Caminhoneira de Santa Catarina se destaca na estrada




Em um meio onde homens são a maioria e a força bruta se faz presente, a beleza e a delicadeza de uma jovem mulher chamam a atenção e atraem a admiração. Assim começou a ser a vida da caminhoneira Aline Ouriques, de Tubarão, que fez da paixão pela estrada a sua profissão.

Filha de agricultores, a tubaronense de 28 anos conta que o pai tinha caminhão. “Desde pequena eu andava com ele para todos os lugares. Então comecei a gostar ainda na infância. Eu via aqueles caminhões gigantes passarem na BR e amava”, lembra Aline. O tempo passou, Aline se formou em Administração de Empresas, mas sentia que faltava algo para sua felicidade. “Até que um dia, analisando a minha vida e o que eu queria mudar, tive a ideia de comprar um caminhão e abrir uma transportadora”, diz.

No início, segundo ela, a família não aprovou a ideia. “Devido à crise no país, minha família achou que fazer um investimento alto assim não era muito bom. Mas persisti, até que eles cederam, e hoje, além de gostarem, me apoiam demais”, comemora.

E engana-se quem pensa que a robustez de um grande caminhão amedronta Aline ou vai de encontro a tanta feminilidade e delicadeza. Do alto de seu 1,60m, ela dirige uma carreta Scania G 380, com carga de grãos, por quase todo o país. “Faço duas viagens por mês, com duração de 10 a 12 dias na estrada”, pontua.

LEIA MAIS  A distância que não encurta nunca

Para Aline, ser caminhoneira é mais que a profissão que escolheu há dois anos, é um divertimento e um aprendizado constante. “Sou muito bem recebida em todos os lugares aonde vou e também pelos meus colegas de estrada. Aprendi muita coisa com os caminhoneiros mais velhos, que me tratam como filha. Aprendi onde posso dormir, onde tem frete bom, contato de empresas de cargas. Aprendi até como passar na lama e não deixar o caminhão atolar”, conta.

Ela diz que a única parte ruim é ficar bastante tempo longe de casa. Para amenizar a saudade, leva sempre junto sua companheira fiel: a cachorrinha Belinha. “Não aguento ficar longe dela e sempre trago comigo. É minha parceirinha”, afirma. “Mas gosto bastante de viajar e quando estou em casa por mais de quatro dias já fico entediada e quero viajar novamente”, destaca.

Perigos na estrada

Sobre medos, curiosidade e dia a dia, Aline diz que quando começou sentia mais medo de assaltos, mas agora já aprendeu sobre os lugares perigosos e os horários certos. Além disso, prefere andar em comboio com os amigos. “Assim é menos perigoso”, avalia. Ela ainda destaca alguns fatos curiosos nas andanças que faz Brasil afora.

Cuidados com a beleza e o dia a dia mostrado nas redes sociais

LEIA MAIS  A distância que não encurta nunca

Aos 28 anos, com 1,60m, Aline Ouriques se destaca pela beleza física e delicadeza em um mundo tão masculinizado como o de caminhoneiros. A dureza das estradas é rebatida com feminilidade pela tubaronense, que não abre mão dos cuidados com o corpo.

“Sempre que eu chego de viagem, faço exercícios físicos em casa e também vou à academia. Além disso, vou ao salão de beleza. Enfim, quando eu chego em casa, eu levo o caminhão pra lavar e ficar bonito, e faço o mesmo comigo”, ressalta.

Mesmo com a beleza chamando a atenção, Aline garante que nunca foi assediada por nenhum caminhoneiro. “Eles são muito educados quando me veem. Pedem pra tirar foto, convidam pra tomar café. Não só eles, mas também outras pessoas que acabam me reconhecendo das redes sociais. Todos me tratam com muito respeito”, garante.

Ela também não sente preconceito vindo de ninguém que encontra e afirma que a única mensagem que recebe é de admiração. “Comecei a colocar nas redes sociais o meu dia a dia e percebi que o pessoal curte muito. As pessoas adoram, e por onde vou todo mundo faz festa. A melhor coisa são as amizades que faço… são amizades verdadeiras”, conclui.

Fonte: Diário do Sul




79 comentários em “Caminhoneira de Santa Catarina se destaca na estrada

  • 04/02/2018 em 14:43
    Permalink

    Hoje é muito fácil dirigir caminhão qualquer um faz isso mas na época antiga não era para qualquer um não tudo muito difícil porém existia companheirismo..trocar pneu enlonar consertar etc..

