Mais uma transportadora entra com pedido de recuperação judicial em Mato Grosso

por Blog do Caminhoneiro

transportadora - Iveco Stralis ASA foice da crise financeira que ataca todo Brasil fez mais três vítimas em Mato Grosso. O juiz da Primeira Vara Cível, Flávio Miraglia Fernandes, deferiu nesta ultima terça-feira (8) o pedido de recuperação judicial do grupo formado pelas empresas MAV Comércio e Transportes Ltda ME, A.M.V Transportes Ltda ME e MR Transportadora Ltda, que alegou crise financeira e queda nos valores de serviço.

O grupo destaca, em relato, ter empreendido esforços para salvar suas contas, tais como reduzido custos e despesas e promovido venda de bens. O que seria insuficiente, uma vez que a inadimplência, a concorrência desleal, a redução do lucro, além de elevados custos tributários e operacionais, teriam desencadeado um processo de crise interna, cuja tentativa de solução fora obtenção de empréstimos financeiros, também sem efeito.

Com o deferimento expedido, a empresa terá 60 dias para apresentar um plano de recuperação. Ainda, o juiz nomeou o advogado Ronimárcio Naves para o cargo de administrador judicial da empresa.

Quem é o grupo

A empresa A.M.V Transportes Ltda surgiu em 1997 por iniciativa do empresário Manoel Ramalho de Figueiredo, que após a abertura de um restaurante em um posto de combustíveis na cidade de Comodoro (452 km de Cuiabá), sonhava trabalhar no ramo de transportes. A aquisição do primeiro veículo ocorreu apenas em 2005, e a empresa se expandido em 2008. Incluindo mais sócios, posteriormente fundou a MAV Comércio e Transportes Ltda e a MR Transportadora Ltda. para atuar no Estado de Rondônia.

Razões para a recuperação judicial

O grupo relata que adquiriu em 2012 novos caminhões e implementos para transporte de grãos para atender o mercado do estado, realizando uma parceria com a empresa Bunge Alimentos S.A., transferindo sede para Cuiabá. Todavia, em 2014, a Bunge teria “fechado suas portas” para novas negociações. O que obrigou o grupo a prestar serviços a terceiros, sem qualquer segurança contratual.

Relata que neste ano fecharam parceria com a multinacional GLENCORE para atuarem em Tocantins, no Maranhão e no Piauí, mas que lá teriam se deparado com estradas sem quaisquer condições de trabalho, o que teria gerado prejuízo com despesas de manutenção e aquisição de preços superfaturados de peças.

Argumentam ainda que o incentivo do Governo Federal, via liberação de credito no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), gerou uma saturação de caminhões nas estradas brasileiras, despencando os custos de serviço e conseqüentemente, a lucratividade da empresa.

Não bastando, com a atual crise, considerada pela perícia prévia do caso como “sem precedentes”, 30% de sua frota estaria ociosa e mesmo que consigam serviços, a recessão abrupta da economia nacional teria forçado contratantes a solicitarem alongamentos de prazos para pagamento, em até 120 dias, forçando a busca por dinheiro mais caro no mercado financeiro.

Por fim, teria seu trabalho comprometido por diversos outros fatores como: aumento dos preços do combustível, do pedágio e da carga tributária; roubos de cargas e acidentes; e a impossibilidade de reajuste nos preços dos serviços (o que compensaria as despesas), frente a uma vasta oferta de serviços semelhantes no atual mercado.

Fonte: Olhar Direto

COMENTAR

QUER ENTRAR EM CONTATO COM O BLOG DO CAMINHONEIRO? ENVIE UMA MENSAGEM CLICANDO NO NÚMERO ABAIXO

042-3532-4235

Artigos relacionados

3 comentários

Mauro 09/09/2016 - 18:26

Compraram uma penca de caminhao, tudo financiado, marginalizaram o frete e agora conseguem “na justiça” dar calote e nao pagarem nem bancos e nem fornecedores… isso ja ta virando moda no Brasil.

Reply
Jandaí Eron 06/09/2016 - 10:17

Reflexo de um país falido de uma economia quebrada

Reply
Elias 02/09/2016 - 07:12

Como diz o Fernando Collor..quem não é competente não se estabelece..dono de restaurante se aventurar em caminhão meu amigo…é pronlema viu…

Reply

Escreva um comentário