Cegonheiros fazem novo protesto no Recife




Cegonheiros realizaram o segundo dia de uma nova rodada de protestos contra o Programa de Desenvolvimento do Setor Automotivo do Estado de Pernambuco (Prodeauto) nesta terça-feira (24) no Recife. O primeiro protesto aconteceu nessa segunda-feira (23) em Goiana, na Região Metropolitana do Recife (RMR).

Cerca de 25 caminhoneiros participaram de uma carreata partindo do Centro de Convenções de Olinda, na RMR, onde aconteceu a concentração, até a saída, as 11h. O grupo se deslocou até Jaboatão dos Guararapes, também na RMR, passando pelo Centro do Recife.

“Estamos há nove meses nas ruas reivindicando o cumprimento do Prodeauto com manifestações pacíficas tentando resolver esse problema. Conseguimos uma reunião com o governador quando ele nos recebeu depois de muito tempo de mobilização. Mandamos toda a documentação e ele está empenhado em resolver. O problema é a Fiat, que se nega a cumprir”, afirmou o presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos e Microempresas de Transporte de Veículos Congêneres do Estado de Pernambuco (Sintraveic-PE), Milton Freitas.

LEIA MAIS  Congresso vota textos do pacote dos caminhoneiros

As próximas manifestações acontecerão em Jaboatão dos Guararapes, na quarta-feira (25); Gravatá e Bezerros na quinta-feira (26); Caruaru, na sexta-feira (27); Garanhuns, na segunda-feira (30); Surubim, na terça-feira (1º/5); e Carpina, na quarta-feira (2/5). Outras cidades devem receber os protestos e serão confirmadas pelo Sintraveic-PE.

LEIA MAIS  Multas pela greve dos caminhoneiros continuam suspensas; empresas e Governo não chegam a acordo

Prodeauto

O Prodeauto é um programa do setor automotivo que dá isenção de 95% de impostos a toda montadora de veículos que se instale no Estado. A finalidade é atrair e fomentar investimentos no setor automotivo, mediante concessão de incentivos fiscais na área do ICMS. Segundo o Sintraveic-PE, a Fiat não entra em acordo para utilizar a maior parte de sua fábrica, em Goiana, para o transporte de veículos.

Fonte: Folha PE




Deixe sua opinião sobre o assunto!