Ociosidade das montadoras está em 50%, admite Anfavea

por Blog do Caminhoneiro

linha de montagem man latin americaDiante da queda persistente das vendas da indústria automotiva, as montadoras trabalham atualmente com cerca de 50% de ociosidade, afirmou ao DCI o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan.

“O segmento de caminhões teve uma queda muito maior e eu diria que estas empresas estão utilizando apenas um terço da sua capacidade produtiva”, acrescenta o dirigente.

Contudo, Moan acredita que no final do terceiro trimestre do ano que vem a economia comece a esboçar os primeiros sinais de retomada. “Essa é a nossa aposta.”

Segundo ele, uma montadora “veterana” no Brasil chega a gastar US$ 1 milhão por dia útil apenas para manter as operações. “O gasto médio anual de algumas montadoras ultrapassa US$ 250 milhões somente para se manter. Só investe assim quem acredita no potencial do mercado no longo prazo”, garante.

Moan observa que uma das saídas para utilizar a sobrecapacidade das montadoras é intensificar as exportações. No entanto, essa é uma tarefa que leva tempo. “Durante os últimos dez anos, tivemos um aumento significativo dos custos e perdemos muita competitividade. Agora, com a apreciação do dólar, estamos correndo atrás do prejuízo”, pondera.

Eleição na Argentina

Moan avalia que a eleição do candidato opositor na Argentina, Mauricio Macri, pode trazer resultados positivos para o Brasil e especificamente para a cadeia automotiva.

“O discurso inicial do Macri foi extremamente positivo para os laços entre os dois países. Ele demonstra preocupação em intensificar o diálogo com o Brasil”, destaca o dirigente.

Nos últimos anos, o setor automotivo brasileiro se tornou altamente dependente da Argentina, que chegou a representar quase 80% das vendas externas das montadoras localmente. “O país vizinho sempre foi um grande cliente para nós. Mas com o movimento de valorização do real sobre o dólar, essa dependência aumentou ainda mais”, revela.

De acordo com a Anfavea, 2013 foi o ano em que o Brasil mais exportou para a Argentina: 475,3 mil unidades do total de mais de 560 mil exportados.

Moan destaca que o acordo automotivo com o país vizinho vence em junho de 2016. “Precisamos que o tratado seja adequadamente renegociado e que seja estabelecido um prazo, o mais longo possível, para essas novas regras”, pontua. “O que nós precisamos é de previsibilidade.”

Ele ressalta que “equilíbrio” seria um bom caminho para a política econômica argentina.

Fonte: DCI

COMENTAR

QUER ENTRAR EM CONTATO COM O BLOG DO CAMINHONEIRO? ENVIE UMA MENSAGEM CLICANDO NO NÚMERO ABAIXO

042-3532-4235

Artigos relacionados

Escreva um comentário