Caminhões atolam em rodovia no Sul do Piauí e produtores relatam prejuízo




O excesso de chuvas e falta de manutenção em rodovias têm feito com que caminhoneiros que trabalham com o transporte da safra de grãos passem dias atolados na região Sul do Piauí. Segundo Diretor Executivo da Associação dos produtores de soja, Rafael Maschio, alguns trechos estão intrafegáveis e o escoamento está sendo prejudicado, pois algumas transportadoras estão recusando frete devido às condições precárias das estradas.

“A rodovia 397 que juntamente com a PI-392 que liga o município de Bom Jesus a Baixa Grande do Ribeiro são responsáveis por atender boa parte do cerrado piauiense e estão intrafegáveis. Há muitos trechos de atoleiros e caminhoneiros ficam parados e só saem com ajuda de reboque ou trator”, revelou o diretor.

Segundo os produtores, muitas vezes os grãos não chegam a deixar a lavoura, pois os produtores não encontram caminhões para fazer o transporte até os armazéns, que ficam na cidade.

LEIA MAIS  Transporte Excelsior comemora número de inscrições na escolinha de formação de motoristas

“Transportadoras de grãos não querem atuar na região devido à situação precária da rodovia. Os custos de frente são elevados e em alguns casos inviabilizando o escoamento da produção agrícola do cerrado”, lamentou.

O diretor da associação lamenta a situação, que segundo ele é recorrente. Rafael diz que a produção de grãos este ano será superior a 3,5 milhões de toneladas.

O coordenador das câmaras setoriais do Estado, Sérgio Vilela, informou que a obra dos Transcerrados está suspensa e deve ser retomada quando os recursos do empréstimo contraído junto à Caixa Econômica Federal forem disponibilizados novamente. Isso porque a Justiça Federal proibiu novas transferências financeiras entre a Caixa Econômica Federal (CEF) e o governo do Piauí, após auditoria feita pelo Tribunal de Contas do Estado.

LEIA MAIS  Senadores da Georgia-EUA queriam banir caminhões das estradas

A operação de crédito do Estado com a Caixa foi assinada no ano passado, no valor de R$ 600 milhões. O Estado recebeu R$ 307 milhões referentes à primeira parcela e teria desviado os recursos, conforme TCE.

Fonte: TV Clube




Deixe sua opinião sobre o assunto!