Jovem brasileira largou faculdade e fatura R$ 26 mil por frete como caminhoneira nos EUA




Já pensou em pegar um carro e sair dirigindo por estradas brasileiras? E se o veículo fosse um caminhão ou uma carreta? E se tudo isso acontecesse nos Estados Unidos, e a trabalho? A mineira Patrícia Romeiro, 41, deixou a faculdade no Brasil e foi morar nos EUA, onde vive há 22 anos, 16 deles como caminhoneira.

Patrícia foi parar na estrada por influência do irmão. Hoje, é dona do próprio negócio (a transportadora P & P Trucking Inc.), faz fretes na costa leste do país e chega a faturar até US$ 8.000 (R$ 25,7 mil) por viagem. Ainda assim, diz que tem medo de passar em pontes, por causa da grandiosidade das obras. “Mas passo em várias todos os dias, com medo mesmo.”

“Já ouviu falar na Chesapeake Bay Bridge-Tunnel? Passa debaixo do mar. Lá dá medo passar à noite”, relata. A ponte fica no Estado de Virgínia e tem 37 quilômetros de extensão, incluindo dois túneis sob o mar, de 1.600 metros cada.

Ela diz já ter conhecido 41 Estados norte-americanos. Seu hobby na estrada é fotografar os lugares por onde passa. Atualmente, trabalha entre Massachusetts e os Estados da Flórida e do Texas. Percorre 715 milhas (1.150 quilômetros) por dia, em média. Ela faz o transporte de carga fria: leva peixe congelado, e volta com frutas e verduras.

“Ter empresa é trabalhar para si próprio. Não tem coisa melhor para dirigir aqui. Não vejo problema por ser mulher na estrada. Tem que amar o que faz”.

Fez faxina e lavou pratos

Em 1996, aos 19 anos, Patrícia largou a faculdade de ciências contábeis, saiu de sua terra natal, Engenheiro Caldas (MG), e foi para a cidade de New London (Estado de Connecticut), nos EUA.

“Assim que cheguei fui fazer limpeza no supermercado Stop & Shop à noite com meu irmão Eduardo, que era gerente de limpeza. Depois de um ano, fomos trabalhar no restaurante Charley’s Eating & Drinking Saloon. Ele cozinhava e eu lavava pratos.”

Eduardo, 48, saiu da empresa para trabalhar como caminhoneiro. Patrícia continuou a lavar pratos e aprendeu a cozinhar. No final de 2000, mudou-se para a cidade de Framingham (Estado de Massachusetts) e foi subchefe de cozinha por um ano.

Patrícia tirou sua carteira de motorista em 2002, com habilitação para dirigir caminhões e carretas, entre outros veículos. Foi contratada por uma empresa local como motorista. “Dirigia uma carreta-caçamba, puxando areia”, diz ela. Ficou até 2006.

Por influência do irmão, Eduardo, foi para a estrada trabalhar com fretes para a Califórnia –de Massachusetts até a Califórnia são 3.300 milhas (5.310 quilômetros).

“Ele me colocou no seu caminhão e disse assim: ‘Vamos ver se você dá conta’. E é claro que eu dei. Fui aos trancos e barrancos, mas fui”, diz Patrícia Romeiro.

Um ano depois, comprou seu primeiro caminhão: um Freightliner 2007. Hoje, tem um Freightliner Classic 2004, equipado com duas camas, geladeira e micro-ondas.

Patrícia entrou nos EUA com visto de turista, ficou ilegal por um tempo, até se casar com um norte-americano e obter o Green Card (visto de residência permanente nos EUA). Ficou casada por nove anos. Hoje, é cidadã americana e tem um filho de 17 anos.

Jornada estressante

De acordo com os dados mais recentes da American Trucking Association (ATA), há 7,4 milhões empregos relacionados ao transporte rodoviário nos EUA, excluindo os trabalhadores por conta própria. Cerca de 3,5 milhões de pessoas são motoristas de caminhão, mas não há informação sobre o número de mulheres dirigindo.

Para começar o próprio negócio, Patrícia investiu US$ 40 mil (cerca de R$ 128 mil), entre compra da carreta, seguro, registros, documentação e taxas.

