamento anual do grupo

— 235 mil tratores são produzidos por ano em todas as unidades da empresa

Fonte: Jornal Zero Hora