JSL cresce no mercado de papel e celulose

O setor de papel e celulose mantém importante parcela na composição da receita bruta da JSL, maior empresa de operações logísticas do Brasil. Em sua última divulgação de resultados (1T17), o segmento registrou fatia de 14% na composição da receita bruta da companhia nos últimos 12 meses, à frente de 13% no resultado consolidado de 2016. A receita bruta total de serviços foi de R$ 1,1 bilhão – um crescimento de 6,2% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Após a entrada de três novas fábricas aqui no Brasil nos últimos anos, o mercado de celulose especificamente tem apresentado um cenário de forte crescimento e otimismo. Segundo dados da Ibá (Indústria Brasileira de Árvores), a produção de celulose entre janeiro e maio de 2017 foi 5,3% maior que no mesmo período de 2016. E as exportações, também analisando os cinco primeiros meses do ano, avançaram 4,7%. No geral, o setor manteve suas vendas estáveis no mercado doméstico em comparação com 2016, não sendo abalado pela crise financeira que ocorreu no país.

Diante disso, é inevitável o aumento na demanda por processos logísticos ágeis, criativos e simples que atendam de forma assertiva os objetivos de negócios e, especialmente, que ofereçam custos viáveis.

“O setor de papel e celulose apresenta uma cadeia logística extensa, complexa e muito dinâmica. Desde a floresta, passando pelo processo produtivo, até o embarque do produto final nos portos, por exemplo, muitas variáveis podem surgir no percurso que impactam de forma direta nos serviços. Por isso, diariamente revisamos nossos planejamentos e tomamos decisões rápidas e efetivas para oferecer o melhor serviço ao cliente”, afirma Valmir Oliveira Filho, gerente de operações florestais da JSL.

Após anos de estudos e investimentos, atualmente os equipamentos são mais leves, têm maior comprimento e permitem transportar maior capacidade/peso atendendo a legislação brasileira. Além disso, as tecnologias também vêm se aprimorando, como, por exemplo, os sistemas de rastreamento de cargas e a telemetria embarcada nos caminhões, que auxilia no desenvolvimento de relatórios operacionais sobre a forma de condução do motorista, para redução nos custos, especialmente, com combustível, manutenção do veículo e no aumento da segurança das operações.

“A JSL está sempre atenta às particularidades dos negócios e as consequentes demandas específicas de seus clientes. Com isso, nos mais de 60 anos de atuação, construiu um portfólio completo de soluções logísticas, com condições de oferecê-las de forma integrada e customizada para cada cliente, de qualquer setor da economia brasileira”, finaliza Valmir.

Deixe um comentário!

Na década de 1980, caminhão elétrico já era realidade no Brasil Conheça os caminhões mais vendidos do Brasil em novembro Caterpillar apresenta caminhão gigante totalmente elétrico Caminhoneiros estão cada vez mais procurados pelas transportadoras Caminhoneiro recém contratado depena caminhão nos EUA