Governo corta R$ 284 milhões para infraestrutura no Paraná

roubo de cargas parana

O Governo Federal reduziu o orçamento do Ministério dos Transportes para as obras nas estradas do Paraná. Com um corte de 70% nos investimentos, as rodovias federais que cruzam o Estado perderão R$ 284 milhões em 2016. A redução foi incluída na Lei Orçamentária Anual (LOA) aprovada pelo Congresso Nacional em dezembro.

Segundo o orçamento da União de 2016, apenas R$ 122,4 milhões serão destinados aos projetos rodoviários do Paraná. Na LOA de 2015, o montante estabelecido pelo governo foi de R$ 406,5 milhões. Além do corte nos investimentos, os recursos para a conservação das estradas serão reduzidos em 14,6% e vão cair de R$ 219,4 milhões para R$ 187 milhões.

O encolhimento do orçamento afeta onze obras do Programa de Aceleração ao Crescimento (PAC) nas rodovias federais em várias regiões do Paraná, entre elas os Campos Gerais. De acordo com a lei orçamentária de 2016, a conclusão da BR-153 (Transbrasiliana) será um dos projetos que terá redução de recursos. Enquanto no orçamento de 2015 R$ 5 milhões estavam previstos para a construção de trechos da Transbrasiliana, em 2016 será destinado R$ 1 milhão à rodovia da região.

A redução nos investimentos em infraestrutura e logística preocupa representantes do setor de transportes. O presidente da Associação dos Caminhoneiros dos Campos Gerais, Amauri Manosso, conta que atualmente ‘apenas as estradas pedagiadas possuem condições aceitáveis de tráfego’. “Para andar em estradas aceitáveis, hoje, o caminhoneiro tem prejuízos grandes com o alto valor do pedágio, porque as rodovias sob responsabilidade do governo estão precárias”, afirma. “Na Transbrasiliana, o único trecho de todo o país que falta é este entre Alto do Amparo e Imbituva, cerca 55 km, que há anos estamos aguardando”, completa.

LEIA MAIS  Governo discute problemas de transporte de carga com caminhoneiros

Entre as obras do PAC que sofreram cortes drásticos no orçamento estão, ainda, o acesso ao Porto de Paranaguá, na BR-277, e a segunda ponte binacional entre Brasil e Paraguai, também na 277. O orçamento para o acesso do Porto de Paranaguá foi de R$ 30 milhões para R$ 500 mil, de 2015 a 2016, enquanto a segunda ponte, que ainda segue no papel, teve uma queda de R$ 70 milhões para R$ 47,3 milhões.

Paraná é o único Estado do Sul com queda em verbas

Junto ao corte no orçamento das obras de infraestrutura, o Governo Federal reduziu em 14,6% os recursos para conservação e manutenção das rodovias federais que cruzam o Paraná. O Estado foi o único da região Sul a sofrer redução no orçamento, que foi de R$ 219,4 milhões para R$ 187 milhões na Lei Orçamentária Anual (LOA) de 216. Segundo o projeto aprovado pelo Congresso Nacional, as verbas para manutenção de estradas subiram de R$ 206 milhões para R$ 300 milhões no Rio Grande do Sul e, em Santa Catarina, de R$ 144 milhões para R$ 150 milhões. A redução às rodovias paranaenses revoltou entidades do setor produtivo. Para o presidente da Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa (Acipg), Nilton Fior, o corte deve agravar a situação do transporte e afetar a economia. “O governo não deveria reduzir investimentos nas estradas, que já são precárias. Certamente, a situação das estradas encarece os custos do transporte e, no fim, quem vai pagar estes custos é o consumidor”, avalia.

LEIA MAIS  Governo discute problemas de transporte de carga com caminhoneiros

Fonte: A Rede / Jornal da Manhã