“Não existe liberação de carga, o que ocorreu foi furto qualificado, afirma policial rodoviário

Furto sendo justificado como carga liberada, fome, necessidade e até mesmo esquema com seguradora. O fato é que o que aconteceu em Wenceslau Braz no último domingo virou notícia nacional.

Vinte e sete toneladas de carne que, provavelmente demoraram um dia inteiro para serem carregadas no caminhão, foram saqueadas em menos de 20 minutos por centenas de pessoas. O crime ocorreu por volta das 13 h, do último domingo (18), após o tombamento de uma carreta Mercedes Benz carregada de carnes. O motorista, Alberto Luiz Minosso, vítima de escoriações leves, ainda estava sendo hospitalizado, quando a população avançou sobre a carga e, desacatando a ordem policial, depredou totalmente o caminhão para ter acesso às centenas de caixas de carne.

Enquanto orientavam o motorista do guincho, para evitar que houvesse risco às pessoas que transitavam no local, os policiais não conseguiram evitar o saque. Com apenas dois militares rodoviários no local, ficou impossível conter as mais de mil pessoas que se aglomeraram para saquear o caminhão, atravessado na pista que permanecia bloqueada nos dois sentidos.

Inúmeras imagens registraram a ação, onde famílias inteiras corriam com caixas nas costas e dentro de veículos.

Não existe liberação

A empresa rondoniense, proprietária da marca Frigon, não quis se manifestar sobre o ocorrido. No entanto, segundo informações da empresa Piraju dde Várzea Grande (MT), transportadora da carga que seria levada à Itajaí (SC) para ser exportada, em caso de sinistro, a seguradora passa a ser proprietária da carga, mas em nenhum caso ocorre liberação, mesmo sob condições de avarias. O correto é que seja aguardado o veículo da seguradora para fazer a limpeza ou recolhimento da carga, que, no caso de W. Braz, foi realizado pela própria população.

LEIA MAIS  Como agir em um roubo de cargas (e como evitar)

Segundo o sargento da Polícia Rodoviária Estadual de Siqueira Campos, José Eduardo Teixeira, nenhuma carga é “liberada” para a população, não sendo competência da PMR esse tipo de permissão. “Quando uma carga de perecíveis sofre um sinistro, os alimentos não podem ser liberados devido à situação dos produtos que podem acarretar em danos para a saúde das pessoas, por isso, a empresa responsável é acionada para realizar a limpeza imediata do local. Mas no caso do último domingo, o baú nem havia rompido, ou seja, não houve nem descarte de produtos, e, mesmo assim, a estrutura foi arrombada pela multidão”, afirmou o sargento.

O oficial ainda salientou que nunca presenciou uma situação parecida, pois em outras ocasiões, no mínimo, a carga havia rompido e os produtos esparramados, mas da maneira como foi feito, foi o primeiro registro na carreira do sargento. “Não existe liberação de carga, muito menos de carga lacrada, o que ocorreu foi furto”, finalizou o policial.

A seguradora Pancari, apontada como responsável pela carga, foi contatada, mas não comentou o caso.

Uma pesquisa feita pela reportagem apontou que o prejuízo, somente da carga, pode ultrapassar os R$ 500 mil, sendo contabilizado também, o valor do baú frigorífico que foi destruído, que pode chegar aos R$ 60 mil.

LEIA MAIS  Como agir em um roubo de cargas (e como evitar)

Furto qualificado

Manchete em dezenas de portais, nesta segunda-feira, um dia depois, os reflexos da ação começaram a surgir. O promotor titular da comarca se manifestou em rede social repudiando o fato. Representando o Ministério Público, Joel Carlos Beffa, solicitou a abertura de um inquérito policial para apurar a identidade dos autores, e pediu a colaboração da população que tenha em mãos fotos, vídeos, mensagens ou quaisquer registros de pessoas que tenham participado do furto qualificado ao caminhão.

Segundo o promotor, não só quem furtou, mas quem está comprando será autuado como receptador de mercadoria roubada, sendo que todo registro deve ser entregue ao Ministério Público para a abertura dos processos.

O delegado Miguel Chibani, embora esteja de férias, foi consultado pela reportagem e advertiu que todos os autores, no que possível, serão qualificados e devidamente punidos.

A Polícia Militar, por sua vez, também já iniciou as buscas pelos suspeitos e pelos produtos. Ainda na manhã de segunda-feira, centenas de quilos de carne já haviam sido recuperados.

Os envolvidos podem ser presos e os produtos serão levados à 36 ª Delegacia de Polícia, para serem devolvidos ao proprietário legal, neste caso, a seguradora. Lembrando que a pena para furto qualificado é de 2 a 8 anos e receptação qualificada de 3 a 8 anos. Até o final desta segunda-feira, 11 pessoas já haviam sido detidas com o produto.

Fonte: Folha Extra




2 comentários em ““Não existe liberação de carga, o que ocorreu foi furto qualificado, afirma policial rodoviário

  • 20/02/2018 em 20:16
    Permalink

    mortos de fome e´assim mesmo quem nao tem o que comer em casa entao sai roubando,apesar que 30 por cento ali entra na roubareira por impulso.

  • 20/02/2018 em 10:57
    Permalink

    retrato de um pais falido, de um povo sem educaçao, do reflexo dos politicos que tudo podem e nada ocorre com os mesmos, em outras palavras, as leis desse pais foram feitas para nao serem cumpridas, cenas desse tipo nao se veem num pais serio, onde as pessoas cumprem as leis pq sabem que la a coisa é seria, o ser humano quer levar vantagem em tudo, nao é so na nossa terra maravilhosa, em qqr lugar, a diferença é que em outros lugarem a lei é cumprida, seja para punir os representantes politicos com a populçao no geral!!!!! Brasil, um pais de todos… ops … na verdade é Brasil um pais de tolos !!!

Fechado para comentários.