Sistema criado na Unifesp pode otimizar fluxo de caminhões no Porto de Santos

Fila de caminhoes Porto de Santos




Os gargalos na entrada e saída do Porto de Santos, no litoral de São Paulo, o maior da América Latina, sempre afetaram a produtividade do cais santista. Por isso, alunos e professores da Unifesp estudam um sistema que poderá otimizar o agendamento de caminhões na área portuária. Testes no Porto de Paranaguá, no Paraná, já mostraram que a ideia é viável.

O professor Caio Fernando Fontana, do curso de Ciências do Mar da Unifesp em Santos, explica que a proposta é criar uma fila virtual de caminhões para o acesso e saída do Porto. “Conforme as viagens vão atrasando ou adiantando, e aquele caminhão não chega, qual carreta posso colocar no lugar para ocupar aquele espaço? Isso deve ser organizado. O que eu não posso é ficar ocioso ou formar fila do lado de fora”, esclarece.

O ajuste funcionaria em tempo real. Para isso, o grupo está elaborando um software que leva em conta o tempo que o caminhão demora para chegar e sair do Porto, e várias outras variáveis, como tempo de atendimento, acidentes e congestionamentos.

A ideia é adaptar sistemas que já existem nas estradas e na região portuária para monitorar os caminhões, como o agendamento da Codesp e o programa Brasil ID (Sistema Nacional de Identificação, Rastreamento e Autenticação de Mercadorias), que faz o rastreamento e a identificação por radiofrequência (RFID) dos veículos e produtos que circulam pelo País. Além disso, serão implantados chips nos caminhões e instaladas antenas nas estradas e terminais, para rastrear o trajeto dos veículos programados para entrarem no Porto.

LEIA MAIS  Automação, conectividade e eletromobilidade são o presente e o futuro dos transportes

“Nós conseguiríamos monitorar os caminhões ao passarem pelas balanças e demais pontos. Eu saberia que ele está entre um ponto e outro. Mas, se ele passou em um ponto e no outro não, entre 30 e 40 minutos dentro do horário previsto, já posso acionar alertas e ver o que está acontecendo, gerenciando”, explica o professor Cledson Akio Sakurai, que também está envolvido no projeto.

No segundo semestre do ano passado, o grupo fez um trabalho de otimização de entrada e saída de caminhões de fertilizantes no Porto de Paranaguá. “Enquanto o caminhão carregava no navio, alguém já determinava o armazém. No entanto, essa pessoa não sabia como estava o atendimento no depósito, e acabava formando fila”, explica Sakurai.

Depois de analisar a situação, o grupo instalou chips em cerca de 500 veículos e antenas em cinco pontos do porto. Desta forma, eles conseguiram criar um sistema, levando em conta variáveis como atendimento e tempo de tráfego entre um trecho e outro. A experiência deu certo. “A otimização foi em torno de 40%”, afirma Fontana.

LEIA MAIS  PRF prende trio de ladrões de carga na Dutra

A ideia do grupo é criar um software de gestão de caminhões semelhante para o Porto de Santos. Os alunos João Pedro Lago e Bruna Cristina de Alvares Achilles auxiliam na pesquisa. João Pedro explica o objetivo final do projeto. “É preciso aproveitar a capacidade ideal da via, com o melhor número de caminhões possível. Trabalhar na capacidade mínima é perder dinheiro e acima dela também”, diz.

Segundo Akio, o cais santista apresenta características, problemas e variáveis diferentes. Há mais tráfego de veículos, poucas entradas e saídas, movimentação de trens e mais acidentes. “Estamos trabalhando no conceito, para chegar ao algoritmo e fazer os testes. Não é algo simples, porque são muitas variáveis”, explica. O grupo está confiante e deseja que, até o fim do ano, consiga testar o sistema.

Fonte: TV Tribuna




Deixe sua opinião sobre o assunto!

error: Cópia de conteúdo desabilitada !!