Scania, MAN e Ducati podem ser vendidas pela Volkswagen

scania_vs_man




O Grupo Volkswagen estuda a possibilidade de vender ao menos três marcas: Scania, MAN e Ducati. A confirmação é do CEO do grupo, Matthias Mueller, de acordo com a versão norte-americana da agência Bloomberg.

Os motivos são os enxugamentos, com a racionalização de 12 marcas que podem ser eliminadas ou fundidas, e a necessidade de o Grupo Volkswagen se adequar às novas exigências do mercado mundial automobilístico, que dão cada mais importância aos veículos elétricos, sejam carros, caminhões e ônibus.

O chamado escândalo do “dieselgate”, pelo qual veículos movidos a diesel do Grupo Volkswagen tinham alterado os resultados das medições de emissões de poluentes para índices menores do que os verdadeiros, trouxe prejuízos financeiros e na imagem do Grupo Volkswagen.

LEIA MAIS  Mercedes-Benz vai contratar mais 330 colaboradores para fábricas no país

A comunidade internacional, em especial os formadores de opinião, se levantou publicamente contra atitude atribuída à Volkswagen. O grupo teve de reservar US$ 18,2 bilhões para pagar as multas e reparar os cerca de 11 milhões de veículos que passaram por softwares fraudulentos e mascaravam a real poluição que geravam.

De acordo com a Bloomberg, o momento para a venda das marcas Scania e MAN, ambas de caminhões e ônibus, “não poderia ser mais apropriado, já que a demanda de veículos comerciais na Europa está em alta. Além disso, as motos da Ducati são bastante cultuadas, o que também sugere que uma transação envolvendo a marca italiana traria um bom dinheiro aos cofres do grupo.”

LEIA MAIS  Ministro da Fazenda diz que não tem como conter impostos no combustível

Outra possibilidade é reunir os fabricantes de componentes dos veículos numa única operação, como fez a GM com a Delphi e a Ford com a Visteon.

O objetivo é trazer ganho de eficiência e economia no processo produtivo.

Em dezembro de 2015, de acordo com um relatório da Agência Reuters, a Volkswagen já tinha cogitado vender algumas das marcas para honrar débito de US$ 21 bilhões contraídos por meio de empréstimos. Entre as marcas que poderiam ser cortadas, a MAN era uma das mais prováveis, no caso de veículos comerciais, e Bentley, Lamborghini, Ducati, no caso de veículos para o transporte individual.

Fonte: Blog Ponto de Ônibus




Deixe sua opinião sobre o assunto!

error: Cópia de conteúdo desabilitada !!