Porto de Concepción passa por testes para receber soja de MS




Começaram nesta semana os testes para inauguração do novo Porto de Concepción, cidade paraguaia localizada a 220 km de Ponta Porã. Com inauguração marcada para o dia 20 deste mês, o novo porto vai receber a soja produzida em Mato Grosso do Sul, que passará a ser ecoada também pela hidrovia Paraguai-Paraná e viabiliza a nova rota de exportação da soja do Centro-Oeste brasileiro para a Argentina.

De acordo com o Ministério de Obras Públicas e Comunicações do Paraguai, o porto foi reformado para receber a soja sul-mato-grossense, que será levada até o local em caminhões e carretas.

Entretanto, o tráfego de bitrens pela Ruta 5, que liga de Pedro Juan Caballero a Concepción, liberado no mês passado pelo governo paraguaio, foi suspenso após a greve nacional de caminhoneiros do país vizinho.

LEIA MAIS  Porto de Paranaguá aumenta em 45% embarques de grãos

O governo paraguaio espera grande movimento comercial no novo corredor de grãos pela Ruta 5 a partir de Pedro Juan Caballero após o porto começar a operar. Por enquanto, segundo o ministério, a soja brasileira vai ingressar por Pedro Juan Caballero e será transportada em partes iguais por caminhoneiros paraguaios e brasileiros e caminhões convencionais, já que a entrada de bitrens voltou a ser proibida.

As obras para reforma e ampliação do porto começaram em junho de 2017 com investimento inicial de 4 milhões de dólares, mas que chegará a 11 milhões de dólares nos próximos anos.

A reforma duplicou a capacidade de armazenamento de grãos através da ampliação dos silos e melhorou a infraestrutura do porto. Para transportar um milhão de toneladas de soja brasileira, serão necessários 33 mil caminhões.

LEIA MAIS  Caminhoneiros argentinos suspendem protesto que afetava exportação de grãos

Denúncias

Antes mesmo de o porto ser reinaugurado, o governo paraguaio já enfrenta denúncias. Foram apontadas supostas irregularidades no processo de adjudicação pela ANNP (Administração Nacional de Navegação e Portos) e a Baden SA.

De acordo com o jornal paraguaio Última Hora, a maior polêmica ocorreu após surgirem dados da participação da empresa CIE no consórcio. O pai do ministro das Obras Públicas Rubén Jiménez Gaona é acionista da empresa e há suspeita de favorecimento à CIE.

Fonte: Campo Grande NEWS




Deixe sua opinião sobre o assunto!

error: Cópia de conteúdo desabilitada !!