Volkswagen e Ford avaliam adesão ao PPE nas fábricas em Taubaté, SP

linha de montagem volkswagen up taubate




A Volkswagen e a Ford, ambas em Taubaté(SP), informaram que estudam a adesão ao Programa de Proteção em Emprego, que permite redução de jornada e corte de até 30% nos salários dos funcionários de empresas que comprovarem dificuldades financeiras.

As regras da medida provisória foram publicadas nesta quarta-feira (22) no Diário Oficial. A Volkswagen e a Ford informaram, por meio de email, que a proposta está sendo analisada. A Ford informou, no entanto, que não tem um posicionamento sobre o assunto.

Além do interesse da empresa, os trabalhadores e o sindicato que representa a categoria também precisar aprovar o recurso para que ele entre em vigor.

O Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté, que representa os trabalhadores das duas multinacionais, diz que vai negociar com as fábricas interessadas. “Os ajustes que tinham que ser feitos já foram feitos, ajustes acontecem desde 2014; além de férias coletivas, layoff “, afirmou Valmir Marques da Silva, vice-presidente do sindicato.

Entre as principais regras para empresa ser autorizada a aderir ao PPE estão comprovar a situação de crise, deve ter esgotado o banco de horas e período de férias dos trabalhadores, inclusive férias coletivas.

LEIA MAIS  Divisão de caminhões da Volkswagen está aberta à compra de fatia majoritária na Navistar

Durante o programa, nenhum trabalhador poderá ser demitido sem que seja por justa causa. Além disso, não estão autorizadas novas contratações durante o programa.

Para o Ciesp, que representa as indústrias do Estado de São Paulo, o programa oferece vantagens importantes que podem ajudar a economia, mas também é um risco à empresa.

“O empresário tem que fazer análise profunda dos custos para aderir [ao PPE], sabendo que não pode demitir, nem contratar. Além disso tem que estar em dia com tributação. Se deixar de pagar um tributo vai ter que restituir tudo que o governo já pagou ao funcionário, além de uma multa de 100%”, disse Fabiano de Souza, gerente regional do órgão.

Layoff e férias coletivas

Para a maioria dos trabalhadores, a medida é bem vinda, já que o ritmo de produção vem caindo em todo país e ameaçando os empregos.

LEIA MAIS  Superbid leiloa caminhões e outros veículos da Raízen

Neste ano, a Volks e Ford já adotaram medidas para adequar a produção à demanda do mercado e evitar demissões. Ambas adotaram a suspensão temporária dos contratos de trabalho ‘layoff’ e também deram férias coletivas aos trabalhadores. Juntas, as duas montadoras empregam cerca de 6,4 mil trabalhadores.

Caged

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, mostram que Taubaté teve o pior desempenho semestral na geração de emprego desde o início da série histórica, em 2003.

A cidade perdeu mais de 2 mil empregos com carteira assinada em seis meses. São José também teve o pior desempenho de janeiro a junho deste ano, com 3,4 mil postos de trabalho fechados.

Outras empresas

Procuradas, a LG Eletronics, em Taubaté e a GM, em São José, que também vêm dando consecutivamente férias coletivas aos trabalhadores, não comentaram o assunto. As empresas que quiserem aderir ao PPE tem até 31 de dezembro.

Fonte: TV Vanguarda




Deixe sua opinião sobre o assunto!

error: Cópia de conteúdo desabilitada !!