GREVE: Paralisação de caminhoneiros prejudica abastecimento no País

greve dos caminhoneiros (2)




Além de afetar a produção de aves e suínos, a paralisação dos caminhoneiros provoca falta de produtos nos supermercados do norte e do noroeste do Paraná e oeste de Santa Catarina, as regiões mais prejudicadas pelo bloqueio das estradas. Também reduziu a oferta de frutas no maior entreposto de alimentos in natura do País, a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais do Estado de São Paulo (Ceagesp), na capital paulista.

Pães industrializados, verduras, tomate e leite de saquinho (in natura) foram os primeiros itens que desapareceram das prateleiras de supermercados do norte do Paraná, conta o presidente da associação regional do setor, Maurício Bendixen. A região reúne 256 lojas espalhadas por 12 municípios, entre os quais estão Maringá, Apucarana, Cianorte, por exemplo.

Pelo fato de esses itens serem perecíveis e de giro rápido, as lojas não têm grandes estoques, explica Bendixen. Por isso, estes foram os primeiros produtos a serem afetados. Problemas de abastecimento de frutas, legumes e verduras também estão ocorrendo com mais intensidade no oeste e extremo oeste de Santa Catarina, segundo a Associação Catarinense de Supermercados.

Em São Paulo, os produtos in natura  que sofrem com o bloqueio das estradas, por enquanto, são as frutas produzidas em outros Estados. Já as verduras são cultivadas em áreas próximas da capital, o chamado cinturão verde. Neste caso, o escoamento da produção pode ser feito por rotas alternativas, fora das áreas bloqueadas.

Um levantamento da Ceagesp mostra uma queda de 10% na entrada de frutas produzidas no Sul do País, como melancia, maçã, pera e ameixa. Parte da carga dessas frutas, produzidas nos Estados doRio Grande do Sul e Santa Catarina, não conseguiu vencer o bloqueio das rodovias e chegar à Ceagesp.

Apesar de não ter números exatos, a assessoria de imprensa da Ceagesp tinha informações de que existiam caminhões carregados de banana, mamão, morango e atemóia, parados desde domingo em Governador Valadares (MG) e nas regiões metropolitanas de Belo Horizonte e Curitiba (PR).

Carnes

Nas próximas semanas, aves e suínos poderão ter o abastecimento afetado no varejo. Na terça-feira, 24, por exemplo, o JBS, um dos gigantes da produção de frangos e suínos, paralisou a produção de oito fábricas no País: quatro em Santa Catarina, duas no Paraná, uma no Rio Grande do Sul e uma em Mato Grosso do Sul. A empresa informa que as outras 32 unidades trabalham com 40% de ociosidade, também prejudicadas pelo bloqueio nas rodovias.

A decisão da JBS de suspender as atividades dos frigoríficos de frangos e suínos ocorreu um dia depois de outra gigante, a BRF, ter paralisado a produção de dois frigoríficos de aves e suínos no Paraná por falta de matéria-prima.

“A situação é gravíssima”, diz Ricardo Gouvêa, diretor do Sindicato das Indústrias de Carne e Derivados de Santa Catarina e da Associação Catarinense de Avicultura. Ele explica que a decisão dos frigoríficos de suspender os abates ocorreu porque essas empresas não conseguem vencer o bloqueio e entregar aos produtores integrados a ração para alimentar os animais.

Fonte: O Estado de S. Paulo




Deixe sua opinião sobre o assunto!

error: Cópia de conteúdo desabilitada !!