Coluna Mecânica Online – Os números dos pneus mais rápidos na história da Fórmula 1

por Blog do Caminhoneiro

A temporada 2017 da Fórmula 1 chegou ao final com um tetracampeão: Lewis Hamilton. O piloto inglês realmente fez história, mas não apenas ele. Os pneus utilizados na competição estão sempre passando por desafios. Com a introdução dos novos elementos radicais no regulamente técnico deste ano, passamos a ter os carros mais rápidos na história desse esporte, o mesmo podemos dizer dos pneus.

O desafio da Pirelli era construir os pneus mais rápidos já feitos, 25% mais largos que seus predecessores, para lidarem com as amplas velocidades nas curvas e cargas de energia, permitindo que os pilotos exigissem ao máximo desde o início até o final de cada período da disputa.

O desenvolvimento aconteceu ao longo de 2016, mas eles só foram usados em um carro de 2017 a partir do primeiro teste de pré-temporada em Barcelona, na Espanha. No decorrer deste ano, a pole foi em média 2,450 segundos mais rápida do que em 2016, e a volta da corrida mais veloz foi, em média, 2,968 segundos mais rápida do que no ano passado.

Apesar das forças que às vezes eram até 35-40% maiores do que 2016 nas curvas mais rápidas, os pneus de 2017 alcançaram todos os alvos estabelecidos no início da temporada, com um ótimo nível de confiabilidade e consistência.

Total de pneus fornecidos em 2017: 38.788
Destes, 33.520 foram usados em fins de semana de corrida e 5.268 em testes
Dos 38.788, 25.572 foram para uso em pista seca e 13.016 intermediários ou com chuva

Número total de pneus usados em fins de semana de corrida: 12.920, sendo 11.532 para pista seca e 1.388 para pista molhada.
Número total de pneus que foram recolhidos: todos.

Número máximo de quilômetros pilotados por cada composto (excluindo testes):
• Duro: 74 km (Esteban Ocon, Force India)
• Médio: 587 km (Lance Stroll, Williams)
• Macio: 4.696 (Lewis Hamilton, Mercedes)
• Supermacio: 6.261 km (Sergio Perez, Force India)
• Ultramacio: 4.674 km (Stoffel Vandoorne, McLaren)
• Intermediário: 433 km (Lance Stroll, Williams)
• Chuva: 242 km (Felipe Massa, Williams)

• Quilômetros rodados por todos os compostos ao longo de 2017 (incluindo testes, treinos livres, qualificação e corridas): 329.170 km (excluindo pneus protótipos)
• Por composto, funciona como:
o Duro 1.549 km
o Médio 20.259
o Macio 94.893
o Supermacio 118.729
o Ultramacio 83.465
o Intermediário 7.089
o Molhado 3.186

• Distância coberta em corridas em 2017: 102.856 km
• Distância coberta durante os testes de desenvolvimento: 14.285 km
• Número de voltas mais rápidas (em qualificação e corridas) estabelecidas pelo campeão mundial em 2017: 18 (7 em corridas e 11 na qualificação)
• Velocidade média mais baixa na qual uma corrida com pista seca foi vencida em 2017: 148.176 km (Daniel Ricciardo, Grande Prêmio do Azerbaijão)
• Menores temperaturas no asfalto registradas durante uma corrida (no domingo): 14° na China
• Menores temperaturas no asfalto registradas durante um fim de semana de corrida: 14° na China
• Maiores temperaturas no asfalto registradas durante uma corrida (no domingo): 55° na Hungria
• Maiores temperaturas no asfalto registradas durante um fim de semana de corrida: 56° em Bahrain
• Temperatura ambiente mais baixa registrada durante uma corrida (no domingo): 13° na China
• Temperatura ambiente mais baixa registrada durante um fim de semana de corrida: 13° na China
• Maior temperatura ambiente registrada durante uma corrida (no domingo): 33° na Hungria
• Maior temperatura ambiente registrada durante um fim de semana de corrida: 43° no Bahrain


Tarcisio Dias é profissional e técnico em Mecânica, além de Engenheiro Mecânico com habilitação em Mecatrônica e Radialista, desenvolve o site Mecânica Online® (www.mecanicaonline.com.br) que apresenta o único centro de treinamento online sobre mecânica na internet (www.cursosmecanicaonline.com.br), uma oportunidade para entender como as novas tecnologias são úteis para os automóveis cada vez mais eficientes.

COMENTAR

Artigos relacionados