O preço de um frete nos EUA, segundo Patrícia, varia muito e depende do trajeto, da época do ano e da carga a ser transportada, por exemplo. Por uma viagem de ida e volta de Massachusetts até o Texas, por exemplo, ela fatura US$ 8.000 (R$ 25,7 mil), em média, sem descontar as despesas e o combustível. Ela não revela quantos fretes faz por mês, nem o faturamento e o lucro médio.

Ela diz, no entanto, a jornada de um caminhoneiro nos EUA é bem estressante, por causa da “regra das 14 horas”: um caminhoneiro pode dirigir por até 11 horas e ficar três horas parado (para abastecer ou pequenas paradas), totalizando 14 horas. Depois, precisa fazer uma pausa obrigatória de dez horas.

“Se você fica preso no trânsito dos grandes centros urbanos ou descarregando por muito tempo numa empresa, por exemplo, suas horas estão indo embora. Se atingir o limite permitido, você tem que ficar parado onde está. Ficamos o tempo todo vigiando o relógio”, relata. Desde dezembro de 2017, o controle das horas trabalhadas tem sido maior.

Patrícia diz que não tem medo de ser substituída pelos caminhões autônomos, que não têm motorista. “O que adianta um caminhão ir sozinho, se precisa do motorista para abastecer, para passar em balanças? Enfim, acho impossível.”

Fonte: UOL




153 comentários em “Jovem brasileira largou faculdade e fatura R$ 26 mil por frete como caminhoneira nos EUA

  • 24/01/2019 em 22:31
    Permalink

    Boa noite eu tenho vontade de trabalhar nos Estados unidos de carreteiro sei que pode ser complicado no início mas tenho vontade ,bom se alguém poder me ensinar como fazer para conseguir trabalhar lá me dá um toque sem zueira é sério blz meu e-mail fdeodato26@gmail.com valeu obrigado

    • 04/06/2018 em 11:01
      Permalink

      Não se iludam pessoal .arealidade é bem outra!!!!!!

  • 29/01/2018 em 14:18
    Permalink

    Requisitos para trabalhar como caminhoneiro nos USA:
    1° – Falar inglês fluente.
    2° – Estar em status legal no país, ou seja:
    • possuir uma permissão de trabalho (work permit)
    • possuir residência permanente (green card)
    • ou cidania americana (citizenship)
    Para poder obter o CDL, que é a carteira comercial daqui para poder estar apto a trabalhar com caminhão. Se não for assim… pode esquecer amigos.
    Eu particularmente, não gosto destas publicações, elas alimentam esperança na cabeça de motoristas brasileiros, que sofrem tanto no Brasil nesta profissão e só querem uma oportunidade de melhorar a vida. Essa é a condição amigos… infelizmente!

    • 29/01/2018 em 10:08
      Permalink

      concordo que ela possa ganhar mais do que no brasil (comparando em salários mínimos ) mas esses 26 mil é sem contar as despesas … ta no texto :

      “ela fatura US$ 8.000 (R$ 25,7 mil), em média, sem descontar as despesas e o combustível. ”

      faz tempo , assistia um programa gringo de disputa de fretes (quem ganhava mais em 1 mês) … o bicho pega ! ganha bem mas tem muita despesa , seguro da carga , refeição, manutenção do caminhão, chapa … é tudo muito caro

      • 28/04/2018 em 22:32
        Permalink

        Autonomo eu tô por fora do valor, mas caminhoneiro EUA ganha de $1.200 a $2.000 dólares por semana.
        Uma média de quatro a sete mil reais por semana.

