Queda em vendas de veículos derruba setor de pneus em 2015

por Blog do Caminhoneiro

pneu continentalA Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (Anip), que representa a indústria de pneus e câmaras de ar instalada no Brasil, divulgou hoje o balanço setorial do ano de 2015.

O setor apresentou queda de 1,2% nas vendas ao longo do ano em unidades de pneus. Mesmo com a alta de 9% nas vendas para o mercado de reposição, a forte redução nas vendas de pneus para as montadoras (23,9%) e para o mercado externo (1,7%) puxou o setor para o vermelho em 2015.

Na avaliação por toneladas, que considera o peso por unidade de pneu vendido, o quadro é ainda pior. Neste parâmetro, o setor de pneus registrou queda de 7,6% no total das vendas, também em função do decréscimo das vendas para montadoras (34,7%) e para exportação (6,7%).

Segundo dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), a retração observada no setor automotivo foi de 26,6% nas unidades negociadas em 2015, o que ocasionou uma queda expressiva nas vendas de pneus para as montadoras, levando à retração de 23,9% de unidades de pneus comercializados em 2015, fortemente impactada pelo fraco desempenho das vendas de pneus de passeio (22,4%) e de carga (49,6%).

“O pneu de carga é um produto de alto valor agregado, cuja redução nas vendas impacta fortemente as receitas do setor”, avalia Alberto Mayer, presidente da Anip. O segmento de pneus de carga decresceu de 1,9 milhão de unidades vendidas em 2014 para 964 mil unidades em 2015.

Em 2015, o mercado de reposição de pneus reduziu 3,7% em relação a 2014, saindo de uma demanda de 62,9 milhões de pneus em 2014 para 60,6 milhões em 2015. Contudo, em 2015, as vendas dos fabricantes nacionais para esse mesmo mercado cresceram 9%. Segundo Mayer, a queda de 29,4% na importação de pneus no mesmo período, motivada pela variação cambial, abriu “espaço” para as vendas dos pneus nacionais no mercado de reposição.

“Contudo, a expectativa é de que o mercado de reposição caia no médio prazo, afetando ainda mais as receitas do setor. O consumidor tem optado por manter seu veículo, realizando manutenções que levam à troca de pneus. No entanto, essa substituição não é realizada todos os anos, o que impactará as vendas de reposição”, explica Mayer.

As exportações de pneus nacionais caíram 1,7% em 2015. Ainda assim, os fabricantes nacionais de pneus seguem contribuindo positivamente para a balança comercial do país, sobretudo devido à queda de 26,8% nas importações dos fabricantes nacionais durante o período, as quais representam 7,5% do total de pneus produzidos no país. Em 2015, a balança comercial dos fabricantes nacionais de pneus obteve um superávit de U$S 743,49 milhões, com saldo de 6,99 milhões de unidades de pneus (exportações menos importações).

“Há um esforço para se aumentar a exportação de pneus, porém ainda enfrentamos elevados custos operacionais e tributários no país, que acabam limitando a competitividade do produto no exterior”, destaca Mayer.

Segundo o presidente da Anip, a indústria nacional de pneus é pouco beneficiada com a desvalorização cambial, uma vez que grande parte dos insumos utilizados na produção dos pneus no Brasil é importada.

“O país não é autossuficiente em borracha natural, por exemplo, por isso é necessário importar, e ainda há uma tributação elevada sobre insumos estratégicos que não estão disponíveis no mercado nacional, comprometendo negativamente a competitividade do setor e, consequentemente, do produto nacional”, pontua.

Fonte: Divulgação

COMENTAR

QUER ENTRAR EM CONTATO COM O BLOG DO CAMINHONEIRO? ENVIE UMA MENSAGEM CLICANDO NO NÚMERO ABAIXO

042-3532-4235

Artigos relacionados

Escreva um comentário