Morre Irineu Vobeto, grande empresário do setor de transportes em MS




Empresário do setor de trasportes, Irineu Vobeto, 61 anos, morreu na noite de sábado, vítima de um infarto fulminante, em Campo Grande.

Vobeto nasceu no dia 1º de dezembro de 1955, em Pato Branco (PR), mas adotou o Mato Grosso do Sul como sua terra e, em 2016, recebeu o título de cidadão campo-grandense. Ele era casado e pai de duas filhas.

Graduado em economia em 1981, ele fundou a Trasportadora Vobeto no mesmo ano, com sede na Capital e foi um dos empresários que ajudou a construir e fortalecer o transporte rodoviário de cargas no Estado.

A Trasnportadora Vobeto foi uma das primeiras a implantar o “Programa na mão certa”, do Governo Federal, e a assinar um pacto nacional de combate à exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias do Brasil, iniciativa que lhe valeu vários prêmios como empresa cidadã.

Ele também era vice-presidente extraordinário para o Transporte de Granéis e Sólidos da NTC & Logística.

Presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logísticas de Mato Grosso do Sul (Setlog), Cláudio Cavol, lamentou a morte do empresário.

“É uma perda muito grande para o nosso setor. Ele fazia parte da nossa diretoria e deixa um legado para o estado do MS e também nacional. É uma perda irreparável, ele era um empresário que, apesar de ser do Pananá, escolheu Campo Grande para desenvolver sua empresa e ajudou muito no desenvolvimento do setor de transporte do Estado”, disse ao Portal Correio do Estado.

Corpo de Vobeto foi velado no Cemitério Parque das Primaveras até às 17h e segue para São Paulo, onde será cremado.

Histórico

Em 1977, Irineu Vobeto, estudante de Economia, após uma passagem por uma transportadora de móveis, comprou um caminhão Ford F-700 e foi extrair madeira no Pará. Pagou o caminhão, voltou ao MS e, com este caminhão e outro de seu irmão, criou a Vobeto Transportes Ltda para transportar combustíveis e mudanças.

Atuaram juntos até 1984. Em 1984, com o fim do “boom” de desenvolvimento (implantação do Estado de MS em 1977) e buscando diversificar as atividades, enveredou-se pelos caminhos do transporte de soja e seus derivados. Foram compradas as duas primeiras carretas.Trabalhou para Matosul Ltda até 1989.

Em 1989, já com 11 carretas, a transportadora foi convidada pela Ceval Alimentos S/A, para suprir o setor de entregas de óleo em caixas para o interior de São Paulo – vendas CIF – e, autorizada pela Matosul, foi atender esse novo cliente.

Em janeiro de 1993 a produção daquela planta foi direcionada para o Estado de Rondônia. Nesta situação, atendendo uma nova solicitação da Ceval, interessada em manter a transportadora como fornecedora, foi atender a unidade de Rondonópolis (MT), no setor de commodities. Lá ficou até junho de 1993.

Em julho de 1993, com 16 carretas, foi convidado pela Camargo Corrêa Cimentos S/A, Cimentos Cauê para voltar a Campo Grande e fazer a distribuição de seus produtos nos Estados de MS, MT, SP e região norte do PR. Tudo a partir de sua fábrica na cidade de Bodoquena, inaugurada naquele mês.

Comportamento baseado em disciplina, determinação e comprometimentos responsáveis levou seus serviços a se estenderem para outros produtos como: Minério de Ferro, Gesso, Finos de Carvão, Coque de Petróleo e Combustíveis de Substituição Sólidos CSS 10 – CSS 102 e MD 50.

Em 2008, com as mesmas carretas e com uma sólida carteira de parceiros autônomos e agregados fidelizados – mais de 300 caminhões – passou a transportar escória (uma matéria prima para fabricação de cimento) para a Fábrica de Cimentos da Lafarge Brasil S.A., em Cantagalo/RJ a partir da CST em Serra/ES.

Atualmente, estavam nos planos de expansão da transportadora a América Latina.

Fonte: Correio do Estado




Deixe sua opinião sobre o assunto!