  • 28/01/2018 em 22:14
    Permalink

    nossa cara , ponte de 37 quilômetros !!! no brasil mal e porcamente fazem uma pinguela de 100mts que dá orgulho de falar que passamos por ela :(

  • 20/01/2018 em 20:41
    Permalink

    Não se iluda não ê fácil depende de uma empresa contratar vc , pra isso acontecer ela tem que procurar no mercado local , se vão achar buscar mercado externo

  • 20/01/2018 em 20:36
    Permalink

    Enviei curriculum para varias empresas no Usd, brasileiro não consegue trabalho lá por que não tem o cartão cartão social e CDL cnh Usd custa $7500 dólares demora uns 45 dias para tirar, tem que falar inglês e Ler muito bem se não não passa no curso

    • 20/01/2018 em 20:39
      Permalink

      Eu recebi e-mail da empresa para ir fazer entrevista, como sem a habilitação CDL e cartão social

    • 21/01/2018 em 17:21
      Permalink

      Quando enviei o curriculum a empresa respondeu pediu pra mim ir fazer uma interviera teria que apresentar o cartão social e Cnh CDL que custa $7500 dólares

  • 20/01/2018 em 17:15
    Permalink

    Boa tarde parceiro se vc conseguir chamado é fácil o visto permanente pq difícil é o chamado!

  • 20/01/2018 em 14:13
    Permalink

    Dirigi carreta, caminhão basculante, ônibus escolar, no Japão, onde morei mais de vinte anos e criei meus filhos, todos os três naturalizados japoneses, duas senhoras e o caçula, com 31.
    Estou agora no Brasil, divorciado, se aparecesse um trabalho nos Estados Unidos gostaria de experimentar.
    – Para encontrar meus vídeos dos tempos de carreta, 2017, no YouTube basta colocar em busca Trabalhando Com Carreta no Japão, e Kumamoto, para encontrar os que postei o ano passado quando trabalhei com basculante na província de Kumamoto.

    • 20/01/2018 em 15:43
      Permalink

      Já vi seus vídeos, são muito bons Sr. Jessé. Sempre interessantes. Mas me dá uma agonia ver o senhor dirigindo em mão inglesa… hehe. Sucesso.

  • 20/01/2018 em 14:41
    Permalink

    Em um país q os valores são agregados as profissões que ajudam um país crescer e tudo diferente !!!

  • 20/01/2018 em 12:37
    Permalink

    Jefferson, aqui em SJC dos campos eles estão recrutando para O Canadá
    Salário pra lá de bom,
    Só não embarco nessa pq eu tenho uns caminhões aqui é não posso deixar na mão de funcionário

  • 20/01/2018 em 10:18
    Permalink

    Nelson Rubens ok ok ok eu invento mas não aumento nhe Dirceu da Silva kkkkkkkk

  • 20/01/2018 em 01:59
    Permalink

    gente! vamos ficar quietos aqui. o MP viu que estamos nas maos de marvinais e agora tomou as redeas da siguacao. as coisas vao melhorar.

  • 20/01/2018 em 01:57
    Permalink

    alguem tem 40 mil pra gastar indo ate o mexico, contratar coiotes, nadar bem na travessia , passar pelas cercas de arame farpado e correr bastantte pra nao levar um tiro dos policiais? blz

  • 20/01/2018 em 00:26
    Permalink

    Sei la em ja andei por la nao vi tantas coisas boas assim por la no transporte mas sabe si la

  • 19/01/2018 em 20:41
    Permalink

    Conversa com o mivarde do prestensão Brasil que ele vai falar a verdade ou com o Ed Nobre são caminhoneiros lá

  • 19/01/2018 em 19:41
    Permalink

    Arruma uma vaga pra mim ai por q aqui eu fiquei 4 meses no Pará. E ainda to devendo…..

  • 19/01/2018 em 19:17
    Permalink

    Aí fica fácil!!!! Vem para o Brasil é fique refém com a valorização e respeito por todos os sentidos!!!

  • 19/01/2018 em 18:01
    Permalink

    Cuidado que o Thrump um dia te manda de volta. Afinal ele odeia os ” porcos latinos “

  • 19/01/2018 em 17:50
    Permalink

    Transporte de coca ???? 20 %dos americanos abaixo da linha da pobreza?? Eos brasileiro pagando de americano comprando NIKE em 10 vezes. Povo troxa esse brasil é lindo eu sou caminhoneiro e jamais iria morar em um pais para ser tratado como lixo , ja que para vc entrar vc tem que entrar como bandido . Tenho amigos meus que foram e voltaram ne mérda .hoje ele tem um 113 e esta feliz da vida

  • 19/01/2018 em 17:42
    Permalink

    Enquanto,eu,com caminhão, murissoca,filho nas fraudas de pano,nunca tive valor,nessa merda de país!!! TRISTE MESMO!HOJE TENTANDO CONCURSOS, E QUALQUER SERVIÇO, NÃO PRESTO MAIS PRO MEU PAÍS!

