VW lançará caminhão e ônibus elétricos em aposta de US$ 1,7 bi




A Volkswagen está somando à aposta nos carros elétricos novos planos de lançamento de veículos comerciais movidos a bateria destinados a áreas urbanas em meio ao aumento da demanda gerado pela preocupação pública maior com a qualidade do ar.

A divisão Volkswagen Truck & Bus investirá 1,4 bilhão de euros (US$ 1,7 bilhão) em novas tecnologias, como trens de transmissão elétricos, sistemas autônomos e softwares baseados em nuvem, disse Andreas Renschler, chefe da unidade, na quarta-feira, em entrevista, em Hamburgo. Para ajudar a distribuir os custos, a afiliada norte-americana Navistar International adotará o trem de transmissão elétrico.

O caminhão movido a bateria da VW, apelidado de e-Delivery, deixará as linhas de montagem do Brasil em 2020, enquanto as marcas MAN e Scania da fabricante alemã entregarão ônibus totalmente elétricos no ano que vem a cidades europeias, ampliando assim as linhas da empresa de veículos movidos a biodiesel, com sistemas híbridos e a gás natural.

“Nós acreditamos em um amplo leque de trens de transmissão e combustíveis alternativos, dependendo da disponibilidade local, da demanda social e local e das exigências do cliente”, disse Renschler, em evento para a imprensa. “Portanto, é crucial que as autoridades adotem uma abordagem neutra em relação à tecnologia” em todas as regulações.

LEIA MAIS  Volvo Trucks apresenta no IAA 2018 sua visão de futuro para soluções de transporte

Os caminhões elétricos para entregas locais provavelmente terão uma participação de mercado superior a 5 por cento até 2025, segundo Renschler. A fatia contrasta com a previsão de cerca de 25 por cento para o mercado de automóveis movidos a bateria. As fabricantes de veículos comerciais têm mostrado lentidão no desenvolvimento de modelos elétricos porque as cargas são mais pesadas do que os carros e esses veículos atendem a um leque mais amplo de necessidades industriais.

Diferenças regulatórias

Para complicar a situação, os caminhões já variam significativamente em cada parte do mundo devido às diferenças nas regulações, o que torna difícil a fabricação de veículos em quantidades suficientemente grandes para gerar economias de escala. No rescaldo do escândalo da fraude nas emissões da Volkswagen, alguns municípios estão procurando proibir os motores a diesel para reduzir a poluição atmosférica.

A concorrente alemã Daimler, maior produtora de veículos comerciais do mundo e antiga empregadora de Renschler, intensificou o desenvolvimento de motores, incluindo versões totalmente elétricas e híbridas, além de serviços digitais, para defender sua liderança. A Volkswagen também enfrenta novas rivais como a Tesla, que apresentará um caminhão movido a bateria em 16 de novembro.

LEIA MAIS  Repom passa a ser regulamentada pelo Banco Central do Brasil e já supera 21 milhões de transações por ano

A melhora da tecnologia das baterias será fundamental para tornar os caminhões elétricos mais atraentes por meio da redução do custo operacional, disse Renschler. Além dos preços maiores dos sistemas e os desafios da recarga, os conjuntos de bateria “são pesados e roubam espaço”, reduzindo a capacidade de carga, disse Renschler.

“Com os ônibus urbanos, estamos simplesmente atingindo o ponto de equilíbrio em comparação com as soluções convencionais”, disse Renschler. “A expectativa é que os caminhões elétricos para distribuição se tornem rentáveis entre 2020 e 2025” e que os veículos pesados de longo curso movidos a bateria vão “demorar” para gerar lucro para seus proprietários.

Fonte: Bloomberg




Deixe sua opinião sobre o assunto!