Para aumentar a segurança, é preciso fazer um diagnóstico dos profissionais das estradas




A profissão do motorista de caminhão sempre esteve cercada de romantismo. A ela associava-se a ideia de viajar e explorar diversas estradas pelo Brasil afora. A liberdade para ir e vir sempre foi o sonho de muitas pessoas. Em algumas situações, a profissão era herdada do pai ou do avô. Com esse imaginário, alguns jovens das décadas de 1970 e 1980 abandonaram os estudos e se arriscaram na profissão de caminhoneiro.

No passado, exercer essa profissão era muito mais fácil. É o que os motoristas mais velhos relatam. Em muitos casos, as transportadoras exigiam apenas a Carteira de Habilitação do motorista e uma condução responsável.

A hereditariedade da profissão passou a ser deixada de lado. As pesquisas recentes revelam que, nos últimos três anos, a presença de profissionais com mais de 55 anos de idade triplicou. Hoje, estima-se que eles representam 10% do mercado. Um estudo realizado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), sobre o Perfil dos Caminhoneiros de 2016, por exemplo, revela que a média de idade dos motoristas é de 44,3 anos.

LEIA MAIS  Veloce divulga nota sobre vídeo na Argentina

No entanto as condições de trabalho que envolvem a atividade têm afastado os novos profissionais. O risco de assaltos e roubos, acidentes e ainda os problemas de saúde relacionados à profissão são frequentes. Apesar disso, cerca de 2 milhões de motoristas profissionais permanecem na atividade.

Diante dessa realidade, é imprescindível que o motorista de caminhão adote cuidados diários. É o que explica o presidente da Federação dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Paraná (Fetropar), João Batista da Silva.

“Diversos estudos já revelaram as péssimas condições ocupacionais dos transportes de cargas e os prejuízos trazidos à saúde por causa da pressão por entrega de cargas em um prazo muito apertado”, avalia.

LEIA MAIS  O transporte no governo Jair Bolsonaro

Tudo isso se reflete no dia a dia dos profissionais, porque há pouco tempo para a prática de atividades físicas e a alimentação geralmente é inadequada, causando sobrepeso e hipertensão.

Por isso, João Batista explica que a realização de pesquisas com a categoria é fundamental para o diagnóstico das principais necessidades dos trabalhadores, conhecer seus hábitos e principais problemas para, então, buscar soluções.

Fonte: Fetropar




Um comentário em “Para aumentar a segurança, é preciso fazer um diagnóstico dos profissionais das estradas

  • 29/09/2017 em 12:03
    Permalink

    O que a gente as vezes vê, que as más condições de trabalho para o caminhoneiro provém muitas vezes da empresa que ele trabalha. EX. alguém já viu ou ouviu dizer que um bom vendedor se destaca no mercado com produto de péssima qualidade? Tai é uma questão de gestão!

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!