    Resposta
  • 03/02/2018 em 17:01
    Permalink

    Blog do caminhoneiro realmente já foi melhor e teve mais credibilidade! Amigão,essa aí eu conheço e é motorista de carro, caminhão mesmo ela até dirige,Mas não sai da primeira e da segunda marcha! Carrao carregado entao?? Ela so olha e bate foto! Anda com o marido e ele sim é motorista..ela só faz vídeos e fotos como se fosse ela,mas não eh..kkkkkk…coitada, talvez até venha ser motorista de verdade um dia, Mas agora no momento o que ela faz é se aparecer nas costas dos marido! Que tem uma cara de pobre coitado judiação..ele trabalha e ela leva a fama!kkķkkk.. .Ela é bonita,Mas mentirosa..e infelizmente mancha a reputação de quem é motora de vdd. Agora às mulheres que realmente são pilotas meus parabéns..conseguem ser mães,esposas,e enfrentam a vida na estrada de vdd.

    Resposta
  • 01/02/2018 em 11:53
    Permalink

    Acho bem bacana o q ela faz! E como mostra nosso dia a dia e dificuldades! Só acho q ela poderia sensualizar menos em suas redes sociais! Pra todos entenderem do jeito certo! E saberem ter respeito pelas caminhoneiras mulheres! #Eu_disse!

    Resposta
  • 31/01/2018 em 15:09
    Permalink

    Quem falou que mulher no volante é perigo constante? Eu mudaria pra Mulher no volante, beleza a todo instante.

    Resposta
  • 31/01/2018 em 02:15
    Permalink

    E vc acha que eu estou errado!? Quanto homens já morreram nas estradas sem nenhum reconhecimento. Daí vem uma mulher que começou dirigir caminhão ontem e tem o reconhecimento de todos, isso é justo? Sr. Hélio Crozetta

    Resposta
  • 31/01/2018 em 00:55
    Permalink

    Lembra quando mencionei sobre o apedrejamento daquela outra motorista nas redes sociais ?!
    Dava náuseas de ler os comentários assim como desta, vc vê o prazer que as pessoas tem em atacar a outra sem sequer saber quem é, o importante é destruir pra se sentir melhor.
    Passa a régua e recomeça a Terra do zero.

    Resposta
  • 31/01/2018 em 00:47
    Permalink

    O mais interessante foi nós não termos tido preconceito dos companheiros de trabalho, mesmo porque se tem ética, e reconhecimento pelo profissionalismo, acredito que as redes sociais só servem para um enorme desserviço.

    Resposta
  • 31/01/2018 em 00:41
    Permalink

    Pois e…. faço minha suas palavras …. mas com tantas pedradas d algumas e alguns q se diziam nossos amigos msm assim estamos aki …. lembra quando td comecou? E hoje alcançamos nossos objetivos msm com piada, criticas, ofensas nos nao desistimos e vamos continuar… prq nosso objetivo e crescer muito e ter paz.

    Resposta
  • 31/01/2018 em 00:34
    Permalink

    Exatamente, coitada ta trabalhando e é isso que ganha, eu não discuto não, deu pena pq poxa tem um sério problema que é ser bonita já conversamos sobre isso, é cultural do nosso país não adianta, qualquer um que se destacar em qualquer área é uma ameaça ou motivo de comparação tipo pq ela e não eu.
    Sabe recebi um texto interessante de um senhor que foi vender pão de queijo nos EUA, denunciaram ele, sabe quem brasileiros pq americanos querem receber seus tributos e se não trabalha não contribui, vou mandar pra ti, por isso que vou acabar excluindo meu face, pq o que eu fizer e um povo desses souber vai ser motivo de apedrejamento pq?
    Só pq venci na vida.
    Isso é um chute no saco, incomoda
    Eu não dou conta mais do tal do ser que se diz humano.
    Espero que não tenha nenhum vivente desses aí na minha página pq é deprimente jogar anos de trabalho no ralo por gente assim.
    Sinto muito pela menina da reportagem, sinto mesmo.
    Deus a abençoe e proteja na estrada e de gente assim na vida dela.

    Resposta
  • 31/01/2018 em 00:33
    Permalink

    Esse merece meu respeito. Governo disgraçado. Ki nao presta pra arrumar a estrada.e meu parceiro se lascou em plena safra…

    Resposta

Deixe sua opinião sobre o assunto!