Com trégua da chuva, caminhões na BR-163 no Pará voltam a trafegar

O Dnit prevê que, mantendo-se as condições de tempo seco, todos os caminhões serão liberados nesta quarta-feira (07). (Foto trecho recuperado pelo exercito -Arquivo)

Um congestionamento de 70 quilômetros se formou e mais de 3 mil caminhoneiros ficaram parados por mais de uma semana sem alimento e água.

Após oito dias de congestionamento, os caminhões que estão na BR-163, entre as cidades de Novo Progresso e Moraes Almeida, no Pará, desocupam a rodovia.

A fila entre Novo Progresso e Moraes Almeida ultrapassou os 70 km na rodovia.

Com a estiagem desta semana o trafego foi liberando aos poucos, o exercito e PRF (Policia Rodoviária Federal) montaram bloqueio nas comunidades de Moraes Almeida para os caminhões que voltam dos portos [Miritituba/Santarém] outro na comunidade de Santa Julia no município de Novo Progresso para os caminhões que seguem para os portos.

LEIA MAIS  Faltam apenas 10 quilômetros para finalizar a pavimentação da BR-163/PA

As liberações foi por etapas na media de 100 caminhões por comboio, a expectativa que nesta quarta-feira (07) o transito seja totalmente liberado.

Dai para frente o sistema PARE e SIGA será implantado naquele local até o termino da recuperação do trecho de atoleiro, informou.

A rodovia BR 163 é principal via pra transporte da safra do estado do Mato Grosso até os portos de Miritituba e Santarém no estado do Pará.

Entre o Município de Novo Progresso e Trairão existe um trecho de aproximadamente 100 km sem pavimentação , no entanto não tem restrição para trafego, nos sentido Norte e sul. O Exército realizou ações emergenciais na rodovia para melhorar a trafegabilidade. O atoleiro surgiu na serra próximo ao distrito de Moraes Almeida e com o tempo seco nesta semana o exercito conseguiu executar serviços de manutenção que deve solucionar o problema de imediato.

LEIA MAIS  Faltam apenas 10 quilômetros para finalizar a pavimentação da BR-163/PA

Prejuízos

Logística no Brasil preocupa agricultor e exportador de soja no início da colheita

Sergio Mendes, diretor-geral da Associação Nacional de Exportadores de Cereais (Anec), disse que problemas na BR-163 impactam a imagem do Brasil como um exportador de soja confiável.

Os dados da Anec mostram que um volume de 6,3 milhões de toneladas, ou 9 por cento da soja exportada no Brasil, foi enviado pelos portos de Santarém e Barcarena, na região norte, em 2017.

A BR-163 é a principal ligação entre as áreas de soja do Mato Grosso e os portos fluviais do norte.

 

Fonte: Jornal Folha do Progresso




Um comentário em “Com trégua da chuva, caminhões na BR-163 no Pará voltam a trafegar

  • 08/02/2018 em 10:38
    Permalink

    Onde foi parar esse “asfalto”? Será que foi para onde vai toda verba desviada? Existiu nos 2000 uma estrada que unia Caçapava do Sul á Mineração de Camaquã -R G Sul um asfaltamento que nunca se concretizou. Os Gaúchos Pronunciaval: Estra essa que foi as Saltadas com verbas desviadas, por isso ela esta Empoeirada. (sic)

Fechado para comentários.