  • 19/01/2018 em 16:34
    Permalink

    Não é bem simples assim ,como a matéria diz,lá a maioria dos caminhoneiros ganha por milhas rodado,pelo menos no estado que eu tava era assim,sem dúvida é muito melhor que aki no Brasil ,não tem assalto, policiais corruptos,tem estradas de primeiro mundo, não só tem pedágio igual aki neste Brasil.obs.quanto mais bruto o serviço melhor o salário,falo isso com conhecimento de causa.

    • 19/01/2018 em 18:22
      Permalink

      Olha eu fui clandestino ,não é fácil não ,mais depois que tá lá dentro e de boa.so não fazer cagada,tipo beber e dirigir ,ou bagunça em baladas, evitar o máximo entrar em confusão ,tipo que envolvem polícia,viver para trabalhar e guardar os dólar ,eu fiquei 5 anos nunca tive pobrema , também só trabalhei fiz o meu pé de meia e voltei para o Brasil

  • 19/01/2018 em 16:11
    Permalink

    Nem min dando tudo de graça nao quero ir pra la i eu tenho duas irma k ja e atualizada la eu nao vou

  • 19/01/2018 em 15:27
    Permalink

    Andre Alvares vamos embora pra os EUA ganhar dinheiro kkkkkkkk

  • 19/01/2018 em 14:17
    Permalink

    Isso é la nos EUA por que se fosse no brasil estaria passando fome

  • 19/01/2018 em 14:05
    Permalink

    O difícil e conseguir ir “legal” pra lá e ter a carteira !! Tenho tio que mora lá, tem dupla cidadania, tem caminhão e me disse que me dá trabalho lá, alguém sabe informar qual procedimento que se toma ? Oque deve fazer e se consegue “visto” pra ir pra trabalhar

    • 19/01/2018 em 14:38
      Permalink

      O processo pra trabalhar lá não é fácil. Primeiramente seu Tio precisa ter uma empresa de transporte rodoviário lá, aí a empresa dele vai lhe enviar uma carta convite pra trabalhar lá. Você precisa do passaporte, conseguir o visto de trabalho e tirar a habilitação americana pra trabalhar com caminhão. Mais é melhor você ir até a Polícia Federal de sua cidade e se informar melhor sobre o assunto.

    • 19/01/2018 em 15:05
      Permalink

      Vlw amigo! Obrigado, meu tio me disse mesmo sobre essa carta , empresa lá ele tem , presta serviço pra Prefeitura com caminhões caçamba pra fazer asfalto e no inverno tira a neve das ruas.. vou tentar me informar bem certo como funciona .. numa dessa dá certo! …

    • 19/01/2018 em 21:09
      Permalink

      Sim oque ele sabia me passou , mas não sabe como funciona sobre a carteira , como mandar essa carta de emprego! E quem tem que ver isso é eu não ele.. afinal ele já tá lá! ..

    • 20/01/2018 em 01:37
      Permalink

      O jeito mais fácil de vc ir é tirar os visto eb1 é eb2, q significa turismo e negócio, aí sua habilitação brasileira é valida por 3 meses depois disso é preciso vc tirar habilitação América mais pra isso não tem burocracia QQ 1 pode tirar desde q seu visto seja maior doque 3 meses, e esse visto é válido por 1 um ano ai vc terá de voltar ao Brasil , e tirar novamente o visto por mais 1 ano e c assim vc fizer por 4 anos vc consegue o Green card, o difícil é vc ser aprovado no visto, mais c por acaso não consiga na primeira vai tentando tirar novamente pq eles trabalham com cotas pra negar visto por isso o problema não será vc é sim a cota.

