Paraguai abre corredor para soja brasileira após greve de caminhoneiros




O Paraguai vai inaugurar um corredor terrestre inovador para escoar a soja brasileira, uma iniciativa governamental que procura posicionar o país como um centro logístico da América do Sul e que correu riscos devido à rejeição dos caminhoneiros locais de que o grão fosse transportado em carretas bitrem do Brasil.

A guerra dos bitrens (caminhões com dois semirreboques) terminou nesta quarta-feira depois que os caminhoneiros paraguaios suspenderam a greve. O governo paraguaio prometeu aos grevistas que o grão será transportado por veículos convencionais e que vai permitir um aumento no preço do frete.

Com isso, o caminho está pronto para que seja habilitado em 20 de fevereiro o novo porto da cidade de Concepción, no norte paraguaio, de onde a soja brasileira sairá em embarcações pelo rio Paraguai, uma via fluvial que, em parte, resolve a problemática de um país sem litoral.

A nova conexão fluvial marcará a ocaso em longo prazo do Corredor Graneleiro do Norte, que parte da cidade de Pedro Juan Caballero, na fronteira com o Brasil, a cerca de 215 quilômetros. Pela nova via circularão 1 milhão de toneladas de soja procedentes do Mato Grosso do Sul.

Trata-se de um projeto experimental de um ano de duração e que tem como meta superar a cifra de 1 milhão de toneladas transportadas do Mato Grosso do Sul, que produz no total 10 milhões de toneladas de soja.

A maior parte dessa soja sai pelo Oceano Atlântico pelo porto de Paranaguá (Paraná) e o corredor paraguaio oferece uma oportunidade de economia nos custos de transporte devido à maior proximidade de Concepción.

LEIA MAIS  Scania comemora 1.500 programas de manutenção flexível ativados

Na medida em que maiores volumes do grão forem canalizados para esse novo corredor, isto terá grande efeito em toda a economia do norte paraguaio, e também na indústria e no transporte fluvial deste país, que dispõe da terceira maior frota deste tipo no mundo.

Os caminhoneiros locais também serão beneficiados, pois estão autorizados a transportar 50% dessa carga.

Foi precisamente a modalidade terrestre de transporte que provocou a greve dos caminhoneiros. Os transportadores paralisaram as atividades de aproximadamente 30 mil veículos depois que tioveram conhecimento da resolução do Ministério de Obras Públicas e Comunicações do Paraguai em 17 de janeiro.

A resolução permitia que as carretas bitrem do Brasil transportassem essa soja, alegando que se tratava de uma carga nova e que, portanto, isto não prejudicaria os caminhoneiros paraguaios.

Não obstante, os transportadores locais entraram em greve para exigir a derrogação dessa normativa, que – segundo o sindicato da categoria – foi aprovada de forma unilateral pelo governo e que, de acordo com o setor, deixava os caminhoneiros paraguaios em desigualdade de condições, pois eles não dispõem deste tipo de veículo.

O protesto aumentou com medidas de desobediência civil, como um desfile de caminhões que paralisou o trânsito no centro de Assunção e causou alarme nos produtores locais, que alertaram que toneladas de soja estavam encalhadas nos silos em pleno momento de colheita devido à greve.

LEIA MAIS  Abcam entrega nova proposta de tabela de frete para ANTT

Finalmente, na última sexta-feira, em uma reunião com produtores do Mato Grosso do Sul, o ministro de Obras Públicas paraguaio, Ramón Jiménez Gaona, anunciou a suspensão por um ano da entrada dos bitrens brasileiros, que serão substituídos por caminhões convencionais.

Com o ajuste, a carga será dividida: 50% do transporte será feito por caminhões brasileiros e os outros 50% por paraguaios.

O ponto final de destino será um porto que até agora não funcionava em pleno rendimento e que será operado pelo Consórcio Baden, após um processo de contratação feito pela Administração Nacional de Navegação e Portos (ANNP) do Paraguai.

No entanto, essa contratação levantou uma nova polêmica depois que veio à tona que o pai do ministr é acionista de uma das empresas que compõem esse consórcio.

O ministro respondeu que a participação de seu pai é minoritária e que, de todas formas, isso não teve influência na contratação, que foi responsabilidade da ANNP, sem a intervenção do ministério.

Agora, o Paraguai precisa modernizar sua frota de caminhões e incorporar as carretas bitrem para consolidar um corredor no qual o governo está trabalhando há quatro anos, como um projeto de Estado.

Fonte: Agência EFE




Deixe sua opinião sobre o assunto!