  • 19/01/2018 em 13:52
    Permalink

    Tudo bem que o que ela ganha é mais do que aqui no Brasil, mas mesmo assim deveria colocar o valor líquido, e não somente o bruto ai teríamos uma noção real do ganho dela.

  • 19/01/2018 em 13:40
    Permalink

    o Brasil o que falta é união da classe… aceitam tudo de braços cruzados aceitam o combustível nesse valores o frete ruim é uma desunião terrível tem que acaba mesmo

    • 19/01/2018 em 16:39
      Permalink

      A própria classe se desuniu, o dar luta pra aumentar o frete na boca da agência aí vem um boca de porco só porque quer ir embora aí pega por menos e assim vai ser sempre

    • 19/01/2018 em 21:58
      Permalink

      Uniao m fala ai em qual classe tem unia só as classe politica q a maioria sao corrupto ai eles tem uniao.os brasileiros em fim nao pensa no próximo so em si .por isso q o Brasil sempre vai ficar assim

  • 19/01/2018 em 13:20
    Permalink

    C fosse bruto podia até ser. Sugiro q de um jeito de comprovar esses valores

  • 19/01/2018 em 13:19
    Permalink

    Legal por ver ela vencer .
    Revoltante por ver a degradação do transporte brasileiro e mais nada o que falar .

  • 19/01/2018 em 13:08
    Permalink

    Como gostam de encher os olhos do povo com essas notícias…
    Se ela trabalha nos EUA e ganha em dolar, pq colocam valor de frete em reais?
    Os valores são compatíveis, a diferença é q a qualidade de vida lá é bem melhor…
    E aqui no Brasil o caminhoneiro é tratado igual lixo e roubado pelo governo…
    La da gosto de trabalhar…
    Aqui caminhoneiro é estuprado por máfia de combustíveis e governo.
    Lá fora essa moça ve realmente o lucro do frete e consegui viver dignamente…
    Aqui tu pode receber o mesmo valor dela…
    Mas oq se paga de imposto e o preço q ta as coisas, não sobra nada.

    • 19/01/2018 em 18:19
      Permalink

      Aqui ninguém é tratado com dignidade essa é a triste realidade, trabalhador no Brasil não tem valor nenhum

    • 19/01/2018 em 21:52
      Permalink

      E vero amigo muiiitissimo vero. Se nao tivesse no Brasil esses carniceiro corrupto. o Brasil era para ser um paraiso.mas infelizmente esses bando de urubus só pensa em levar vantagem em cima do trabalhador

  • 19/01/2018 em 12:55
    Permalink

    aqui no Brasil, seria, $ 260,00, ,e não daria tempo nem pra tirar uma selfie.

    • 19/01/2018 em 12:53
      Permalink

      Acho q não amigo,lá se ganha por hora trabalhada, qualquer faxineira lá pode comprar um Mustang 2010

    • 19/01/2018 em 12:58
      Permalink

      Tenho um conhecido que foi pra lá ele comprou um Civic e um sonata o preço de lá em valores de lá mesmo assim e muito baixo pagou no Civic lá ano 2006 US$6.000 enquanto aki tá 26.000 e o imposto tbm e barato

    • 19/01/2018 em 13:00
      Permalink

      Mais esse mesmo site aki já posto que o país lá ta em defasagem de 50.000 á 75.000 mil motorista isso é vdd mesmo mão não é só lá e sim em um geral Europa e Ásia tbm

    • 19/01/2018 em 13:16
      Permalink

      Amigão…
      Ali diz 26mil reais
      La ela ganha em dolar
      Converte isso…
      Vai te dar um frete de uns 8 mil dolares…
      Frete de 8 mil não é impossível…
      A diferença é q nos EUA se vê o lucro aqui se tu pega um frete de 8 mil reais…
      No final tu fica devendo.

  • 19/01/2018 em 12:51
    Permalink

    Parece igual no Brasil por isto que me orgulho de poder trabalhar e viver neste país de merda

  • 19/01/2018 em 12:49
    Permalink

    Tem de caminhoneiros nos Estados Unidos mesmo, porque ao no Brasil não pagava nen a conta do celular.

Fechado para comentários.